a nosemose em abelhas melíferas europeias: alguns aspectos introdutórios

Até alguns anos atrás a ocorrência na primavera de diarreia e abelhas rastejantes e semi-paralisadas, com dificuldades de voar era considerado um sinal típico da infestação conhecida como nosemose apis. Desde a entrada do novo milénio, este cenário mudou de forma significativa. Hoje, a nosemose raramente é acompanhado de diarreia, mas as abelhas rastejantes, trementes, com as asas em “K” ainda são encontradas em pequenos grupos à entrada da colmeia, e agora ao longo do ano. Uma “nova” forma de nosemose, originária da Ásia, substituiu esta e é conhecida como nosemose ceranae .

Mudança de hospedeiro na Ásia

Nosema apis é o parasita original da abelha apis mellifera. Este fungo multiplica-se nas paredes celulares (epiderme) do intestino médio de uma abelha e obstrui a produção de proteínas. A abelha asiática apis cerana é exclusivamente afetada por fungos da subespécie nosema ceranae.

Fig.1: A—aparelho do ferrão; B—recto; C—intestino pequeno; D—intestino médio. 

Na China, na década de 1970, o fungo nosema ceranae foi encontrado pela primeira vez em abelhas  apis mellifera ali introduzidas. Desde 1998, este “novo” parasita ” espalhou-se por todo o mundo e em pouco tempo tem vindo a ocupar o território antes ocupado pelo nosema apis. De acordo com exames efectuados no sul da Alemanha, a substituição ocorreu em cerca de dois anos, desde o início de 2003. Em locais com maior densidade de abelhas, a mudança foi mais rápida ainda.

Fig. 2: Com uma ampliação de 400x, os esporos ligeiramente menores de Nosema ceranae (4,4 x 2,2 μm, à esquerda) só se distinguem dos dos Nosema apis (5-7 x 3-4 μm) após medição meticulosa.

 

A análise a olho nú do intestino delgado

A análise a olho nú do intestino médio da abelha  pode ajudar no diagnóstico, mas nem sempre é conclusivo, em especial no caso de nosema ceranae.

Fig. 3:  Imagem do topo: intestino médio infestado, com cor creme leitosa. Imagem inferior: não infestado, com um meio ambiente transparente. (Fonte: Ritter, W. (2012) Bienen gesund erhalten (Mantendo as abelhas saudáveis) Ulmer Verlag. Stuttgart, Alemanha em alemão).

 

Fig. 4 : Imagem do intestino de uma abelha com suspeita de estar muito infestado pelos esporos do nosema apis (foto gentilmente cedida por Sérgio Gonçalves)

fonte principal: http://www.beeculture.com/practical-beekeeping-beekeeping-with-the-new-parasite/

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.