vespa asiática: (in)eficácia de diferentes armadilhas no apiário

Em 49 apiários situados metade nos Alpes-Maritimes (zona de elevada pressão do vespão asiático) e outra metade em Haute-Garonne (zona de baixa pressão do vespão exótico) avaliou-se o efeito da utilização de diversos tipos de armadilhas (ver aqui em detalhe as armadilhas utilizadas e respectivos iscos http://itsap.asso.fr/wp-content/uploads/2016/03/cr_evaluation_piegeage_vvelutina_2014.pdf) por comparação com um apiário de controlo (“temoin”) onde se não utilizou qualquer tipo de armadilha para as velutinas. Todas as armadilhas de captura foram instalados entre 19 de agosto e 16 de setembro de 2014 e foram retiradas entre 7 de novembro e 15 de dezembro, quando a ausência de capturas indicou que V. velutina havia parado a predação.

Quanto ao desenvolvimento das colónias de abelhas não há diferenças significativas nas diferentes modalidades de armadilhas no que se refere a alterações no peso e o número de quadros ocupadas por abelhas. Por outro lado, as variações de peso e o número de quadros ocupados por abelhas nos apiários de controle é maior (ainda que não significativamente) que nos apiários equipados com armadilhas. Estes dados, portanto, não permitem concluir por um efeito positivo das modalidades de armadilha testadas no que se referes ao desenvolvimento das colónias.

Relativamente à mortalidade de colónias de abelhas o primeiros dado a destacar é que a mortalidade antes e à saída do inverno tem sido muito alta. No entanto, os valores de mortalidade pré e pós-inverno, medidos nos apiários de controle, são inferiores aos apiários equipados com armadilhas (ainda que não significativamente). Novamente, não é possível concluir que as modalidades de armadilhas testadas para a protecção de colónias de abelhas sejam efectivas.

O objetivo prático deste método de controle é manter o desenvolvimento normal das colónias e limitar a mortalidade. Sua eficiência foi medida em condições práticas de produção, com altas densidades de armadilhas, em áreas de baixa e alta pressão. No entanto, comparações entre apiários de controle sem armadilhas de captura e os apiários que tinham essas armadilhas não revelam nenhum efeito protetor da captura dos vespões na atividade de forrageamento, ou no desenvolvimento ou sobrevivência das colónias. Estes resultados levam a concluir pela ineficácia dos métodos de captura testados para proteger o apiário contra a Vespa velutina.

fonte: http://itsap.asso.fr/wp-content/uploads/2016/03/cr_evaluation_piegeage_vvelutina_2014.pdf

Nota: Entre os métodos/armadilhas inicialmente pensados pelo grupo de trabalho, os baseados num sistema elétrico (armadilhas Apiprotection e Technic-Joules), vulgo harpas eléctricas não puderam ser testados devido à falta de um acordo com os fabricantes. O segredo será a alma do negócio destes dois fabricantes de harpas?

2 comentários em “vespa asiática: (in)eficácia de diferentes armadilhas no apiário”

  1. Este teste vale 0.
    Armadilhas colocadas em Agosto quando os ninhos estão em atividade o impacto das armadilhas é mínimo. Sem as arpas não há uma redução do ataque ao apiário.
    Façam um teste a iniciar a 15 fevereiro para apanhar as rainhas que iram Iniciar a postura e depois publiquem os resultados.

    1. Boa tarde, Rogério! Não concordo que o teste vale zero. O que o estudo diz é que as armadilhas colocadas entre agosto e novembro não aparentam ter eficácia NESSE PERÍODO. O estudo valeria zero se os investigadores dissessem que concluíram que as armadilhas colocadas nessas datas (agosto a novembro) não tinham efeito na predação das velutinas à entrada da primavera. E isso não disseram, como o poderiam dizer se não o testaram? Abraço.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.