revisão sobre o impacto da temperatura e humidade nas actividades das abelhas

Junto ao solstício de inverno, esta publicação, que traduz excertos de um estudo de revisão muito citado na literatura da especialidade, visa sumariar o conhecimento mais actual em torno do impacto de factores abióticos, temperatura e humidade relativa (HR), nas actividades das abelhas no interior e exterior das colmeias.

  • A faixa normal de temperatura no interior de uma colónia de abelhas melíferas varia de 33 a 36 ° C (Kleinhenz et al. 2003; Petz et al. 2004), mais precisamente 34,5 ± 1,5 ° C (Jones et al. 2005);
  • Ao nível individual, quando a temperatura no interior da colmeia sobe acima de 36 ° C, a criação sofre de sobreaquecimento;
  • Quando a temperatura sobe acima de 36 ° C, as abelhas começam a mitigar a carga de calor usando o comportamento de abanar, vibrando rapidamente suas asas. As operárias assumem posições específicas durante o abanamento para serem mais eficazes (Southwick e Moritz 1987);
  • Outro mecanismo é o arrefecimento evaporativo, as operárias coletam água, permitindo o arrefecimento evaporativo dentro da colónia (Nicolson 2009);
  • Em caso de temperatura inferior a 33 ° C no interior da colmeia, as abelhas melíferas precisam de aumentar a temperatura para manter a criação, o que é realizado aumentando a densidade das abelhas no ninho (comportamento de agrupamento) e aumentando a endotermia de acordo com a necessidade (Harrison 1987; Stabentheiner et al. 2010);
  • Há um equívoco em torno da ideia de que o papel dos zângãos é apenas o acasalamento da rainha. Os zângãos participam da termorregulação da colónia sob condições específicas (Harrison 1987). Kovac et al. (2009) encontraram zângãos aquecendo os seus tórax, especialmente zângãos com mais de 2 dias, para auxiliar no aquecimento da criação em situação de baixas temperaturas;
  • A temperatura da criação é regulada não apenas pelo comportamento de agrupamento das operárias, mas também pelo aquecimento ativo dos músculos torácicos de voo. Essa estratégia, segundo Kleinhenz et al. (2003), inclui: (a) aquecimento superficial dos opérculos da criação enquanto as abelhas estão imóveis sobre esses opérculos, e (b) aquecimento de alvéolos de criação por aquecimento dentro dos alvéolos. No último caso, as abelhas com tórax aquecido (temperatura torácica de 34,1–42,5 ° C) entram em alvéolos vazios entre os alvéolos de criação operculada. Estas abelhas podem permanecer imóveis por até 45 minutos para aumentar a temperatura da criação dos alvéolos adjacentes em 2,5 ° C em 30 minutos. O fluxo de calor, neste caso, consegue-se a até três alvéolos de criação de distância da abelha aquecedora (Humphrey e Dykes 2008). A presença de alvéolos vazios não pode garantir a manutenção da temperatura ideal do ninho de criação, mas estas lacunas podem reduzir o tempo e a energia gasta pelas abelhas para aumentar o aquecimento da criação (Fehler et al. 2007);
Foto (12/11/2021) de um quadro de uma colónia minha, onde se podem observar diversos alvéolos vazios no interior da zona de criação operculada.
  • As pupas em alvéolos operculados são mais sensíveis à baixa temperatura do que ovos ou larvas (Groh et al. 2006; Tautz et al. 2003). Li et al. (2016) relataram que as temperaturas da criação de operárias eram mais altas do que as de zângãos, e que é regulada de forma mais precisa;
  • Outro fator importante para o desenvolvimento da criação é a humidade relativa (HR) dentro das colónias. Li et al. (2016) descobriram que a HR é amplamente regulada pelas operárias. A HR é particularmente importante para a incubação dos ovos. HR abaixo de 50% impede a eclosão dos ovos, a faixa ótima de HR para incubação normal é de 90 a 95%. HR mais alta ou mais baixa reduz significativamente o número de ovos chocados normalmente (Doull 1976);
  • Nenhum ovo eclodiu a 30% de HR. Em caso de condições de baixa HR, as abelhas apresentam comportamento específico, como evaporação da água do néctar e forrageamento para coleta de água para aumentar a HR (Human et al. 2006). Com a HR elevada, o comportamento de ventilação é utilizado para reduzir a HR para ficar dentro da faixa ideal. Vale ressaltar que para a criação in vitro de larvas de abelhas melíferas, a temperatura de 34 ° C e HR de 96% (Aupinel et al. 2005; Silva et al. 2009) ou HR de 90% (Kaftanoglu et al. 2011) foram sugeridos;
  • O comportamento de forrageamento inclui as abelhas coletando néctar, pólen, própolis ou água para atender às necessidades da colónia. O forrageamento ocorre numa ampla faixa de temperaturas de 10 a 40 ° C (conforme revisto por Abou-Shaara 2014). Abaixo de 10 ° C, as abelhas reduzem as viagens de forrageamento (Joshi e Joshi 2010). O início da atividade de forrageamento foi registrado em uma média de 6,57 ° C, enquanto a atividade mais alta foi a 20 ° C (Tan et al. 2012). Num outro estudo, Woyke et al. (2003) descobriram que 10 ° C é a temperatura na qual o forrageamento é iniciado. Estes autores também notaram que o número de forrageadoras aumentou dez vezes quando a temperatura aumentou para 12 ° C. Contrariamente, a uma temperatura de 43 ° C, foi observada a menor atividade de forrageamento (Blazyte-Cereskiene et al. 2010);
  • A vida útil das abelhas forrageiras varia de 2 a 17 dias (média de 7,7 dias; Visscher e Dukas 1997). A exposição contínua de abelhas forrageiras a temperaturas elevadas pode levar a uma vida útil curta. Remolina et al. (2007) expôs as abelhas melíferas a 42 ° C até a morte e descobriram que o tempo de vida variou de 31 a 91 h (cerca de 1,29-3,79 dias);
  • Em condições de campo, Alattal e Alghamdi (2015) observaram as maiores perdas de colónias em abelhas carníolas (92%), seguidas por abelhas italianas (84%) e, em seguida, por abelhas iemenitas (indígenas) (46%) nas condições de temperatura de Reino da Arábia Saudita . Embora esses autores tenham relatado mais adequação das abelhas italianas a essas regiões quentes em comparação com as abelhas carníolas, as abelhas indígenas mostraram a maior adequação. Da mesma forma, Alqarni (2006) descobriu que as abelhas iemenitas são mais tolerantes a temperaturas elevadas durante o período de verão em Reino da Arábia Saudita do que as abelhas carníolas e italianas;
  • Outro fator abiótico, a humidade do ar, provavelmente não desempenha um papel tão importante num clima temperado, mas é importante em condições secas e quentes. A uma temperatura de 35 ° C, as abelhas melíferas sobrevivem melhor com 75% de HR, enquanto com mais baixa HR de 50% a 15%, a sobrevivência das operárias foi afetada negativamente, especialmente a 15% (Abou-Shaara et al. 2012);
  • O acasalamento de rainhas ocorre principalmente em temperaturas abaixo de 25 ° C (Tibor et al. 1987), portanto, altas ou baixas temperaturas têm um impacto negativo no voo da rainha (Heidinger et al. 2014);
  • A época do ano ou estação também influencia o acasalamento das rainhas, ou seja, rainhas acasaladas na primavera são mais vigorosas do que aquelas acasaladas no outono (Moritz e Ku ̈hnert 1984; Jhajj et al. 1992). Além disso, o maior número de acasalamentos bem-sucedidos foi registrado em maio, enquanto o menor ocorreu em julho e agosto (Al-Ghzawi e Zaitoun 2008). Se as rainhas estão enjauladas, a presença de amas é muito importante, Gontarz et al. (2005), por exemplo, descobriram que adicionar abelhas amas a rainhas em gaiolas aumentava a temperatura dentro da gaiola para quase 35 ° C ou mais em poucas horas;
  • A enxameação é a forma natural de reprodução das colónias de abelhas, pois a abelha rainha não é capaz de encontrar independentemente um ninho e as operárias não são capazes de se reproduzir (c.f. Grozinger et al. 2014). Existem diferentes razões para a enxameação: em colmeias pequenas, a sobrepopulação causa a enxameação, ao passo que a falta de alvéolos para a postura de ovos não (Simpson e Riedel, 1963);
  • O pequeno volume da colmeia e a baixa ventilação promovem a enxameação, bem como o superaquecimento que ocorre em de colónias com abelhas aglomeradas (Lensky e Seifert 1980). A enxameação ocorre principalmente da primavera ao início do verão;
  • As abelhas europeias (de clima temperado) geralmente têm baixa propensão para desertarem. No caso de deserção, as abelhas saem da colmeia e voam para outro local (relocação do ninho).
  • De acordo com a revisão acima, estudos futuros devem incluir os seguintes aspectos: (1) impactos da temperatura e humidade relativa nas características morfológicas (corpo e asa), aprendizagem, sobrevivência e parâmetros fisiológicos (propriedades da cutícula, espessura da cutícula e teor de água corporal ) das diferentes subespécies reconhecidas e para diferentes estágios (ou seja, ovos, larvas, pupas e adultos) e castas (operárias, zângãos e rainhas); (2) comparações diretas entre as subespécies de abelhas e a tolerância de seus híbridos à temperatura alta e muito baixa ou HR, especialmente considerando a mudança climática global prevista; (3) a capacidade das abelhas melíferas em diferentes idades tolerarem condições adversas; (4) novos projetos de colmeias (por exemplo, maior isolamento ou usando aquecimento ou ventiladores de refrescamento) para ajudar a sobrevivência das abelhas sob condições severas de verão ou inverno; (5) impactos das temperaturas e HR na atividade de armazenamento de alimentos sob diferentes condições ecológicas; (6) criação da rainha e maturidade dos zângãos sob várias temperaturas e HR; e (7) os impactos das temperaturas e HR no forrageamento, comportamentos de acasalamento, enxameação e deserção das subespécies reconhecidas das abelhas.

fonte: https://scholar.cu.edu.eg/sites/default/files/yasseribrahim/files/a_review_of_impacts_of_temperature_and_relative_humidity_on_various_activities_of_honey_bees_7.pdf

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.