multiplicar enxames e produzir mel

Para alguns é impossível obter de uma colónia abelhas e quadros com criação para fazer novos enxames e, nessa mesma época, tirar produção assinalável da mesma. Felizmente, com o maneio que utilizo habitualmente, não consigo confirmar essa crença.

Com a técnica de multiplicação de enxames que utilizo há vários anos e que no ano passado fiquei a saber que tinha a designação técnica de Doolittle (ver aqui), tenho conseguido de forma sistemática e consistente atingir este duplo objectivo: utilizar uma colónia como produtora de mel e como fonte de multiplicação de enxames —prefiro este termo ao termo desdobramento, termo este que geralmente está associado à divisão simétrica, cinco quadros para uma caixa e outros cinco para outra, quando prefiro de longe divisões não simétricas de enxames, dois ou três quadros para uma caixa nova, permanecendo os restantes na colmeia-mãe, com rainha, por forma a manter o mais possível a integridade dos enxames doadores, uma condição essencial para que produzam na época.

Multiplicação de enxames pela técnica Doolittle

A partir do início de maio, fim do período de enxameação, estas colónias vão gradualmente passando do modo fornecedoras de abelhas e quadros com criação, para o modo colónias armazenadoras de néctar e produtoras de mel. Esta passagem gradual faz-se com a colocação de 2 a 3 quadros com cera laminada por semana. O resultado final é este (fotos de 2021).

Cresta de Julho de 20121 de todas as 7 colónias que foram utilizadas de março a início de de maio para a multiplicação de enxames.
Dado o peso e com ajuda do Marcelo Murta dividimos a carga por duas caixas.
Exemplar representativo dos 70 quadros do modelo Lusitana (dimensões ninho) crestados nestas colónias.
Passadas algumas semanas crestei em muitas destas 7 colónias mais uma meia-alça/alça lusitana como a da figura.

Voltando ao início, não comprovo a impossibilidade de uma mesma colónia ser utilizada para a multiplicação de enxames e, na mesma época, obtermos dela uma produção significativa de mel. Mais, não comprovo que as grelhas excluidoras de rainhas fomentem a enxameação e reduzam a produção de mel. Utilizadas correctamente, como julgo fazê-lo, são um instrumento indispensável para o maneio das minhas colónias Langstroh e Lusitanas. Felizmente libertei-me há uns anos destes preconceitos e atavismos, infelizmente ainda propalados por alguns pequenos mestres neste pequeno país.

Nota: estou vendedor de enxames com 5 e 10 quadros nos dois modelos acima referidos. Os interessados podem contactar-me através da caixa de comentários com todo o sigilo, pois não serão tornados públicos.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.