eu era muito mais inteligente, ou o efeito Dunning-Kruger na apicultura

Texto de Rusty Burlew no seu blog Honey Bee Suite acerca do processo de “maturação” dos apicultores de língua inglesa. A semelhança com apicultores de língua portuguesa evidencia que há alguns fenómenos universais no mundo animal, independentes de latitudes e ambientes.

“Muito antes de saber que tinha um nome, escrevi sobre o efeito Dunning-Kruger* na apicultura. Numa publicação do blog intitulada “Eu era muito mais inteligente”, revelei os resultados do meu estudo unilateral, não científico sobre a base de conhecimento dos apicultores, pois se correlaciona com o tempo que eles têm abelhas.

De minha extensa pesquisa, descobri que os apicultores do primeiro ano sabem pouco. Não é uma surpresa. Muitos não distinguem um ácaro de um rato – afinal, os dois vivem em colmeias – mas tudo bem, porque os iniciantes absorvem o conhecimento e aprendem rapidamente. Eles leem, assistem às aulas, fazem perguntas. Eles ficam gratos por qualquer ajuda que possamos oferecer.

O problema começa no ano dois
Os praticantes que mais sabem, os que sabem tudo o que há para saber sobre as abelhas, estão no segundo e terceiro anos. Se temos uma pergunta, eles têm a resposta. Se temos uma opinião, eles mostram o que pensam dela – e de você. Eles não leem, porque acham que escrevem melhor. Eles não ouvem, porque eles acham que falam melhor.

Acredite em mim, eles são prodígios da apicultura. Se precisa de uma resposta rápida e de uma opinião dogmática, eles são as pessoas que você precisa ver/ouvir/ler. Se quiser uma explicação não temperada com nuances, absoluta e universal são eles que a fornecem. Estou feliz por eles, pois se deleitam com seu mar de conhecimento.

Depois disso, tudo é uma ladeira escorregadia
Então, cerca do quarto ano, algo acontece – o conhecimento deles se desgasta. Não é que eles saibam menos, mas de repente eles percebem a complexidade da apicultura. Eles percebem que aprenderam apenas a ponta do iceberg.

Estes apicultores mais experientes consideram que as questões são mais complexas do que simples. Eles veem as respostas como multifacetadas, não únicas e absolutas. À medida que o conhecimento aumenta, as respostas ficam mais longas, começando com frases como “Depende” ou “Pode ser várias coisas” ou “Preciso de mais detalhes”.

A árvore do conhecimento
De volta à minha publicação de 2013, comparei o caminho de aprendizagem à árvore do conhecimento. Os apicultores do primeiro ano ocupam o solo, onde a árvore penetra no solo. Os apicultores do segundo e terceiro ano vivem no tronco, onde tudo é liso, bem definido e organizado. Aqueles que já estão nisto há mais tempo estão nos galhos, galhos e galhos, onde cada pergunta tem uma resposta complexa e todos os caminhos estão obscurecidos por folhas.

Apicultores experientes assistem a palestras, leem artigos científicos e fazem experiências. À medida que seu conhecimento aumenta em múltiplos degraus, eles sentem que sabem menos, mas querem saber mais. Eles ficam maravilhados com as abelhas, hipnotizados, humilhados. Nunca têm respostas rápidas, apenas opiniões bem pensadas temperadas com a experiência e a constatação de que, com as abelhas, não existem respostas simples.

Antes de saber sobre o Efeito Dunning-Kruger, imaginei os apicultores do segundo e terceiro anos no tronco de uma árvore onde tudo é simples e fácil de entender. Mais tarde, à medida que nosso conhecimento se expande, nos encontramos entre os ramos onde todos os problemas são complexos e todas as perguntas têm respostas múltiplas.

Nota: * sobre o efeito Dunning-Kruger há inúmeros textos na net. Este é um entre outros: https://super.abril.com.br/comportamento/o-efeito-dunning-kruger-quanto-menos-uma-pessoa-sabe-mais-ela-acha-que-sabe/

2 comentários em “eu era muito mais inteligente, ou o efeito Dunning-Kruger na apicultura”

  1. Como sempre, sigo o seu blog, pois sou uma pessoa muito inexperiente nesta área da apicultura, tendo-o como uma referência de alguém com muita experiência e sabedoria, fatores marcantes no resultado seu trabalho que é um mel, para mim de excelência em sabor, textura,…

    Agradeço este tipo de artigos, pois dá-nos (principalmente a nós inexperientes) consciência onde nos encontramos nesta caminhada, evitando assim a criação de ruido de fundo principalmente quando existe alguma situação/ facto onde é necessário dar uma opinião /ajuda, isto é uma mais valia e não o contrário.

    Obrigado mais uma vez e um bom fim de semana.

    Continue a publicar!
    Abraço Viegas

  2. Desde que descobri o seu blogue que o sigo e agradeço todos os dias pela partilha dos seus conhecimentos. Apesar de ser muito maçarico a trabalhar com abelhas estou muito grato a mim mesmo por ter tomado a decisão já escrevi isto não sei quantas vezes mas quando tomei a decisão de comprar um enxame não foi a pensar no mel mas sim na Polonização e nem imaginam o quanto espantado estou pode ser que seja cedo de mais para lançar foguetes mas os resultados estão a ser surpreendentes tenho árvores que conheço á mais de vinte anos e só o ano passado deram os primeiros frutos e este ano carregaram será coincidência ou será mesmo o trabalhinho das minhas meninas ou será que anda muito boa gente a olhar para o ar e a tentar enganar as crianças dizendo lhe que o que precisamos no nosso dia a dia nasce nas prateleiras dos hiper mercados. Um grande abraço e obrigado pelas partilhas dos seus conhecimentos.

Responder a Joaquim Cancelar resposta

O seu endereço de email não será publicado.

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.