e se… 20% das colmeias tratadas ainda apresentarem abelhas com asas deformadas

Vamos imaginar este cenário: 20% das colmeias de dois apiários tratadas este ano (por exemplo 9 em 59), e supostamente a tempo, com um medicamento que se tem mostrado eficaz nos últimos anos, numa percentagem a rondar os 99% (menos de 1% das colónias morreu por varroose), apresentam a meio do período do tratamento várias abelhas com asas deformadas e uma ou outra jovem abelha a emergir moribunda do alvéolo.

Abelha moribunda a emergir do opérculo com o probóscide (língua) estirado e abelha com asas deformadas.

Vamos imaginar ainda este cenário: um amigo envia uma proposta de acção alternativa/correctiva, que decides experimentar nessas nove colónias.

Uma proposta de acção alternativa/correctiva!

Vamos ser imaginativos e criar mais este cenário: que estas 9 colónias venham a estar como as restantes 50, cheias de pão-de-abelha fresco e com criação saudável e compacta.

Pão-de-abelha fresco, ensilado recentemente, que se torna o motor da expansão de criação de abelhas de inverno muito saudáveis.
Criação compacta e aparentemente saudável.

A terminar não um cenário mas um desejo: num mundo próximo do ideal (o ideal seria o varroa nunca ter saído do território onde é autóctone) constar da lista dos medicamentos homologados um ou dois que entre outras coisas:

  • não sejam dependentes das temperaturas;
  • sejam de libertação lenta;
  • sejam de aplicação única e cubram 3 a 4 ciclos reprodutivos do varroa (40 a 50 dias);
  • sejam eficazes acima dos 90%;
  • não matem as jovens larvas numa altura em que é crítico ter o maior número possível de abelhas jovens a emergir até ao início de novembro;
  • não matem por vezes as rainhas;
  • apresentem substâncias activas suficientemente diferentes do medicamento mais eficaz que utilizamos frequentemente, para fazer a necessária rotação.

Nota: Alguns de nós, guiados pelo Randy Oliver, já transpuseram para a sua realidade estes aspectos que cenarizo. Muito sucesso para todos!

2 comentários em “e se… 20% das colmeias tratadas ainda apresentarem abelhas com asas deformadas”

  1. Que produto devo utilizar no tratamento da barroa, em que mês, quantas vezes por ano? Iniciei este ano com três enxames, fiz quatro desdobramentos, tudo correu muito bem mas este mês perdi tudo, morreram todas, umas com barroa, outras apenas em três dias morreram junto só ninho. Fiz o tranento da varroa como aconcelhou o vendedor com a titã branca cojo o nome nem me recordo e nada adiantou.

    1. Bom dia José Silva! Lamento o sucedido. Assim à distância não lhe consigo dar uma orientação tão precisa e concreta como deseja. Fiz um conjunto de publicações com orientações gerais, em especial nas categorias tratamentos, maneio e doenças, que poderão dar alguma ajuda. Sugiro que procure aconselhamento junto de um apicultor da sua zona que seja bem sucedido no controlo da varroose ou/e do técnico(a) da sua associação de apicultores.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.