vespa velutina : uma armadilha muito selectiva

Apresento em baixo uma outra solução [uma grande esperança entre alguns apicultores franceses] para capturar as rainhas das vespas velutinas após a saída do período de hibernação e que, segundo os seus proponentes (Denis Jaffré e outros), apresenta uma elevada selectividade, a caixa autónoma de captura preventiva e selectiva.

Fig. 1. Caixa autónoma de captura preventiva e selectiva

Os módulos de acesso selectivos ou JABEPRODE (acrónimo francês pelo qual são conhecidos) vão ser fixados na Caixa autónoma de captura preventiva e selectiva dos vespões asiáticos.

Fig. 2: Vista aproximada do JABEPRODE

A extremidade mais fina e seletiva da pirâmide de malha, no interior da caixa permite a fácil passagem fácil das rainhas velutinas e deve estar perfeitamente calibrados para a envergadura destas e, simultaneamente, impedir a passagem de rainhas crabro (vespão europeu). Para conseguir este objectivo a secção na passagem deve ser superior a 6 mm e inferior a 9 mm.

O JABEPRODE  tem a forma de um funil de forma piramidal e é fixo a uma base de cerca de 1 cm por meio de cola (cola de resina de poliuretano ou de neopreno de suporte de plástico) na caixa. A malha deste funil (com mais de 3mm e menos de 5mm) permite a passagem/fuga para o exterior de abelhas e outros insetos de menor tamanho que os vespões asiáticos.


Fig. 3. : Vista superior de uma caixa autónoma de captura preventiva e selectiva onde podemos ver dois JABEPRODE instalados

A profundidade da pirâmide e sua estrutura totalmente ventilada é longa o suficiente para impedir que o vespão asiático encontre a saída (princípio básico da armadilha). As experiências realizadas em 2017 constataram que nenhuma rainha que entrou entrou conseguiu sair.

A caixa autónoma de captura preventiva e selectiva independentemente da sua forma, natureza ou capacidade (caixa de vinho de madeira, caixa de plástico, colmeia …) é sempre composto de quatro elementos: o recipiente para o isco, o JABEPRODE com o maior comprimento possível para otimizar a circulação dos odores do isco, a gaiola de captura e o fundo que é coberto com uma malha fina (1 a 2 mm). A ampla abertura garante a atração, recepção e captura de todas as rainhas velutinas no ambiente envolvente a distâncias muito grandes (várias centenas de metros). A eficácia destas armadilhas será avaliadas em 2019.


Fig. 4. : Colmeia, sem enxame, que funciona como caixa autónoma de captura preventiva e selectiva.

Tipos de iscos: Aqueles que, até agora, mostraram a melhor eficiência e eficácia consistem em ceras de opérculos com mel e/ou quadros quebrados de mel que devem imperativamente ser protegidas por uma rede de arame fino (tipo rede de arame de aço inoxidável) ou redes de própolis que impeçam acesso das abelhas ao isco.

Figs. 5 e 6: Imagem da rede que impede o acesso das abelhas e outros insectos à zona/caixa onde é colocado o isco com ceras dos opérculos e/ou quadros com algum mel.

Três razões para a colocação da rede de malha fina:
1- A necessidade de uma saída rápida de insetos não-alvo (porque eles não podem chegar ao isco) é óbvia e para evitar que eles se tornem presas das velutinas já presentes na caixa.


2- Evitar o risco potencial de transmissão de patogenos pela contaminação de abelhas por via de esporos de loque americana que podem estar presentes em ceras (ou suco de cera) e/ou quadros com algum mel. No verão, é possível usar iscos de carne ou restos de peixe cru (que devem ser substituído a cada dois / três dias), ou o Nuöc Màn (suco de peixe fermentado) parece também dar bons resultados . Os restos de peixes gordos, crustáceos e moluscos são um isco muito apreciados pelas velutinas. Para aqueles que não têm ceras com mel, a mistura de xarope de frutas vermelhas, sidra artesanal saturada com açúcares à qual podemos adicionar as sobras de geléias ou potes de mel esquecidos no fundo do armário funcionam muito bem. Pedaços de esponja embebidos destes sucos são também bons difusores destas fragrâncias olfativas.

3- A necessidade de não alimentar as vespas cujo metabolismo diminuirá muito rapidamente como resultado. Sua temperatura diminuirá rapidamente e sua morte geralmente ocorre após as 36 h (segunda noite). Por outro lado, mesmo sendo uma praga estes insetos não devem sofrer desnecessariamente.

Fig. 7: Vista superior de uma caixa autónoma de captura preventiva e selectiva onde podemos ver dois JABEPRODE instalados, com o isco de restos de cera com mel devidamente protegidos por uma rede de malha fina.

fonte: https://www.labeilledefrance.com/lutte-preventive-contre-le-frelon-asiatique-jabeprode/

One thought on “vespa velutina : uma armadilha muito selectiva”

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.