vespa asiática: uma estratégia alternativa para a colocação de armadilhas

Apresento esta estratégia alternativa para ser conhecida. Não a defendo nem deixo de defender, porque desconheço os seus méritos ou deméritos. Conheço alguns estudos, realizados em França, que desaconselham também a eliminação prematura das fundadoras, e preconizam que se deixe a natureza/competição interespecífica entre as fundadoras eliminar um bom número das mesmas quando saem da hibernação. Repito que não advogo esta posição nem deixo de advogá-la, estou apenas a dar a conhecê-la. Como Pilatos, lavo as minhas mãos… façam o que entenderem melhor para proteger as vossas abelhas! Eu farei o mesmo!

“Nós neste gráfico estabelecemos o período em que se deve usar as armadilhas para capturar as fundadoras …

Fig. 1: O calendário alternativo para colocar armadilhas para eliminar as fundadoras e primeiras obreiras V. velutina (a amarelo). A vermelho o número de rainhas decresce acentuadamente entre fevereiro e março, resultado da luta feroz pelo território entre fundadoras.


Após a saída da hibernação (quando os dias ultrapassam os 13º-15ºC) as velutinas fundadoras desenvolvem uma luta feroz entre elas pelo território e ninhos em construção. Esta luta desenrola-se em duas ou três semanas, e as 20.000 velutinas fundadoras (que representamos na figura) caiem para pouco mais mais de cem no início de março, e será esta centena de fundadoras a responsável pela construção dos ninhos secundários, tantos quantos os do ano anterior.

Portanto, a nossa estratégia de armadilhagem pressupõe que devemos deixar a natureza fazer seu trabalho primeiro.

Em março, quando já não vemos velutinas no ambiente é que a nossa tarefa começa, devemos agora sim colocar as armadilhas.
Como dizemos, é possível que num raio de quilómetro e meio a dois quilómetros, em torno do nosso apiário, exista apenas um pouco mais de uma centena de velutinas fundadoras, mas é esta centena de ninhos que está agora em construção que fará aumentar exponencialmente a população meses mais tarde. Portanto, agora cada velutina caçada é um ninho a menos e muitos milhares de velutinas obreiras mais adiante.
[…]
Neste período raramente as veremos, mas uma parte dessas cem velutinas visitará o seu apiário nos próximos três meses: março, abril, maio.
Não se desespere se as suas armadilha capturam apenas alguns exemplares, deve persistir e manter as armadilhas ativas ao longo desse tempo, porque cada velutina caçada agora será um ninho menos. Com esta captura vai eliminar os ninhos mais próximos do seu apiário, e, portanto, os que mais dano lhe causariam se atingissem a maturidade (a fase de ninho secundário).

No final de maio/ início de junho, as velutinas fundadoras que conseguiram sobreviver às armadilhas deixam de sair do ninho e começam a surgir as primeiras obreiras. A caça a estas primeiras obreiras é essencial: subtrair dez obreiras de um ninho ainda incipiente, com trinta irmãs, é subtrair 30% da força de trabalho necessário ao crescimento desse ninho. Isso atrasará/ evitará a explosão geométrica de indivíduos no ninho no final do verão.

Se executar bem a captura das fundadoras e primeiras obreiras durante a primavera no seu apiário, observará como a população de velutinas no verão pouco o afetará. […]

Por outro lado a administração local deve fazer o mesmo, com uma rede de armadilhas selectivas distribuídas em todo o território municipal, armadilhas selectivas municiadas com ambos os atrativos, doce e proteína, para capturar o punhado de rainhas que, mais cedo ou mais tarde as visitará. Observe que estamos falando de um período considerável de tempo que pode chegar a três meses.
Esta estratégia não é para caçar grandes quantidades de velutinas, esta é a proposta para capturar os indivíduos essenciais à próxima geração e que neste período são poucos. Em nossa opinião, é altura do ano mais vulnerável da espécie e, portanto, quando podemos fazer mais danos.

Nós pensamos que este período é de extrema importância, a batalha contra a VELUTINA ou se ganha nos meses de março, abril ou maio, ou NÃO se ganhará.”


Finalmente, também consideramos a captura de rainhas no final do outono praticamente inútil, se no exemplo que demos, existem 20.000 velutinas que vão hibernar, qual é o sentido de matar 5, 10, 15.000 velutinas, até 19.500 velutinas? se apenas cem serão suficientes para cobrir todo o território novamente.

Portanto, consideramos, sob nossa humilde opinião, uma perda total de tempo e dinheiro a armadilhagem do outono, não somos contra a captura nessas datas, simplesmente consideramos uma perda de tempo e dinheiro.”

fonte: https://sanve.weebly.com/el-trampeo.html

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.