Neonicotinóides: que relação com o declínio dos polinizadores e a perda de colónias de abelhas

Neste artigo https://onlinelibrary.wiley.com/doi/full/10.1002/ps.4583, publicado em 2017, os autores questionam a relação entre a utilização dos neonicotinóides e o declínio dos polinizadores em geral e colónias de abelhas em particular. Concluem:

  • O declínio dos polinizadores silvestres não aumentou durante a era neonicotinóide;
  • O mesmo foi concluído para o declínio das colónias de abelhas, e os declínios observados podem estar ligados a outros fatores que não os pesticidas;
  • As perdas de colónias de abelhas, que aumentaram desde 2000, foram associadas mais com pragas e parasitas, bem como com as práticas de apicultura, do que com o uso de neonicotinóides.

Vejamos alguns excertos do artigo traduzidos que sustentam as afirmações em cima:

“O declínios de espécies de polinizadores silvestres e de espécies de plantas relacionadas com estes polinizadores foram relatados por Biesmeijer et al., comparando dados de observação de campo do Reino Unido e Holanda pré e pós-1980. Estudos mais detalhados mais tarde mostraram fortes declínios na riqueza destas espécies, especialmente durante as primeiras décadas do pós-guerra (1950-1970), menos de 1970-1990, e quase nenhum entre 1990 e 2009. O principal determinante do declínio de abelhas silvestres e da riqueza de espécies tem sido a intensificação da agricultura, resultando numa perda de habitat e plantas fornecedoras de pólen. A tendência de declínio dos polinizadores parece ter abrandado nas últimas duas décadas (1990-2010), o período que viu a introdução e o uso crescente de neonicotinóides Além disso, as espécies de polinizadores comuns em ambientes agrícolas, e possivelmente contribuindo mais para a polinização das culturas, que provavelmente também são as espécies mais expostas, não mostraram tendências declinantes em comparação com as outras espécies encontradas principalmente fora das áreas agrícolas.

[…]

… as perdas de um número elevado de colónias de abelhas durante o inverno são consideradas um problema em si para os apicultores e estimularam a fundação da rede Coloss. Assim, as perdas de colónias de abelhas experimentadas pelos apicultores podem ser atribuídas ao uso de neonicotinóides? Smith et al. apontam que a evidência não é forte para o caso. Mesmo um projeto de monitoramento de 4 anos muito extenso com a intenção de lançar luz sobre os possíveis fatores envolvidos nas perdas de colónias de abelhas melíferas, e focando especificamente resíduos de produtos químicos, não foi capaz de mostrar qualquer relação com estes, mas mostram efeitos da infestação com o ácaro Varroa, alguns vírus e a idade da rainha: na verdade, todos eles se relacionam com as escolhas de gestão/maneio do apicultor, um fator decisivo e muitas vezes negligenciado. Evidência circunstancial de uma investigação por telefone de perdas de inverno entre uma amostra aleatória do apicultores holandeses desde 2013  também sugere que a exposição a pesticidas não é uma explicação provável das diferenças entre os apicultores no número de colónias perdidas: verificou-se que 60-70% dos apicultores não perderam quaisquer colónias, e os apicultores com e sem perdas estavam distribuídos uniformemente pelo país, independentemente da intensidade agrícola e do provável uso de neonicotinóides.”

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.