colónias perdidas encontradas numa mina de dados: comércio global de mel, mas não pragas ou pesticidas, como uma das principais causas de declínios regionais de colónias de abelhas

“Destaques
A base de dados da FAO mostra que o declínio das abelhas é:

• Regional, mas não global.

• Afetado pelo comércio global de mel.

• Impulsionado por mudanças políticas e socioeconómicas.

Perdas recentes de colónias de abelhas (Apis mellifera) têm sido associadas a vários fatores não-exclusivos; tais como pragas, parasitas, pesticidas (por exemplo, neonicotinóides) e outras toxinas. Enquanto essas perdas representam uma ameaça à apicultura, o número de colónias geridas globalmente parece ser menos afetado porque os apicultores substituem as colónias perdidas. De uma perspectiva socioeconómica e ecológica, o número de colónias manejadas é discutivelmente mais relevante quando se trata da questão dos serviços de apicultura e polinização fornecidos pelas abelhas. Aqui, usamos o banco de dados da FAO para dissecar as interações entre o mercado global de mel e o número de colónias. Análises à escala global não mostram um declínio geral de colónias. Enquanto a Europa Ocidental e os EUA mostram declínios nas colónias, outras regiões mostram um aumento considerável. Não foi possível encontrar qualquer ligação entre a dinâmica das colónias e a ocorrência de patogenos específicos ou o uso de pesticidas. Em contraste, mudanças no sistema político e socioeconómico mostram fortes efeitos sobre a apicultura. Além disso, muitos países mostram uma estreita correlação negativa entre a importação de mel e o número de colónias geridas. Para alguns países, a quantidade de mel produzida por colónia está altamente correlacionado positivamente com a quantidade de importações de mel, e não podemos excluir a re-rotulagem em larga escala de mel importado para mel nacional. É muito claro que o comércio de mel é um fator preponderante para o número de colónias manejadas, já que os países com uma forte relação de importação e exportação são aqueles que mais sofrem com o declínio de colónias.

fonte: https://www.sciencedirect.com/science/article/pii/S0167880915300931

Nota: importa destrinçar entre declínio do número de colónias de abelhas e mortalidade de colónias de abelhas. O declínio não ocorre se os apicultores substituírem as colónias mortas por novas colónias, por exemplo através dos desdobramentos das sobreviventes. No caso vertente, o artigo correlaciona o declínio do número de colónias de abelhas em certas regiões do mundo com o comércio internacional do mel. Este, como sabemos, está mal regulado, o que provoca distorções aleatórias e de difícil acomodação com os custos reais da actividade em certas regiões do mundo, como é o caso europeu. Como já referido por mim anteriormente, a sustentabilidade económica da actividade apícola tem um papel decisivo na decisão do apicultor de aumentar, manter ou diminuir o seu efectivo de colmeias. Temo que em Portugal venhamos a assistir, num futuro muito próximo, ao declínio do efectivo apícola português, resultado de uma percepção da difícil sustentabilidade económica da actividade. Mudanças na política de apoios ao sector são vitais e urgentes para o evitar. Aqui ao lado, Espanha é um exemplo de como os apoios estatais contribuem para uma maior vitalidade da sua fileira apícola.

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.