alterações climáticas: doenças e mudanças na sua distribuição geográfica

Alguns patógenos das abelhas conhecidos estão distribuídos por todo o mundo. Eles incluem: Varroa destructor no caso de Apis mellifera e Apis cerana; bactérias que causam a Loque Americana e Loque Europeia; os microsporídios Nosema apis e Nosema ceranae; e numerosos vírus que afetam a Apis mellifera. Esses patógenos tendem a ter diferentes haplótipos de virulência variável. A mudança climática pode encorajar a transferência desses haplótipos entre as populações de abelhas. Outros patógenos ou haplótipos têm faixas de distribuição mais limitadas, como Tropilaelaps, que até agora só foi encontrada na Ásia.

Fig. 1: Ácaro varroa (à esquerda); ácaro Tropilaelaps (à direita).

As mudanças climáticas conduzirão a deslocações de abelhas de diferentes espécies e raças, colocando-as em contato com patógenos com os quais nunca co-evoluíram, como ocorreu com o Varroa destructor e a Apis mellifera. No espaço de algumas décadas no século passado, dois haplótipos extremamente homogéneos desse parasita foram suficientes para invadir virtualmente todas as áreas de distribuição da Apis mellifera. A história mostra, portanto, que tais encontros podem ser catastróficos e que as abelhas necessitarão de assistência humana para sobreviver.

Os movimentos das abelhas melíferas podem ser espontâneos e ligados às mudanças climáticas nas zonas geográficas de origem e de acolhimento (por ex. o conhecido caso de colonização das abelhas africanizadas no continente americano). Pode acontecer ainda que a maior ou menor expressão de doenças, dependa de fatores climáticos. Um estudo recente descobriu que temperaturas mais baixas estão associadas a uma menor prevalência do parasita Nosema ceranae, indicando que temperaturas mais altas, resultado de mudanças climáticas, podem ocasionar mais abelhas infectadas com este microsporídio.

fonte principal: https://www.researchgate.net/publication/23285587_Climate_change_Impact_on_honey_bee_populations_and_diseases

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.