a dose faz o veneno… mas não é nisso que o cidadão comum acredita!!

Para qualquer molécula que ingerimos/somos expostos, natural ou sintética, ser capaz de exercer um efeito positivo ou negativo sobre nós, ela deve ligar-se a uma molécula receptora existente no nosso organismo. Este efeito positivo ou negativo está totalmente dependente da dose e está praticamente ausente quando as doses são muito pequenas. A exposição a uma determinada molécula pode ser mensurável, e apesar disso não ter quaisquer efeitos mensuráveis sobre nós, positivos ou negativos. Por exemplo, frequentemente somos expostos à apitoxina (um químico natural, e que pode ser letal como sabemos) e essa exposição não resultar em nada de negativo para nós, porque as doses eram baixas.

Muitas dessas preocupações sobre os pretensos efeitos nocivos de doses muito pequenas de químicos são erradamente transferidos pelo cidadão comum a partir de casos conhecidos de aplicação de doses maiores, como se essas substâncias ainda pudessem exercer magicamente os efeitos negativos de doses muito superiores.

Bearth et al 2019, “O conhecimento dos leigos sobre a toxicologia e seus princípios” entrevistou 4934 pessoas em oito países europeus, ou mais de 600 em cada: Suíça (CH), Áustria (AT), França (FR), Alemanha (GE), Itália (IT), Polónia (PL), Suécia (SE) e Reino Unido (UK).

A dose faz o veneno. Mas não é nisso que o cidadão comum acredita!! Cerca de 5000 cidadão europeus foram questionados sobre a veracidade de algumas afirmações acerca da exposição a químicos. Por exemplo à afirmação “Uma dose pequena de uma substância química presente num produto de consumo não é necessariamente perigoso.”, afirmação verdadeira, só 23% dos inquiridos responderam correctamente. Outro exemplo, à afirmação “Ser exposto a uma substância química sintética é sempre perigoso, independentemente do nível de exposição.”, afirmação falsa, 91% dos inquiridos acharam que era uma afirmação verdadeira.

Um caso em torno dos disruptores endócrinos. A droga dietilestilbestrol foi utilizada contra o aborto e os sintomas da menopausa entre 1940-1970. Mais tarde, descobriu-se que o tratamento aumentava as taxas de vários efeitos adversos, incluindo cancro, e seu uso foi drasticamente limitado. Esta preocupação perfeitamente justificada acerca dos efeitos adversos em grandes doses, no entanto, agora é comumente aplicada em quase toda parte onde a palavra “disruptor endócrino” aparece. O composto plástico, bisfenol A, encontrado em muitos materiais de embalagens, em níveis 25.000 vezes menores do que a dosagem terapêutica de dietilestilbestrol (numa relação de 6 para 150 mil microgramas/dia), é tratado também como uma ameaça química de igual calibre para os nossos receptores endócrinos.

fonte: https://thoughtscapism.com/2019/06/12/chemical-exposures-the-good-the-bad-and-the-tiny/

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.