varroa: qual o local onde se alimentam

O estudo de Samuel Ramsey veio re-equacionar uma verdade científica que vinha do início dos anos 70 do sec. XX: o parasita externo varroa alimenta-se predominantemente do corpo gordo da abelha e não da hemolinfa. Para termos uma noção mais clara do local da abelha onde os varroas se alimentam é necessário conhecer alguns detalhes da investigação. Samuel Ramsey e os colegas recolheram abelhas de uma colmeia infestada de ácaros e registraram a localização na abelha à qual os ácaros estavam fixados.

Verficaram que a maioria estava presa à parte inferior esquerda do abdómen. Mais especificamente, o ácaro estava encravado sob o terceiro tergito abdominal.

Fig.1 : A maior parte dos ácaros (60%) estava localizado na zona indicada pelo ponto vermelho

Ramsey e seus colegas removeram alguns dos ácaros e usaram um microscópio eletrónico para examinar este ponto de fixação do ácaro na abelha. Por baixo do tergito existe uma membrana mole. A impressão do corpo do ácaro era claramente visível na membrana.

Fig.2 : Imagem ampliada por microscópio electrónico do ponto de fixação do ácaro na abelha

Nas imagens em cima podemos ver: as patas almofadadas do ácaro foram deixadas presas à membrana (imagem esquerda, setas brancas), abrangendo uma ferida óbvia onde os aparelhos bucais perfuraram a membrana (seta preta). Entre eles, a forma de W invertido é presumivelmente a impressão da carapaça inferior do ácaro.

A imagem em close-up à direita mostra os sulcos no local da ferida consistentes com as partes bucais do ácaro.

Estes ácaros estavam a alimentar-se do corpo gordo da abelha.

Fig.3 : Vista ao microscópio electrónico do corpo gordo de uma abelha

fonte: https://theapiarist.org/pedantically-not-phoresy/

Espero escrever mais um ou dois posts com mais alguns detalhes da investigação de Samuel Ramsey, para depois retirarmos algumas novas implicações para a prática apícola e, em simultâneo, reforçarmos a importância de efectuar o tratamento de final de verão de forma atempada.

Nota: a investigação deste jovem mostra as virtualidades do processo científico, um processo de construção suportado pelo que já é conhecido mas, paralelamente, um teste e reteste empírico do conhecimento já construído, uma construção nova, sustentado em novas reflexões e observações, novas técnicas e novas medições, que resultam algumas vezes em propostas de novas relações para as variáveis em estudo. Quando se trata de propor uma alternativa de explicação há uma comunidade de pares para convencer, comunidade muito exigente quanto à qualidade da investigação e robustez dos factos apresentados. Como este jovem fez afirmações extraordinárias foi obrigado por essa comunidade a apresentar evidências também elas extraordinárias. Parece-me que o tem conseguido e abriu um novo paradigma com muitas implicações práticas e teóricas. Mais uma vez a ciência mostra que se não é o espaço dos meros opinadores, também não é um espaço de dogmas inquestionáveis.

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.