uso de métodos químicos e não químicos para o controle do varroa destructor (Acari: Varroidae) e perdas associadas de colónias no inverno em operações de apicultura nos EUA

Traduzo, em baixo, um artigo muito recente (abril de 2019) acerca de uma das principais causas de mortalidade de colónias nos EUA (o ácaro varroa destructor) e sua relação com as opções de tratamento e controlo por parte dos apicultores. Os resultados não me surpreendem e seguem em grande medida um padrão já evidenciados através dos inquéritos aos apicultores da região da Alsácia em França (ver aqui e aqui). Tenho utilizado estes resultados como guião para as minhas opções no controlo do varroa, e estou muito satisfeito até ao momento com os resultados.

“O ácaro Varroa destructor (Acari: Varroidae) é uma das principais causas de perdas de colónias de abelhas melíferas (Apis mellifera) nos Estados Unidos, sugerindo que os apicultores devem controlar as populações de Varroa para manter as colónias viáveis. Os apicultores têm acesso a vários químicos e práticas não químicas para controlar as populações de Varroa. No entanto, nenhum estudo examinou padrões de larga escala nos métodos de controle Varroa nos Estados Unidos. Aqui usamos as respostas de 4 anos de inquéritos anuais a apicultores representando todas as regiões e tamanhos de operação nos Estados Unidos para investigar o uso de métodos de controle do Varroa e perdas de colónias no inverno associadas ao uso de diferentes métodos. Nós concentrámo-nos em sete produtos varroacidas (amitraz, cumafos, fluvalinato, óleo de lúpulo (HopGuard), ácido oxálico, ácido fórmico e timol) e seis práticas não químicas (remoção de cria de zângão, favos com alvéolos pequenos, estrados de rede, açúcar em pó, abelhas resistentes a ácaros e divisão de colónias) sugeridas para ajudar no controle do Varroa. Descobrimos que quase todos os apicultores de grande escala usavam pelo menos um varroacida, enquanto os apicultores de pequena escala eram mais propensos a usar apenas práticas não químicas ou não usar qualquer controle de Varroa. O uso de varroacidas foi consistentemente associado com as menores perdas de inverno, com o amitraz estando associado a perdas mais baixas do que qualquer outro produto varroacida. Entre as práticas não químicas, a divisão de colónias está associada às menores perdas de inverno, embora as perdas associadas ao uso exclusivo de práticas não químicas fossem altas no geral. […]

Utilização de um único produto varroacida como o único controle do Varroa e perdas Associadas

No total, 843 entrevistados (agrupando todos os tipos de operação) indicaram que usaram apenas um produto varroacida e nenhuma prática não química ao longo de um ano. Os produtos mais relatados entre esses entrevistados foram timol (35,3% dos entrevistados), ácido fórmico (28,1% dos entrevistados), ácido oxálico (15,3% dos entrevistados) e amitraz (8,9% dos entrevistados).

Os apicultores que relataram o uso de um produto à base de amitraz tiveram a menor perda de inverno em média (18,8% de perda; Fig. 1). Aqueles que relataram o uso de ácido oxálico, timol ou ácido fórmico relataram 32,4%, 36,8% e 38,8% de perdas, respectivamente (Fig. 1). Os produtos de varroacida menos utilizados (cumafos, fluvalinato e óleo de lúpulo (hopguard)) foram associados às maiores perdas de inverno (Fig. 1).

Fig. 1: Perda de colónias no inverno por produto varroacida para os entrevistados que relataram usar um único produto de varroacida como o único método de controle de Varroa ao longo de um ano. A linha tracejada representa a perda média geral no inverno. Os números dentro das barras indicam o tamanho das amostras. Barras de erro representam intervalos de confiança de 95%. Letras diferentes acima das barras indicam que as perdas no inverno são significativamente diferentes com base nos testes de Tukey-Kramer. […]

Utilização de uma única prática não-química como o único método de controle do Varroa e perdas associadas

Entre os 3.459 entrevistados que indicaram que usaram uma única prática de maneio não química e nenhum uso de varroacida, 59,8% indicaram que usaram tabuleiros de rede. O uso relatado de qualquer outra prática não química como o único método de controle Varroa foi muito menos frequente, com a segunda prática mais comum (divisão de colónias) relatada por apenas 15% dos entrevistados.

As perdas médias de inverno para os entrevistados que relataram usar apenas uma única prática não química para controlar o Varroa foram maiores do que a perda média geral no inverno, independentemente da prática não química que relataram usar. Aqueles que relataram a divisão de colónias tiveram a perda de inverno mais baixa (perda de 32,8%), e essa perda foi significativamente diferente das perdas daqueles que usaram todas as outras práticas não químicas com a excepção da utilização de favo com alvéolos pequenos (Fig. 2). Aqueles que relataram o uso da remoção de cria de zângão ou açúcar em pó perderam em média aproximadamente 62% das colónias, e essas perdas foram significativamente maiores do que as perdas daqueles que relataram o uso de todas as outras práticas não químicas (Fig. 2).

Fig. 2: Perdas de colónias no inverno por práticas de maneio não químicas para os entrevistados que relataram o uso de uma única prática não química e nenhum uso de varroacida ao longo de um ano. A linha tracejada representa a perda média geral de inverno. Os números dentro das barras indicam o tamanho das amostras. Barras de erro representam intervalos de confiança de 95%. Letras diferentes acima das barras indicam que as perdas no inverno são significativamente diferentes com base nos testes de Tukey-Kramer.

fonte: https://academic.oup.com/jee/advance-article/doi/10.1093/jee/toz088/5462560

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.