toxicidade crónica: alguns aspectos

Que alternativa para alimentar 7,6 biliões de indivíduos?

Porque 7,6 biliões de seres humanos têm e/ou devem comer todos os dias, e porque muitos (senão todos!) dos alimentos que compõem as nossas dietas apresentam resíduos de químicos, importa saber que o risco de toxicidade crónica está a ser avaliado e regulamentado de acordo com os melhores conhecimentos experimentais e teóricos actualmente disponibilizados por vários ramos da ciência. Isto deve-nos tranquilizar completamente? Não, digo eu, mas simultaneamente, também não alimentarei a fantasia que o risco zero e a exposição zero a resíduos químicos na dieta alimentar é possível. Pergunto-me até quais os custos colaterais, nomeadamente ao nível do ecossistema, se a demanda por risco zero e exposição zero a resíduos químicos obrigasse o sector agrícola a abandonar a utilização de pesticidas de forma intempestiva e sem alternativas suficientemente confiáveis? Por ex. aqui deixei uma análise mais detalhada acerca dos impactos negativos no ecossistema associados à opção orgânica de agricultura com menos químicos de síntese.

As métricas para a definição de limites máximos de resíduos

Vejamos então com algum detalhe como a ciência actual contribui de forma decisiva para que os reguladores tomem as melhores e mais fundadas decisões possíveis acerca destas matérias. Que métricas utiliza a ciência moderna para definir os limites máximos de resíduos químicos nos alimentos e garantir, o melhor possível, que os alimentos que ingerimos todos os dias não nos provocam danos a longo prazo?

“[…] as métricas de toxicidade crónica são baseadas no “Nível Menor de Efeitos Adversos Observável” (LOAEL em inglês) e no “Nível Sem Efeitos Adversos Observáveis” (NOAEL em inglês). Estas métricas são determinadas experimentalmente definidas como a menor dose na qual os efeitos adversos são vistos (LOAEL) ou a dose na qual nenhum efeito adverso é visto (NOAEL). Essas medidas são muito úteis para orientar os regulamentos e as escolhas pessoais para garantir que evitemos efeitos adversos à saúde – seja um aumento do risco de cancro, doenças cardíacas, problemas de desenvolvimento neurológico ou outros efeitos adversos.

Os limites diários definidos por meio de avaliações de agências reguladoras baseiam-se nesses NOAELs ou LOAELs. Essas métricas são estimativas da exposição diária dos seres humanos e que provavelmente não apresentam risco apreciável de efeitos deletérios durante toda a vida. Estes são tipicamente derivados dividindo os NOAELs ou LOAELs por um conjunto de fatores de incerteza.

Exemplos dessas métricas de toxicidade crónica incluem:

  • Dose de referência (RfD, nos EUA) especialmente para pesticidas;
  • Ingestão Diária Aceitável (ADI, na UE) para aditivos alimentares, pesticidas e drogas;
  • Ingestões diárias ou semanais toleráveis (TDI ou TWI) para contaminantes não utilizados intencionalmente;
  • Níveis de ingestão superiores (UL) toleráveis em conexão com informações de ingestão de referência dietética (DRI) para alimentos, minerais e vitaminas;
  • Ingestões de referência (RI) para recomendações diárias de nutrientes na UE.

Fig. 1: Tabela dos ADI de algumas substâncias presentes em alguns alimentos e outros produtos.

Os limites de segurança são definidos com muito cuidado

As ingestões diárias acima desses limites (ADI) não são necessariamente muito perigosas se acontecerem pontualmente . As métricas de toxicidade crónica assumem que o consumo diário ao longo da vida, pelo que a exposição a curto prazo a um nível superior à dose de referência pode ainda ser segura. Por exemplo, a dose de referência para o paracetamol (acetaminofeno) é de 0,093 mg / kg por dia, o que é 100 vezes abaixo da dose terapêutica real de 9,3 mg / kg. Para uso a curto prazo, esta dose mais elevada representa um risco mínimo, porque não será tomada diariamente durante toda a vida.

Conclusões:

Essas métricas de toxicidade são um ponto de partida crítico para nos ajudar a começar a comparar os riscos de diferentes produtos químicos. Estamos continuamente expostos a muitas substâncias, algumas das quais podem representar uma ameaça se encontradas em concentrações muito altas, com muita frequência, ou por meio de uma rota inadequada de exposição (por ex. se aprovadas para uso dérmico, mas não para ingestão oral). Entretanto, muitas destas substâncias são necessárias para nós nas suas quantidades apropriadas e, embora existam muitas outras que não necessitamos, podemos tolerá-las facilmente em doses baixas. É importante lembrar que existem níveis seguros e inseguros de qualquer substância, e que mesmo as classificações reguladoras ‘seguras’ sempre vêm com advertências de probabilidade e contexto (como o tipo de uso).

Embora nenhuma substância possa ser considerada segura sem mais, a mera detecção de uma substância não nos diz que a sua presença pode representar um problema. Para isso, devemos comparar detecções e níveis de exposição com as métricas disponíveis para nos informar se algo realmente representa um risco. Geralmente este trabalho de avaliação e controlo é feito, e bem, pelas agências acima identificadas. Por outro lado, a grande maioria dos produtores segue os protocolos de boas práticas na utilização de pesticidas, o que contribui de forma decisiva para níveis de segurança alimentar elevada, nomeadamente nos países europeus. Apesar disto haverá sempre alguns a colocar em causa esta meta, referindo que as garantias de segurança não são suficientes. Ainda que muitos destes argumentos resultem, na maior parte dos casos, de falta de informação e/ou viés perceptivos e/ou pré-conceitos ideológicos, introduzem uma dialéctica na área, por vezes positiva, e que propicia avanços mais rápidos e profundos.

fonte principal: https://thoughtscapism.com/2018/05/07/measures-of-toxicity/

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.