que colónias alimentar no outono/inverno

Que colónias alimentar no outono/inverno? Esta é uma questão que nos interpela todos os anos à entrada do outono/inverno.

Em princípio devemos alimentar todas as colónias que apresentem um nível de reservas de mel baixo. Como decidir se o nível de reservas é baixo. Neste post indicámos que o consumo de mel pode variar de acordo com o número de abelhas presentes na colónia. Tomemos como referência o consumo de 2,7 Kg de mel  durante um mês. Se considerarmos que nos meses de Outubro a Janeiro as abelhas pouco ou nenhum néctar fazem entrar na colmeia (esta é a realidade nos meus apiários na Beira Alta), então durante estes 4 meses consumirão 10-11 Kg de mel das sua reservas. Nos meus apiários julgo que consumirão menos porque as baixas temperaturas, mais ou menos habituais por aqueles lados, levam-nas a formar o cacho invernal e portanto a diminuir as suas necessidades energéticas. Mas vamos manter aquele valor como referência, porque neste caso mais vale pecar por excesso. Sendo assim necessito que as colmeias me apresentem pelo menos 4 quadros Langstroth ou Lusitana no ninho bem cheios de mel (que deverão somar 10 a 12 Kg de mel) para ficar tranquilo acerca do seu adequado nível de reservas para passarem estes 4 meses.

frame-of-honey-img_0903_0

Fig. 1: Quadro cheio de mel maduro em toda a sua superfície

Como avaliar o nível de reservas? A maior parte dos apicultores faz uma pesagem das colónias para verificar o nível de reservas. A forma mais expedita de o fazer é levantar a parte detrás da colmeia. Este tipo de avaliação permite ter uma noção grosseira do nível de reservas de uma colmeia. Há quem faça uma pesagem mais rigorosa recorrendo a uma balança ou dinamómetro (ver aqui uma forma de pesagem das colmeias).

Como calcular o peso real das reservas de mel? Sabendo o peso da colmeia vazia com quadros (há variações dependendo sobretudo do modelo em questão assim como da madeira utilizada na sua construção), sabendo que o peso aproximado das abelhas, numa colónia a invernar, não deverá passar muito os 1,5 kg (7 000 abelhas pesam cerca de 1 Kg e ocupam 3 a 4 quadros do modelo Langstroth) e se adicionarmos mais 2 a 3 Kg para o peso da cera nos 10 quadros, e subtraindo estas parcelas ao peso total, a diferença deverá representar o mel e pólen armazenado no interior da mesma. Retirando o peso do pólen armazenado temos finalmente um valor muito aproximado do peso das reservas de mel. Se estas forem superiores a 12 Kg e nos meus apiários da Beira Alta fico bastante tranquilo.

No papel é fácil. E no campo? Contudo se no papel esta avaliação até é muito simples no campo tudo se complica. A primeira dificuldade passa por pesar com algum rigor cada colmeia. A balança tipo dinamómetro é utilizada para este fim por alguns apicultores, como já vimos. No entanto outros equipamentos são utilizados (ver aqui).  A segunda dificuldade, e na minha opinião a maior, é fazer uma estimativa aproximada do peso do pólen numa colónia estabelecida para o descontar e finalmente alcançarmos um número confiável do peso que as reservas de mel têm.

Dois caminhos, qual escolher? No ano passado para eliminar esta angústia acabei por alimentar todas as 400 colmeias que invernaram nos apiários da Beira Alta (ver aqui). Decidi pecar por excesso e pagar a factura, literalmente. Este ano estou a fazer uma abordagem um pouco diferente. No final de Outubro e nos primeiros dias de Novembro, dei uma volta às 600 colmeias que tenho a invernar, abri-as e fiz uma observação rápida dos 4 quadros laterais (2 de cada lado) para a avaliar o mel efectivamente armazenado. Para isso levantei os quadros mais laterais. Com base nestas observações classifiquei as colónias em quatro categorias: fracas, médias, médias mais, e fortes. Destas quatro categorias estou a alimentar as colónias incluídas nas 3 primeiras.

As minhas observações dizem-me para não confiar numa observação “por cima” dos travessões dos quadros, porque alguns destes tendo uma pequena abobada de mel, que nos podem induzir em erro quando observados “por cima”, apresentam efectivamente a maior parte da sua superfície vazia ou preenchida com pólen.

images

Fig. 2: Visão habitual de uma colmeia vista “por cima”

Se estes quadros estiverem vazios o método que eu utilizo, levantar ligeiramente a colmeia pela parte detrás, dá-me uma ideia que esta colmeia está a necessitar de alimento suplementar. Contudo se estes quadros estiverem carregados de pólen podem iludir-me, levando-me a sobrestimar a quantidade de mel armazenado.

031815_pollen_honey_frame

Fig. 3: Quadro em que a maior área está ocupada com pólen

Com a abordagem que estou a utilizar este ano espero que o custo por colmeia com a alimentação suplementar desça cerca de 1/3, e que no final a minha despesa global com 600 colmeias a invernar não ultrapasse a despesa que o ano passado tive ao invernar um pouco mais que 450 colmeia. Mas como prognósticos só no fim vamos ver como corre este ano.

2 thoughts on “que colónias alimentar no outono/inverno”

  1. Após ler todos os posts relacionados com nutrição e alimentação ficou-me a dúvida, dado os comentários do especialista António Pajuelo e das conclusões do estudo em relação às diferentes fontes de alimento, de que alimentação o Eduardo utiliza nas suas colmeias.
    Ainda em relação às conclusões do estudo, tirando o mel (que por razões óbvias seria a melhor alimentação a utilizar) o xarope de açúcar invertido com enzimas teve também um impacto positivo sobre as abelhas. Mas é possível produzir tal coisa ‘caseiramente’? Mas mesmo aqui como fica a situação da produção de HMF de que António Pajuelo nos fala?
    Desde já o meu obrigado pela resposta e também por toda a informação contida neste blog.
    Cumprimentos
    Hugo

    1. Olá, Hugo!
      Nos 2 últimos anos tenho utilizado quase somente fondant/pasta de açúcar na alimentação artificial das minhas colmeias, das marcas Apifonda e Apipasta. Esta alimentação é rotulada de alimentação de manutenção/suplementação, e não lhe é reconhecida por muitos um efeito estimulante (aspecto que em parte discordo). Aplico sobretudo no período que vai de setembro-outubro até março-abril, dependendo do ano e das reservas naturais no ninho.

      Se é possível em casa fazer xarope de açúcar invertido com o recurso a enzimas, desconheço a resposta. Outro caminho, julgo, passa por aquecer o xarope e juntar-lhe ácido cítrico, mas neste caso pode aumentar demasiado o HMF do produto final.

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *