quantificação do intervalo de distâncias de acasalamento das abelhas melíferas e isolamento em vales semi-isolados por análise de paternidade por microssatélites de DNA

“Os machos e as rainhas de abelhas melíferas acasalam no ar e podem voar muitos quilómetros nos seus voos nupciais. A conservação de abelhas nativas, como a abelha preta europeia (Apis mellifera mellifera), portanto, requer grandes áreas isoladas para evitar a hibridização com outras subespécies, como A. m. ligustica ou A. m. carnica, que pode ter sido introduzida pelos apicultores. Este estudo utilizou marcadores microssatélites de DNA para determinar o intervalo de distâncias no acasalamento de A. m. mellifera em dois vales semi-isolados adjacentes (Edale e Hope Valley) no Peak District National Park, Inglaterra, a fim de avaliar sua adequação para a conservação de abelhas nativas e como locais de acasalamento isolados. Três apiários foram montados em cada vale, cada um contendo 12 colónias cada com uma rainha virgem e 2 colmeias com rainhas fecundadas que produziam zângãos. As rainhas virgens tinham permissão para acasalar naturalmente com zângãos das colmeias que havíamos montado e com zângãos de colmeias de propriedade de apicultores locais. Após o acasalamento, amostras de larvas de operárias foram retiradas das 41 rainhas que fecundaram com sucesso e foram genotipadas em 11 locus microssatélites de DNA. Análises de paternidade foram então realizadas para determinar distâncias de acasalamento e isolamento dos apiários. […] a média da frequência de acasalamento efetiva das rainhas de teste foi estimada em 17,2, o que é um valor normal para as abelhas. Noventa por cento dos cruzamentos ocorreram a uma distância até 7,5 km e cinquenta por cento até 2,5 km. A distância máxima de acasalamento registada foi de 15 km. Rainhas e zângãos ocasionalmente cruzavam as fronteiras entre os dois vales, mostrando que a cordilheira montanhosa de Losehill não oferece isolamento completo. No entanto, na parte mais isolada de Edale, sessenta por cento de todos os acasalamentos eram de zângãos das colmeias de Edale. A grande maioria das distâncias de acasalamento observadas situou-se na faixa de Hope Valley, tornando este local um local adequado para a conservação a longo prazo de uma população reprodutora de abelhas negras.”

fonte: https://socialevolution.ku.dk/papers/2006/jensen2006_congen.pdfh

Acasalamento natural

Reflexão: O “pool” genético das abelhas de um determinado apiário, como fica claro da leitura em cima, depende em boa medida dos zângãos presentes num raio de cerca de 7 km. Em Portugal, um dos países europeus com maior densidade de colónias por quilómetro quadrado, estes dados ilustram bem como a genética das nossas abelhas não depende apenas da selecção que promovemos, mas também da selecção que os apicultores nossos vizinhos estão a fazer. Aceitando que nós e os nossos vizinhos estamos de acordo nas características que uma “boa” abelha deve apresentar no futuro, temos as condições mínimas para avançar de forma solidária e complementar.

A característica que na minha opinião mais sentido faz apurar e melhorar num futuro de médio prazo (10 a 20 anos) passa por aumentar a resistência da abelha ao ácaro varroa. Entre os vários mecanismos a seleccionar, eles devem contribuir para um conjunto de comportamentos da colónia que diminua o potencial de fecundidade, fertilidade e longevidade do ácaro. Ao mesmo tempo que esta selecção e melhoramento é realizado é necessário manter muitas das características já hoje presentes como a produtividade e resistência a outras doenças. Muitos poucos desejarão uma abelha resistente ao ácaro e pouco produtiva, por exemplo. Esta demanda depende, como todos sabemos, da genética “adequada” não só do lado materno mas também da genética “adequada” no lado paterno, até porque alguns dados actuais indicam que a “resistência” ao ácaro será a expressão fenotípica de vários genes recessivos. Estando estes indivíduos “resistentes” presentes no nosso apiário, pelo exposto em cima, torna-se indispensável que esta qualidade esteja presente também nos restantes apiários da região.

Não sendo assim arriscamos a dar um passo para a frente e, logo depois, dois para trás. O melhoramento sustentável de abelhas neste aspecto em particular, mas também noutros, é resultado de um esforço colectivo que vai muito para além do nível do nosso apiário.

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.