o risco de um inseticida neonicotinóide no voo de retorno da abelha à colmeia depende das condições climáticas e da infestação pelo Varroa

Nota prévia: Porque estas coisas são sempre um bocado mais complexas, intrincadas, interligadas, multideterminadas do que as revistas de uma sala de espera de consultório de médico ou cabeleireira as pintam, os dados desta publicação científica, já de 2019, ajudam-nos a fazer uma apreciação mais fina.

  • “Destaques
  • A temperatura e saúde da colónia modulam o efeito de insecticidas nas falhas de regresso à colmeia [homing] nas abelhas .
  • Ácaros de varroa aumentam o número de falhas de regresso à colmeia [homing] induzido pelo inseticida thiamethoxam.
  • As baixas temperaturas agravam o número de falhas de regresso à colmeia [homing] induzido pelo inseticida.
  • A avaliação de risco de pesticidas deve incluir temperatura e ácaros Varroa como covariáveis.

Fig. 1: Sumário gráfico do artigo

“O paradigma para todos os bioensaios toxicológicos na avaliação de risco de pesticidas reflete o princípio de que as condições experimentais devem ser controladas para evitar quaisquer outros fatores que possam afetar as medições finais. Como as colónias de abelhas podem ser frequentemente expostas a bio-agressores em condições reais, muitas vezes concomitantemente com pesticidas, a coexposição a pesticidas / bio-agressores está se tornando uma preocupação para as autoridades reguladoras. Nós investigámos os efeitos do inseticida neonicotinóide thiamethoxam sobre o desempenho no comportamento de retorno à colmeia [homing] de forrageadoras de colónias diferenciadas pelo estado de saúde (infestação com ácaros Varroa, parasitação por microsporídeos Nosema spp. e Vírus das Asas Deformadas). […] Nossos resultados mostraram que o ácaro Varroa aumenta a falha de homing causada pelo inseticida, enquanto as altas temperaturas reduzem as falhas no homing induzidas pelo inseticida estudado. […] Nossos resultados sugerem que o estado de saúde das colónias de abelhas e o contexto climático deve ser considerados para uma avaliação completa dos riscos.”

fonte: https://www.researchgate.net/publication/331293266_Hazard_of_a_neonicotinoid_insecticide_on_the_homing_flight_of_the_honeybee_depends_on_climatic_conditions_and_Varroa_infestation

Nota final: Um dos principais riscos para as abelhas associado à utilização de alguns insecticidas neonicotinóides, e que tem sido referido por alguma literatura científica, é a indução de desorientação e falha no vôo de regresso das abelhas à colmeia (em inglês homing), que conduz paulatinamente a uma debilitação na população da colónia. Este estudo, recentemente publicado, conclui que a taxa de varoose e a temperatura ambiente são co-variáveis a considerar na avaliação dos efeitos do inseticida thiamethoxam sobre este comportamento das abelhas. Pessoalmente não me surpreende que assim seja, conhecendo o trabalho de Samuel Ramsey sobre o efeito mais deletério que se supunha provocado pela alimentação do varroa no corpo gordo das abelhas adultas. Os insecticidas neonicotinoides não devem deixar de ser vistos como parte da ameaça, mas este estudo ajuda-nos a colocar em perspectiva o grau de ameaça que eles podem representar, a compreender melhor a inconsistência nos resultados dos estudos até agora realizados a este propósito, e a enfatizar uma vez mais a necessidade imperiosa de ter sempre taxas de infestação pelo varroa muito baixas nas nossas colmeias.

vespa velutina : uma armadilha muito selectiva

Apresento em baixo uma outra solução [uma grande esperança entre alguns apicultores franceses] para capturar as rainhas das vespas velutinas após a saída do período de hibernação e que, segundo os seus proponentes (Denis Jaffré e outros), apresenta uma elevada selectividade, a caixa autónoma de captura preventiva e selectiva.

Fig. 1. Caixa autónoma de captura preventiva e selectiva

Os módulos de acesso selectivos ou JABEPRODE (acrónimo francês pelo qual são conhecidos) vão ser fixados na Caixa autónoma de captura preventiva e selectiva dos vespões asiáticos.

Fig. 2: Vista aproximada do JABEPRODE

A extremidade mais fina e seletiva da pirâmide de malha, no interior da caixa permite a fácil passagem fácil das rainhas velutinas e deve estar perfeitamente calibrados para a envergadura destas e, simultaneamente, impedir a passagem de rainhas crabro (vespão europeu). Para conseguir este objectivo a secção na passagem deve ser superior a 6 mm e inferior a 9 mm.

O JABEPRODE  tem a forma de um funil de forma piramidal e é fixo a uma base de cerca de 1 cm por meio de cola (cola de resina de poliuretano ou de neopreno de suporte de plástico) na caixa. A malha deste funil (com mais de 3mm e menos de 5mm) permite a passagem/fuga para o exterior de abelhas e outros insetos de menor tamanho que os vespões asiáticos.


Fig. 3. : Vista superior de uma caixa autónoma de captura preventiva e selectiva onde podemos ver dois JABEPRODE instalados

A profundidade da pirâmide e sua estrutura totalmente ventilada é longa o suficiente para impedir que o vespão asiático encontre a saída (princípio básico da armadilha). As experiências realizadas em 2017 constataram que nenhuma rainha que entrou entrou conseguiu sair.

A caixa autónoma de captura preventiva e selectiva independentemente da sua forma, natureza ou capacidade (caixa de vinho de madeira, caixa de plástico, colmeia …) é sempre composto de quatro elementos: o recipiente para o isco, o JABEPRODE com o maior comprimento possível para otimizar a circulação dos odores do isco, a gaiola de captura e o fundo que é coberto com uma malha fina (1 a 2 mm). A ampla abertura garante a atração, recepção e captura de todas as rainhas velutinas no ambiente envolvente a distâncias muito grandes (várias centenas de metros). A eficácia destas armadilhas será avaliadas em 2019.


Fig. 4. : Colmeia, sem enxame, que funciona como caixa autónoma de captura preventiva e selectiva.

Tipos de iscos: Aqueles que, até agora, mostraram a melhor eficiência e eficácia consistem em ceras de opérculos com mel e/ou quadros quebrados de mel que devem imperativamente ser protegidas por uma rede de arame fino (tipo rede de arame de aço inoxidável) ou redes de própolis que impeçam acesso das abelhas ao isco.

Figs. 5 e 6: Imagem da rede que impede o acesso das abelhas e outros insectos à zona/caixa onde é colocado o isco com ceras dos opérculos e/ou quadros com algum mel.

Três razões para a colocação da rede de malha fina:
1- A necessidade de uma saída rápida de insetos não-alvo (porque eles não podem chegar ao isco) é óbvia e para evitar que eles se tornem presas das velutinas já presentes na caixa.


2- Evitar o risco potencial de transmissão de patogenos pela contaminação de abelhas por via de esporos de loque americana que podem estar presentes em ceras (ou suco de cera) e/ou quadros com algum mel. No verão, é possível usar iscos de carne ou restos de peixe cru (que devem ser substituído a cada dois / três dias), ou o Nuöc Màn (suco de peixe fermentado) parece também dar bons resultados . Os restos de peixes gordos, crustáceos e moluscos são um isco muito apreciados pelas velutinas. Para aqueles que não têm ceras com mel, a mistura de xarope de frutas vermelhas, sidra artesanal saturada com açúcares à qual podemos adicionar as sobras de geléias ou potes de mel esquecidos no fundo do armário funcionam muito bem. Pedaços de esponja embebidos destes sucos são também bons difusores destas fragrâncias olfativas.

3- A necessidade de não alimentar as vespas cujo metabolismo diminuirá muito rapidamente como resultado. Sua temperatura diminuirá rapidamente e sua morte geralmente ocorre após as 36 h (segunda noite). Por outro lado, mesmo sendo uma praga estes insetos não devem sofrer desnecessariamente.

Fig. 7: Vista superior de uma caixa autónoma de captura preventiva e selectiva onde podemos ver dois JABEPRODE instalados, com o isco de restos de cera com mel devidamente protegidos por uma rede de malha fina.

fonte: https://www.labeilledefrance.com/lutte-preventive-contre-le-frelon-asiatique-jabeprode/

o maneio (in)adequado da abelha negra


Um vasto conjunto de técnicas modernas de apicultura foram desenvolvidas simultaneamente com a expansão das subespécies de abelhas mais populares: A. m. ligustica e A. m. carnica.

Fig. 1 : A. m. ligustica

A padronização do tamanho e estrutura das caixas de colmeias levou a técnicas universais de maneio em operações apícolas profissionais, primeiro no Novo Mundo e depois em muitos países europeus. Cursos, materiais didáticos, manuais e periódicos promoveram as novas técnicas. Toda a filosofia de maneio foi pensada e optimizada para as abelhas A. m. ligustica, A. m. carnica e A. m. caucasica.

Fig. 2: A. m. carnica

Estes são alguns exemplos desta filosofia de maneio: incluiu maneio brusco das colónias, evita o desdobramento/arrefecimento das colónias antes do fluxo do néctar principal, defende um grande espaço para a invernagem de colónias (ninho e sobreninho langstroth), exige baixa tendência de enxameação, recorre à remoção dos mestreiros para controle de enxameação e preconiza o uso intenso de fumo durante o maneio.

Muitos desses métodos são muito severos/inadequados para a abelha A. m. mellifera (abelha negra). Apicultores mantendo A. m. mellifera devem conhecer algumas técnicas mais antigas e desenvolver métodos e equipamentos mais ajustados ao maneio destas colónias [Manner, 1925]. A fisiologia, o comportamento e ciclo de vida anual de A. m. mellifera diferem de outras abelhas e devem ser consideradas nas técnicas de maneio. Surpreendentemente, isso não é comumente conhecido pelos apicultores [Ingvar Arvidsson, comunicação pessoal].

Fig. 3: A. m. mellifera

fonte: https://www.nordgen.org/wp-content/uploads/2017/03/BrownBeeReport2014NordGen.pdf

Nota: reescrever alguns capítulos do manual de maneio da nossa A. m. iberiensis pode e deve ser feito na minha opinião. Temos bons apicultores na península com conhecimentos para isso. Não tenho ideia da sua motivação para os partilharem.

Fig. 4: A. m. iberiensis

importação de linhas exóticas de abelhas: o ponto de vista de Randy Oliver

Fica em baixo bem claro o ponto de vista de Randy Oliver, provavelmente o mais prestigiado apicultor norte-americano da actualidade, no que respeita à introdução de linhas exóticas de abelhas em locais onde milenares forças e pressões selectivas foram moldando uma abelha nativa… como na Península Ibérica e/ou na Península Itálica (ver aqui os que os italianos estão a fazer para preservar a sua abelha nativa).


Fig. 1: Randy Oliver (scientificbeekeeping.com)

“[…] há muito que refiro que os genes de cada população local de abelhas continua na geração seguinte.

Isto significa que a qualquer ser humano, como os apicultores, não devia ser permitido estragar o que milhares de anos de seleção natural definiram. Os apicultores são tolos por pensar que a erva do vizinho é mais verde, e que tem o direito de sobrecarregar populações de abelhas extremamente valiosas e localmente adaptadas com versões McDonalds de abelhas que não conseguem sobreviver sozinhas. Eu apoio totalmente as restrições às importações de linhas exóticas se as raças nativas forem ameaçadas por hibridações descontroladas. Ao contrário de outros animais domesticados, não podemos cercar as abelhas importadas e impedi-las de se cruzarem com as populações nativas. As ações de um importador de abelhas exóticas não podem ser controladas e têm o potencial de estragar aspectos adaptativo que levaram milhares de anos a desenvolver-se.

Nos continentes em que as abelhas melíferas não são nativas, é uma história diferente, já que não existem raças nativas ameaçadas. Assim, nós cruzámos uma enorme variedade de subespécies neste país [EUA] e, em seguida, selecionámos certas estirpes para uma produção profissional/comercial. Mas foi claramente mostrado que estas estirpes são incapazes de persistir sem o apoio humano (dados de Magnus). No nosso continente pode-se argumentar que não é um problema, uma vez que não é uma espécie nativa.

Mas os apicultores que desejem criar abelhas nativas, que podem ser imunes/mais resistentes à toxicidade da flora local, ou a um parasita em particular, ou exibir melhor capacidade de invernal, não podem estar dependentes de um qualquer Tom, Dick ou Harry com vontade de despejar um monte de bonitas abelhas amarelas, incapazes de sobreviver por conta própria e colocá-las logo ali ao lado dos locais de acasalamento das abelhas nativas.

A arrogância humana tende a esquecer a pressão evolutiva e adaptação de longo prazo. Eu penso que falamos de “propriedade ilusória de direitos”, devemos lembrar-nos que a natureza ultrapassa em muito o curto tempo de nossa vida, e que os nossos descendentes podem depois criticar-nos pelos danos que fizemos devido à nossa miopia.”

fonte: Randy Oliver, Grass Valley, CA, [BEE-L em 16-02-2019]

italianos protegem a sua abelha nativa

Um breve apontamento acerca do que os italianos legislaram para salvaguardar a sua abelha nativa a A. m. ligustica.

“Uma resolução de 2017 adotada pela Câmara dos Deputados incluiu não apenas proibições, mas também ações de proteção e “compromete o governo a tomar iniciativas para salvaguardar as subespécies A. m. ligustica limitando ou banindo diferentes subespécies, inclusive híbridos (se não naturais), no território italiano, por meio de novos acordos dentro da União Européia, implementando também uma estratégia para a proteção da biodiversidade dessa subespécie, proporcionando áreas de acasalamento suficientemente extensas ( pelo menos 200 quilómetros quadrados) em áreas onde todas as colmeias naturais ou maneadas por apicultores são habitadas por A. m. ligustica.

Em 1992, a região de Emilia Romagna previa uma proibição total para todo o território regional: “é proibido introduzir e reproduzir abelhas de outras estirpes diferentes de A. m. ligustica, bem como híbridos inter-raciais, dentro do território regional. ”

Uma lei italiana emitida em 1992 protege A. m. ligustica como uma forma de vida selvagem: “a vida selvagem é um bem público do Estado e é protegida no interesse da comunidade nacional e internacional”.

Os regulamentos da região da Úmbria sobre a apicultura estabelecem no artigo 93 que: “a Região pode estabelecer zonas-tampão em torno dos produtores de abelhas rainha incluídos no registro nacional de criadores de A. mellifera e em torno da estação de acasalamento situada na região. A apicultura transumante também é proibida nessas áreas ”.”

Fig. 1: A. m. ligustica

Pergunto se os apicultores italianos são ou não mundialmente reconhecidos e prestigiados pela sua cultura apícola? Pergunto se os italianos estão errados ao defenderem o seu património natural e sua diversidade específica que produziu a abelha nativa que a natureza foi lentamente moldando ao longo de milhões de anos de pressão selectiva?

alterações climáticas: que relação com a má-nutrição em colónias de abelhas

No seguimento deste conjunto de posts (aqui e aqui) acerca dos impactos que a alteração do clima está a ter a vários níveis da vida das abelhas, apresento este mais onde se presume/estabelece uma relação entre estas alterações e a menor qualidade nutricional do pólen fornecido por algumas plantas.

“Eric Mussen, apicultor extensionista emérito, que se aposentou em 2014 após uma carreira de 38 anos, há muito vem a apontar a questão da desnutrição como um fator importante no declínio da população de abelhas.

“Você, sem dúvida, perdeu a noção de quantas vezes afirmei que a desnutrição é um fator preponderante nos inaceitáveis ​​números de perdas anuais de nossas colónias de abelhas”, escreveu Mussen num boletim bimestral de 2013, da UC Apiaries, localizado no Departamento de Website de Entomologia e Nematologia. “Também afirmei inúmeras vezes ​​que as dietas sintetizadas por nós para as abelhas simplesmente não conseguem igualar o valor dos nutrientes obtidos pelas abelhas a partir de uma mistura de pólens de qualidade. Minha preocupação é que, embora tenhamos uma ideia muito boa das necessidades de proteína das abelhas, dos ratios de aminoácidos essenciais que as abelhas necessitam, e suas vitaminas e minerais, etc., ainda não conseguimos alimentar as abelhas com as nossas melhores dietas e mantê-las vivas por mais de dois/três meses confinadas no interior das colmeias.”

A desnutrição está ligada a vários fatores, incluindo a perda e fragmentação do habitat, mas também a mudanças climáticas.

Os cientistas acreditam que o aumento dos níveis de dióxido de carbono pode contribuir para a morte das abelhas. Em maio de 2016, uma publicação de Yale alertou para que “o aumento dos níveis de CO2 pode contribuir para o colapso de colónias de abelhas”.

“Enquanto investigam os fatores por trás da elevada mortalidade das colónias de abelhas, os cientistas agora estão de olho num novo culpado – níveis crescentes de dióxido de carbono, que alteram a fisiologia vegetal e reduzem significativamente as proteínas de importantes fontes de pólen”, escreveu Lisa Palmer.

Este é o fundamento: os cientistas dirigiram-se ao Museu Nacional Smithsoniano de História Natural para examinar o conteúdo de pólen dos espécimes Solidago virgaura (conhecida popularmente por Vara de ouro, muito semelhante à tágueda), que remonta a 1842. Por quê a Vara de ouro? Porque é uma fonte de alimento fundamental para as abelhas na passagem do final do verão para a entrada do outono quando não há muito mais floração.

Compararam amostras de 1842 e 2014, período em que as concentrações atmosféricas de dióxido de carbono subiram de cerca de 280 partes por milhão para 398 pmm, e encontraram resultados bastante preocupantes – muito menos proteína no pólen dos espécimes mais recentes. De fato, as amostras de pólen mais recentes continham 30% menos proteína. “A maior queda na proteína ocorreu entre 1960 e 2014, quando a quantidade de dióxido de carbono na atmosfera aumentou dramaticamente”, escreveu Palmer.

Os cientistas especulam que o aumento das concentrações de dióxido de carbono – pense nas mudanças climáticas – pode estar tendo um papel no desaparecimento global das populações de abelhas” ao minar a nutrição das abelhas e o seu sucesso reprodutivo”, escreveu Palmer.

May Berenbaum, professor de entomologia e chefe do Departamento de Entomologia da Universidade de Illinois em Urbana-Champaign foi citada no artigo: “Um declínio da qualidade da proteína em toda a zona quase certamente está afetando as abelhas. Como para nós humanos, uma boa nutrição é essencial para a saúde das abelhas, permitindo que elas resistiam melhor aos variados tipos de ameaças à sua saúde. Tudo o que indica que a qualidade de seus alimentos está diminuindo é preocupante ”.

Então as abelhas – que polinizam cerca de um terço da comida que comemos – ainda estão em apuros?

Assim nos parece!”

fonte: https://ucanr.edu/blogs/blogcore/postdetail.cfm?postnum=24276

vespa velutina: manual de boas práticas na destruição de ninhos

Um manual útil, bem escrito e com diversas propostas de intervenção para as equipas especializadas na destruição de ninhos de vespa velutina… e que todos os apicultores e restantes cidadãos devem ler.

fonte: http://fnap.pt/web/wp-content/uploads/VVManual-Destruição-de-Ninhos_Dezembro2018.pdf

vespa asiática: uma estratégia alternativa para a colocação de armadilhas

Apresento esta estratégia alternativa para ser conhecida. Não a defendo nem deixo de defender, porque desconheço os seus méritos ou deméritos. Conheço alguns estudos, realizados em França, que desaconselham também a eliminação prematura das fundadoras, e preconizam que se deixe a natureza/competição interespecífica entre as fundadoras eliminar um bom número das mesmas quando saem da hibernação. Repito que não advogo esta posição nem deixo de advogá-la, estou apenas a dar a conhecê-la. Como Pilatos, lavo as minhas mãos… façam o que entenderem melhor para proteger as vossas abelhas! Eu farei o mesmo!

“Nós neste gráfico estabelecemos o período em que se deve usar as armadilhas para capturar as fundadoras …

Fig. 1: O calendário alternativo para colocar armadilhas para eliminar as fundadoras e primeiras obreiras V. velutina (a amarelo). A vermelho o número de rainhas decresce acentuadamente entre fevereiro e março, resultado da luta feroz pelo território entre fundadoras.


Após a saída da hibernação (quando os dias ultrapassam os 13º-15ºC) as velutinas fundadoras desenvolvem uma luta feroz entre elas pelo território e ninhos em construção. Esta luta desenrola-se em duas ou três semanas, e as 20.000 velutinas fundadoras (que representamos na figura) caiem para pouco mais mais de cem no início de março, e será esta centena de fundadoras a responsável pela construção dos ninhos secundários, tantos quantos os do ano anterior.

Portanto, a nossa estratégia de armadilhagem pressupõe que devemos deixar a natureza fazer seu trabalho primeiro.

Em março, quando já não vemos velutinas no ambiente é que a nossa tarefa começa, devemos agora sim colocar as armadilhas.
Como dizemos, é possível que num raio de quilómetro e meio a dois quilómetros, em torno do nosso apiário, exista apenas um pouco mais de uma centena de velutinas fundadoras, mas é esta centena de ninhos que está agora em construção que fará aumentar exponencialmente a população meses mais tarde. Portanto, agora cada velutina caçada é um ninho a menos e muitos milhares de velutinas obreiras mais adiante.
[…]
Neste período raramente as veremos, mas uma parte dessas cem velutinas visitará o seu apiário nos próximos três meses: março, abril, maio.
Não se desespere se as suas armadilha capturam apenas alguns exemplares, deve persistir e manter as armadilhas ativas ao longo desse tempo, porque cada velutina caçada agora será um ninho menos. Com esta captura vai eliminar os ninhos mais próximos do seu apiário, e, portanto, os que mais dano lhe causariam se atingissem a maturidade (a fase de ninho secundário).

No final de maio/ início de junho, as velutinas fundadoras que conseguiram sobreviver às armadilhas deixam de sair do ninho e começam a surgir as primeiras obreiras. A caça a estas primeiras obreiras é essencial: subtrair dez obreiras de um ninho ainda incipiente, com trinta irmãs, é subtrair 30% da força de trabalho necessário ao crescimento desse ninho. Isso atrasará/ evitará a explosão geométrica de indivíduos no ninho no final do verão.

Se executar bem a captura das fundadoras e primeiras obreiras durante a primavera no seu apiário, observará como a população de velutinas no verão pouco o afetará. […]

Por outro lado a administração local deve fazer o mesmo, com uma rede de armadilhas selectivas distribuídas em todo o território municipal, armadilhas selectivas municiadas com ambos os atrativos, doce e proteína, para capturar o punhado de rainhas que, mais cedo ou mais tarde as visitará. Observe que estamos falando de um período considerável de tempo que pode chegar a três meses.
Esta estratégia não é para caçar grandes quantidades de velutinas, esta é a proposta para capturar os indivíduos essenciais à próxima geração e que neste período são poucos. Em nossa opinião, é altura do ano mais vulnerável da espécie e, portanto, quando podemos fazer mais danos.

Nós pensamos que este período é de extrema importância, a batalha contra a VELUTINA ou se ganha nos meses de março, abril ou maio, ou NÃO se ganhará.”


Finalmente, também consideramos a captura de rainhas no final do outono praticamente inútil, se no exemplo que demos, existem 20.000 velutinas que vão hibernar, qual é o sentido de matar 5, 10, 15.000 velutinas, até 19.500 velutinas? se apenas cem serão suficientes para cobrir todo o território novamente.

Portanto, consideramos, sob nossa humilde opinião, uma perda total de tempo e dinheiro a armadilhagem do outono, não somos contra a captura nessas datas, simplesmente consideramos uma perda de tempo e dinheiro.”

fonte: https://sanve.weebly.com/el-trampeo.html

varroa: qual o local onde se alimentam

O estudo de Samuel Ramsey veio re-equacionar uma verdade científica que vinha do início dos anos 70 do sec. XX: o parasita externo varroa alimenta-se predominantemente do corpo gordo da abelha e não da hemolinfa. Para termos uma noção mais clara do local da abelha onde os varroas se alimentam é necessário conhecer alguns detalhes da investigação. Samuel Ramsey e os colegas recolheram abelhas de uma colmeia infestada de ácaros e registraram a localização na abelha à qual os ácaros estavam fixados.

Verficaram que a maioria estava presa à parte inferior esquerda do abdómen. Mais especificamente, o ácaro estava encravado sob o terceiro tergito abdominal.

Fig.1 : A maior parte dos ácaros (60%) estava localizado na zona indicada pelo ponto vermelho

Ramsey e seus colegas removeram alguns dos ácaros e usaram um microscópio eletrónico para examinar este ponto de fixação do ácaro na abelha. Por baixo do tergito existe uma membrana mole. A impressão do corpo do ácaro era claramente visível na membrana.

Fig.2 : Imagem ampliada por microscópio electrónico do ponto de fixação do ácaro na abelha

Nas imagens em cima podemos ver: as patas almofadadas do ácaro foram deixadas presas à membrana (imagem esquerda, setas brancas), abrangendo uma ferida óbvia onde os aparelhos bucais perfuraram a membrana (seta preta). Entre eles, a forma de W invertido é presumivelmente a impressão da carapaça inferior do ácaro.

A imagem em close-up à direita mostra os sulcos no local da ferida consistentes com as partes bucais do ácaro.

Estes ácaros estavam a alimentar-se do corpo gordo da abelha.

Fig.3 : Vista ao microscópio electrónico do corpo gordo de uma abelha

fonte: https://theapiarist.org/pedantically-not-phoresy/

Espero escrever mais um ou dois posts com mais alguns detalhes da investigação de Samuel Ramsey, para depois retirarmos algumas novas implicações para a prática apícola e, em simultâneo, reforçarmos a importância de efectuar o tratamento de final de verão de forma atempada.

Nota: a investigação deste jovem mostra as virtualidades do processo científico, um processo de construção suportado pelo que já e conhecido mas, paralelamente, um teste e reteste empírico do conhecimento já construído, uma construção nova, sustentado em novas reflexões e observações, novas técnicas e novas medições, que resultam algumas vezes em propostas de novas relações para as variáveis em estudo. Quando se trata de propor uma alternativa de explicação há uma comunidade de pares para convencer, comunidade muito exigente quanto à qualidade da investigação e robustez dos factos apresentados. Como este jovem fez afirmações extraordinárias foi obrigado por essa comunidade a apresentar evidências também elas extraordinárias. Parece-me que o tem conseguido e abriu um novo paradigma com muitas implicações práticas e teóricas. Mais uma vez a ciência mostra que se não é o espaço dos meros opinadores, também não é um espaço de dogmas inquestionáveis.

vespa velutina: se eu fosse investigador…

É verdade, sou apicultor a tempo inteiro. Contudo, se fosse investigador, e só soubesse o que sei hoje, esta seria a minha linha de investigação: criar um atraente/isco específico para a vespa velutina. Como?

Sabemos que a vespa velutina adulta, que vai aos apiários caçar as abelhas, o faz para conseguir o tórax das nossas amigas. Com este pedaço de proteína vai para o ninho onde o entrega às larvas famintas. Estas, por sua vez, fornecem-lhe um líquido claro, rico em aminoácidos, que contribui substancialmente para a sua nutrição e que, paralelamente, estabelece um vínculo indestrutível de interdependência, que condiciona pelo reforço positivo o comportamento de caça assanhado na vespa adulta.

Fig. 1: Vespa velutina trucidando uma abelha melífera para lhe retalhar o seu tórax. A natureza também é isto… não é feita apenas de animaizinhos fofinhos e peludinhos!

Este comportamento é característico de todas as vespas pertencentes à superfamília Vespinae, isto é, estas vespas ao invés de consumirem as presas que caçam, trucidam-nas e alimentam com elas as suas larvas.

O mais importante e relevante para este post, e para a minha hipotética linha de investigação, é este dado: a composição exacta dos aminoácidos presentes no tal líquido claro fornecido pelas larvas varia substancialmente entre as espécies de vespas. Confirmado que no caso das vespas velutinas este líquido as atrai exclusivamente ou muito próximo disso, o passo seguinte seria fazer a sua análise e posterior síntese.

Correndo tudo pelo melhor teríamos o tão desejado atraente selectivo. Fica a ideia…