mais de 75% de diminuição em 27 anos na biomassa total de insetos voadores em áreas protegidas

Se os insectos são boas sentinelas da qualidade do ambiente/ecossistema os dados apresentados neste estudo, publicado à dias atrás, são uma vez mais muito preocupantes.

A diminuição global de insetos provocou um grande interesse entre cientistas, políticos e público em geral. A perda de diversidade e abundância de insetos deverá provocar efeitos em cascata nas cadeias alimentares e pôr em risco os ecossistemas. Até agora a nossa compreensão da extensão e das causas subjacentes a esse declínio baseou-se no estudo de espécies únicas ou grupos taxonómicos, e não nas mudanças ocorridas na biomassa de insetos, estudo este que é mais relevante para a compreensão do funcionamento ecológico.

Aqui, utilizamos um protocolo padronizado para medir a biomassa total de insetos usando armadilhas Malaise, implantadas ao longo de 27 anos em 63 áreas de proteção natural na Alemanha (96 combinações únicas de localização-ano) para inferir sobre o status e a tendência da entomofauna local. Nossa análise estima um declínio sazonal de 76% e declínio no meio do verão de 82% na biomassa de insetos voadores ao longo dos 27 anos de estudo. Mostramos que esse declínio é aparentemente independentemente do tipo de habitat, e que as mudanças no clima, uso do solo e características do habitat não podem explicar por si só este declínio geral. Esta perda até agora desconhecida de biomassa de insetos deve ser levada em consideração na avaliação de declínios na abundância de espécies, dependendo de insetos como fonte de alimento e funcionamento do ecossistema na paisagem europeia.

fonte: http://journals.plos.org/plosone/article?id=10.1371/journal.pone.0185809

Ainda que não pretenda arrogar-me como exemplo para ninguém, a verdade é que neste ano apícola, que está a terminar (outubro de 2016-outubro de 2017), e quando comparado com o anterior ano apícola, reduzi em cerca de 20% o número de quilómetros percorridos no exercício da minha actividade. Se por um lado a razão mais imediata está na procura da redução de custos (ver aqui), a redução da minha pegada ecológica alimenta também os meus motivos.

inquérito sobre a realidade das colónias queimadas em 2017 em Portugal

Recebi ontem no meu e-mail esta solicitação do Francisco Rogão para responder a este inquérito. Já o fiz porque me arderam algumas colmeias num dos meus apiários. Tomo a liberdade de colocar aqui o pedido do Francisco assim como o link para o inquérito.

“Bom dia

Caros colegas afectados pelos incêndios (ou quem tenha conhecimento efectivo dos que foram afectados), com o intuito de se ter uma ideia da quantidade de colónias ardidas este ano e fazer chegar esta informação às entidades responsáveis pelo sector, tomo a iniciativa de solicitar que preencham o inquérito que se segue. PF partilhem

Preencha aqui

 Cumprimentos

Francisco Rogão”

 

Apelo ao seu preenchimento por parte dos companheiros a quem arderam colmeias. Assim daremos a conhecer a quem de direito a real dimensão do quanto o sector apícola foi afectado pelos incêndios neste ano. Os resultados recolhidos por este inquérito serão certamente uma ajuda para os nossos representantes (FNAP, Associações e Cooperativas Apícolas) poderem apelar, junto dos organismos oficiais responsáveis, às ajudas ao sector, assim como fazerem parte dos grupos de trabalho que irão surgir no âmbito das prometidas reformas da nossa floresta. Acerca deste ponto remeto ainda para o conteúdo do post do João Tomé, no seu blog Vale do Rosmaninho (aqui), sublinhando esta afirmação: “Para isso, será importante no futuro, os apicultores fazerem parte dos grupos de trabalho com intervenção directa no território, apresentando propostas de gestão em complemento das que são apresentadas por outros sectores (ex. exploração florestal, conservação da natureza, etc.), favorecendo desta maneira o equilíbrio e manutenção das colónias de abelhas.

varroas resistentes ao amitraz ou a excepção à regra

Neste artigo, publicado recentemente em maio de 2017 no prestigiado The New Zealand Beekeeper, o cientista Pablo German descreve o estado-da-arte em torno do funcionamento de vários tratamentos contra a varroa e a probabilidade destes ácaros se tornarem resistentes a cada um deles.

Como tenho tratado com frequência com Apivar as minhas colónias de abelhas, fazendo um ciclo de 3 tratamentos consecutivos ao longo de um ano meio com esta marca, fazendo depois um tratamento com um princípio activo de uma família química diferente, importa-me entender melhor a forma como actua o amitraz e sobretudo qual a probabilidade de surgirem varroas resistentes a este químico, por ex. no âmbito de um programa que como o meu o utiliza três vezes consecutivas antes de fazer a rotação com  um tratamento diferente.

Lendo o que escreve Pablo German acerca do Apivar, confirma a minha convicção construída sobre a minha experiência desde 2009: as probabilidades de surgirem varroas resistentes ao amitraz num programa de tratamentos como o meu são muito baixas. Caso venham a surgir a solução é simples: aumentar marginalmente a dose do acaricida e/ou fazer rotações dos ingredientes activos mais frequentemente.

Traduzo estes dois excertos do artigo que me parecem os mais relevantes para a análise desta questão:

  • O amitraz parece agir ligando-se ao(s) receptor(es) de octopamina, o que leva a uma resposta de stresse agudo com diferentes efeitos em insetos e ácaros. A maioria dos apicultores já percebeu que o amitraz é mais lento na matança de ácaros que a flumetrina, por exemplo. A razão para isso parece ser que, causando essa resposta  stresse, o ácaro não morre imediatamente, mas seu comportamento é completamente alterado, o que leva à sua morte mais tarde. Diz-se que amitraz age por efeitos sub-letais e não por efeitos letais. Os seres humanos, e de fato todos os vertebrados, não possuem receptores de octopamina, razão pela qual o amitraz é relativamente seguro para os seres humanos.

 

  • O percurso lento e baixo da resistência do ácaro varroa ao amitraz – quando comparado à resistência à flumetrina por exemplo – parece indicar que o amitraz atua em mais alvos do que apenas um tipo de receptor de octopamina. De fato, a resistência ao amitraz foi relatada em menos casos do que a relativa aos dois acaricidas anteriores (fluvalinato e flumetrina), e estudos mostraram que o nível de resistência também é menor (a dose de amitraz necessária para matar os ácaros resistentes ao amitraz não é muito maior). De fato, o amitraz ainda é o acaricida mais eficaz usado nos EUA, apesar de resistências terem sido relatadas há duas décadas. Isso parece apontar para o fato de que uma única mutação em um gene não é suficiente para proporcionar resistência.

 

Esq.: Molécula de amitraz

Na Alsácia francesa continua a ser o acaricida mais eficaz e isto ao longo dos sete anos avaliados (ver mais aqui).

vespa velutina: novo atraente e novo cavalo de tróia

Neste artigo da edição do passado mês do “Campo Galego” são apresentados e descritos um novo atraente para velutinas a utilizar em apiários muito atacados e ainda uma nova forma de produzir cavalos de tróia. O autor do artigo sublinha a elevada selectividade do primeiro e a inocuidade do segundo junto dos outros seres vivos que habitem o meio.

A receita do novo atraente segue em espanhol/castelhano:

La receta para el jarabe de miel es la siguiente:
– Se ponen 2 litros de agua a calentar, y se disuelve en ella cuando esté bien caliente 1/2 kg de miel
– Se deja enfriar totalmente (tiene que estar frío del todo para el siguiente paso)
– Añadir 2 cucharadas de alcohol
– Añadir 1 cucharada de vinagre
– Añadir en cada bote la mezcla anterior, hasta una altura aproximada de 2 centímetros.

O novo cavalo de tróia:

É recomendado utilizar os próprios ninhos da Vespa Velutina como uma armadilha para veicular o insecticida. “Uma vez que o ninho Velutina está desativado; isto é, que o inseticida foi aplicado na entrada e selado, em vez de removê-lo para queimá-lo ou esmagá-lo, podemos usá-lo como uma armadilha “, explica. “Para fazer isso”, ele acrescenta, “cortamos com um cortador/faca uma camada do ninho de velutina, de modo a separar os favos com larvas de vespa asiática. Nós pulverizamos com um inseticida de dupla ação, larvicida e adulticida, e as Velutinas serão atraídas pelo líquido das larvas, ficarão contaminadas,  levarão para o seu ninho o insecticida, que também acabará contaminado“.

Relativamente ao insecticida utilizado é apresentado como inócuo para outros insectos e aves que habitem a zona, é constituído por Alfacipermetrina 3% (p/p) e Diflubenzuron 3% (p/p), sem neonicotinoides, e é utilizado frequentemente para combater piolhos em cães, gatos e galinhas.

… estado de guerra

Ontem fiz entre a Guarda e Coimbra 150 Km com o sol sempre por detrás de nuvens de fumo.

Chego a Coimbra e as imagens e notícias da televisão confirmam e expandem esta vivência: Portugal arde de norte-a-sul, de este-a-oeste.

Tenho 50 anos e não me lembro de uma ano tão negro, tão quente, tão mortal. Estamos em terra queimada, estamos feridos, estamos em estado de guerra.

Fig: Uma parede de fumo negro em Vieira de Leiria, com o pinhal real de Leiria a arder 

Um soco no estômago que tem como causas remotas aquilo que alguns ainda negam: alterações climáticas!

Um soco no estômago que tem como causas próximas aquilo que alguns deveriam investigar: como é que os “tolinhos” e “alcoólicos” se conjugam tão perfeitamente entre si para incendiar o país de lés-a-lés num período de tempo tão curto?

Até parece uma acção perfeitamente planeada, organizada, com uma capacidade operacional regional ou até nacional e por gente que de tolo e de bêbado nada têm. E às vezes o que parece é!

conhecer o país de origem do mel: missão impossível?

Neste pequeno período de algum descanso, tenho aproveitado para viajar pela net apícola. Para além dos habituais textos de pouca qualidade, naturalmente encontro também textos com conteúdos de qualidade, pertinentes e esclarecedores.

Por exemplo aqui encontrei um excelente texto sobre a actual situação em Espanha acerca da rotulagem do mel. Como o texto está escrito em espanhol/castelhano não vou proceder à sua tradução.

Destaco no entanto estes dois pontos:

  • apesar das lutas recentes dos nossos companheiros espanhóis para que a lei obrigasse à identificação clara dos países de origem nos rótulos do mel enfrascado, as pequenas alterações introduzidas no decreto real mantêm a possibilidade de se continuar a rotular por ex. com os dizeres “mezcla de mieles procedentes de la CE y de mieles no procedentes de la CE”; 
  • contudo há três países da UE que melhoraram/não aplicaram a directiva europeia a este respeito, e obrigam à indicação dos países de origem nos rótulos de mel enfrascado… e nenhum deles é Portugal.

Vamos a ver o que decide o nosso governo, depois de um oportuno e justo protesto dos apicultores portugueses, no sentido da obrigação de dar uma informação clara dos países de origem nos rótulos do mel colocado ao dispor dos consumidores.

Fig. 1: Exemplo de uma marca branca que dentro da lei rotula “mistura de méis UE e não UE“. Para quando a mudança da lei?

perdas de colmeias em três regiões francesas no inverno de 2015-2016: dados, análise e discussão

Encontramos aqui  uma vez mais um excelente relatório produzido pela Chambre d’Agriculture d’Alsace com a análise e discussão dos dados recolhidos através das 248 respostas ao inquérito apresentado, e que descrevem 8 686 colmeias repartidas por 604 apiários. Uma amostra que merece o nosso respeito, julgo eu, e um relatório que recomendo fortemente a sua leitura por quem tem alguma facilidade no francês.

Para os companheiros que da bela língua francesa nada pescam deixo aqui um apanhado, na nossa bem-amada língua, de alguns aspectos que me parecem muito relevantes no actual contexto de assuntos debatidos no blog “abelhas à beira”:

  1. a média de perdas invernais é mais baixa quando os tratamentos anti-varroa são colocados em Julho (12, 7%). Quando os tratamentos são colocados em Agosto, Setembro ou Outubro, as perdas invernais são de 19,5%, 20% e 26,3%, respectivamente;
  2. a média de perdas invernais é mais baixa quando o tratamento anti-varroa utilizado é o Apivar (13,5%). Seguem-se o ácido fórmico e o MAQS (17,9%), os tratamentos caseiros com amitraz (21,7%), o Apistan (22,6%). Os menos eficazes são os produtos com base no timol, Apiguard, ApilifeVar e Thymovar associados a perdas invernais de 31,9%;
  3. a média de perdas invernais é mais baixa na categoria de apicultores com mais de 100 colmeias (18% de perdas) e mais alta na categoria de apicultores com menos de 10 colmeias (26,7% de perdas).

Estes dados apresentados em cima resultam dos dados recolhidos por inquérito ao longo dos últimos 7 anos pela Chambre d’Agriculture d’Alsace. Não acredito no Pai Natal, mas quem sabe se a FNAP orientará mais os fundos que dispõe para uma linha de investigação deste tipo, do que para certos tipos de investigação que nem ao Menino Jesus interessam. Se estes inquéritos fossem realizados em Portugal e os seus resultados devolvidos/publicados junto dos apicultores portugueses, conheceríamos muito melhor a nossa realidade, orientaríamos as nossas acções de acordo com as análises e discussões deles resultantes e alguns de nós, os mais inexperientes porventura, estariam menos vulneráveis a certos conteúdos mal-amanhados ou amanhados à pressa e que vão sendo publicados por aí na rede.

Não quero terminar sem deixar de enfatizar um dado apresentado no relatório acerca do efeito da eliminação de zângãos/corte de zângãos nas perdas invernais de 2016-2017:

  • as perdas invernais de colmeias onde o apicultor aplicou a técnica de eliminação de zângãos/corte de zângãos foi de 19,7%;
  • as perdas invernais de colmeias onde o apicultor não aplicou a técnica de eliminação de zângãos/corte de zângãos foi de 13,6%.

É com relativa surpresa que constato que a eliminação de zângãos não melhora a taxa de sobrevivência invernal, confiando nos dados deste relatório. Vamos ver se os dados de futuros relatórios confirmarão que o corte de zângãos tem um efeito nulo, ou até negativo, na sobrevivência invernal das colónias de abelhas. Serão as alegadas virtudes do corte de zângão para o controle/redução da taxa de infestação pela varroa mais uma “inverdade”, como muitas outras em apicultura, que resulta de opiniões mal-fundamentadas mas que repetidas até à náusea se tornaram “verdades” que ninguém duvida?

Fig. 1: Quadro preparado para criação intensiva de zângãos no âmbito da utilização da técnica eliminação de zângãos/corte de zângãos.

Nota: um efeito negativo da produção excessiva de zângãos sobre a produtividade das colmeias é mencionado neste estudo aqui traduzido.

eficácia do tratamento de final de verão contra a varroa: discrepâncias

Hoje, cerca de 2 meses após a colocação das tiras de Apivar nas minhas colmeias, tenho todas as colmeias vivas e, sobretudo, sem qualquer indício de varroa. Em cerca de 600 colmeias não vi abdómens atrofiados, asas deformadas, criação com sinais de parasitação, varroas em cima das abelhas,… uma limpeza, um contentamento!

Fig. 1: Quando virem algo parecido nas vossas colmeias após 30 dias o início do tratamento fiquem muito preocupados e empreendam acções remediativas.

Quando leio referências a 40%-50% de mortalidade de enxames por varroose neste período de fim de verão início de outono, tento encontrar as razões que expliquem esta discrepância tão grande com a minha realidade: 0% de mortalidade por varroose até agora.

Num post que publicarei em breve irei referir de forma detalhada o que fiz este ano de diferente e que acredito está por detrás do sucesso na luta que travei/travo contra a varroa.

Antes desse post falta-me saber se os 40%-50% de mortalidade por ineficácia dos tratamentos são a regra ou são a excepção? Falta-me saber se os 0% que obtive até agora são a a regra  ou são a excepção? Quais são os vossos números? Como trataram?  Se desejarem responder podem fazê-lo na área dos comentários.  Se desejarem preservar o vosso anonimato eu apenas apresentarei os dados sem identificar quem deseja permanecer anónimo. Espero que me ajudem a ajudar-nos. Estes dados podem trazer alguma luz e contribuir e muito para a nossa aprendizagem.

Nota: se esta iniciativa tiver uma resposta positiva da vossa parte conto voltar a fazer algo do género acerca do que está a dar algum resultado no combate à velutina. Vejamos se somos capazes de assumir os nossos próprios riscos, se somos capazes de em conjunto procurar soluções ou se, pelo contrário, vamos continuar a olhar para o estado, que estou certo não vai fazer nem mais nem melhor do que tem feito até agora.

paulonia vs. eucalipto

Num ano terrível para apicultura, com milhares de colmeias ardidas, algumas delas minhas, procuro informação sobre árvores-bombeiro e se possível nectaríferas. A paulonia está a merecer neste momento a minha atenção porque me parece reunir estes dois requisitos.

Fig. 1: Árvore paulonia

Fazendo esta pesquisa acerca da paulonia (paulownia em inglês) encontrei a opinião, citada em baixo, que pode deixar algumas pistas para a reforma florestal que tanto se anseia, tendo como quase certo que algumas sub-espécies desta espécie não são consideradas invasoras pelas autoridades portuguesas competentes (ver lista linkada aqui).

 

O governo e os produtores privados parecem adorar a monocultura. Quase qualquer monocultura seria melhor do que o que existe atualmente. Aposto que eles gostariam de uma árvore que tenha retorno ao fim de 10 anos. O Paulownia precisa de mais umidade do que está disponível naqueles montes, mas aposto que seria bom em áreas mais quentes.

A maioria dos assentamentos precisa lidar com as águas cinzentas. Um sistema de tratamento de águas arrasadas, com base nessas árvores, poderia dar uma grande quantidade de proteção contra incêndio em um curto período de tempo. Um grande anel em torno de cada pequena cidade poderia ser irrigado. Isso satisfaria o desejo de cultivar árvores, com a exclusão de outras coisas, e evitaria a propagação do fogo. A cultura acabada é mais valiosa do que o eucalipto.

A indústria de plantio de eucalipto emprega apenas cerca de 3.000 pessoas. Seu país permitiu que uma vasta área fosse cultivada em mono, em nome da economia de 3.000 trabalhos. Quase qualquer outro sistema florestal, produziria mais empregos. Com celulose e papel, é principalmente plantar, aguardar o número de anos necessário, depois cortá-lo e processá-lo em pasta de papel.

As árvores que são moídas em madeira, criam um grande número de indústrias derivadas. Haveria serrarias, fabricantes de móveis e fabricantes de qualquer coisa que pudesse usar uma forte madeira parecida com Balsa. Se a mesma quantidade de terra fosse coberta com qualquer árvore que precisasse ser moída, ela deveria empregar mais de 3.000 pessoas. Isso é algo que precisa ser abraçado pelo povo e pelo governo. Deixe a indústria do papel morrer. A Escandinávia pode facilmente fornecer papel de celulose e papel higiénico para a Europa.

Com uma árvore de crescimento rápido, com salários mais baixos do que a Escandinávia, Portugal poderia facilmente dar uma certa concorrência ao Ikea. A árvore Paulownia passa por uma variedade de nomes … Paulownia (Paulownia tomentosa).

fonte: https://permies.com/t/59285/Reforesting-Portugal-firefighting-trees

Nota: agradeço ao Nuno Oliveira ter chamado a minha atenção para esta espécie.

colmeias e suas configurações

As fotografias em baixo pretendem ilustrar as principais configurações de colmeia que utilizo. Apesar da sua importância este é um tema que me parece pouco abordado.

 

 

 

Fig.1 : Imagem geral de um apiário.

 

 

Fig.2: Colmeias com uma só câmara a ninho e meias-alças meleiras.

 

 

 

Fig.3: Colmeia com duas câmaras a ninho e 2 meias-alças meleiras (colmeia mais alta do assento).

 

 

 

Fig.4: Colmeia dividida com tabuleiro divisor (colmeia com pedra sobre o tecto).

 

Na minha opinião a tomada de decisão acerca da configuração a adoptar para esta ou aquela colmeia, mais do que regras escritas na pedra, deve ter em conta a força do enxame e o grau de desenvolvimento que dele se prevê (ver mais detalhes aqui).