o efeito do favo com alvéolos de zangão sobre a produção de mel numa colónia de abelhas do mel

Apresento em baixo o resumo/sumário de um estudo levado a cabo por um dos mais prestigiados investigadores norte-americanos na área da apicultura, e refiro-me ao Dr. Thomas Seeley.

Mais do que a questão acerca do impacto negativo na produção de mel da criação intensiva de zângãos, importa-me neste momento sublinhar um outro aspecto que resulta da sua investigação: uma colónia com favos/quadros de criação intensiva de zângãos aparenta produzir mais zângãos do que os produzidos por colónias que não são providas com este tipo de favos/quadros. Estes dados de Thomas Seeley confirmam o que eu tenho visto em colmeias em que coloco um quadro iscado na posição 2 ou 9 para a produção intensiva de zângãos: observo uma quantidade de zângãos muito superior nestas colónias quando comparo este número com o de colónias sem estes quadros “especiais” para a criação intensiva de zângãos. Com base nestes dados estou convicto que a tese de que as abelhas conhecem e e não ultrapassam um determinado número de zângãos a criar deverá ser substituída pela ideia que o número de criação de zângão é alterado quando se introduz na colmeia quadros com a finalidade de promoverem a criação de zângãos, ou seja, um pretenso determinismo genético é facilmente manipulado com a introdução de quadros “especiais” que  promovem a criação de zângãos.

“Resumo: Este estudo examinou o impacto sobre a produção de mel de uma colónia ao provê-la com uma quantidade natural (20%) de favos com alvéolos de zangão. Durante 3 verões, no período de meados de maio a finais de agosto, eu medi os ganhos de peso de 10 colónias, 5 com favo de zângão e 5 sem ele. As colónias com favo de zangão ganharam apenas 25,2 kg ± 16,0 kg de peso (mel) enquanto aquelas que não provi de favos com alvéolos de zangão ganharam 48,8 kg ± 14,8 kg de peso.

As colónias com favo de zângão também apresentavam uma maior taxa média de voos de zângão** e uma menor incidência de construção de favo de zângão. A menor produção de mel de colónias com favo de zângão aparentemente surge, pelo menos em parte, porque os favos com alvéolos de zângão promove a criação de zângãos e manutenção de zângãos é cara. Eu sugiro que o fornecimento de favos com alvéolos de zângão, como parte de um programa de controle da Varroa destructor, sem pesticidas, pode ainda ser desejável uma vez que eliminando a criação zangão para matar os ácaros pode eliminar grande parte do efeito negativo do favo com alvéolo de zangão na produção de mel.”

fonte: https://hal.archives-ouvertes.fr/hal-00891902/document

images-6

Fig. 1: Quadro de meia-alça que quando introduzido no ninho funciona como quadro de criação intensiva de zângãos

 

** Segundo as medições levadas a cabo por Seeley, a taxa média de saída de zângãos das colmeias foi 4-13 vezes maior nas colónias com favo/quadro com alvéolos de zângãos do que em colónias sem favo/quadro com alvéolos de zângãos.

morte por fome em abril 2016 ou um caso de um mundo inconstante

No dia 20 de abril fui encontrar a minha primeira baixa por fome deste novo ano apícola 2015-16 (o ano apícola vai de setembro a agosto do ano seguinte, no meu caso).

Foi uma colmeia Langstroth que tinha sobreninho, uma colmeia forte. Uma prova que o mundo não é constante, que as verdades que trazemos de anos anteriores poderão servir de pouco ou até iludir-nos no presente ano.

Fica aqui o historial desta colmeia:

356 Lang. Rainha de Junho de 2015 (filha da 155)

Tem abelhas híbridas

20-05: Está zanganeira.

23-05: Transumei da … para a ….

25-05: Está zanganeira. Tentar reverter.

29-05: Coloquei Q com mestreiros fechados retirados da 155.

02-06: Coloquei Q com criação nos 3 estádios da 243.

26-06: Está composta. Tem rainha em postura. 8 Q de abelhas. 4 Q de criação.

02-07: Coloquei 1ª ½ alça de ceras puxadas.

20-11: Transumei da… para….

26-01: 8 a 9 Q de abelhas.

15-02: 8 a 9 Q de abelhas.

29-02: 9 Q de abelhas.

10-03: 5 Q de criação. 9 a 10 Q de abelhas. Expandi. Coloquei 2 tiras de Apivar.

16-03: Coloquei 1ª ½ alça de ceras puxadas.

31-03: 6 Q com criação. Expandi. Coloquei sobreninho. Coloquei Apipasta.

08-04: 3 Q de criação no sobreninho.

20-04: Eliminei. Morreu com fome.

 

uma lição no youtube

Nesta série de vídeos publicado no youtube https://www.youtube.com/watch?v=ti2xcXxwOzM (ver lista completa à direita) podemos assistir a uma série de conferências muitíssimo recente apresentada por António Gomez Pajuelo, um dos maiores especialistas espanhois em apicultura e em varroose. A conferência é dada em catalão. Com a ajuda dum forista espanhol transcrevo algumas das ideias principais apresentadas por este especialista espanhol. Muito do que ele refere já foi escrito e abordado por mim neste blog, servindo este post como um sumário de alguns desses aspectos e, naturalmente, como confirmação e reforço do que foi por aqui escrito.

A introdução faz um enquadramento geral da atual situação da varroose e ciclo de vida da varroa. Refere que 25% da varroa é forética e permanece no corpo da abelha entre 3 a 10 dias. 75% está operculada. Os tratamentos que introduzimos na colmeia devem assegurar que, além de atacar a varroa forética (25%), também atacam a varroa operculada, devendo ser eficazes durante os próximos 12 dias. Isto porque quando nós introduzimos o tratamento pode acontecer que a varroa tenha acabado de ser coberta pelo opérculo, de modo que a varroa só sairá do opérculo 12 dias mais tarde, portanto o produto deve ter o potencial de atacar estas varroas que não foram atacado pelo produto no momento da sua introdução. Pajuelo explica ainda que os produtos têm o início da libertação ou ataque sobre as varroas 3 ou 4 dias após a introdução, portanto devemos adicionar 3 ou 4 dias a esses 12 dias, o período que a abelha leva até nascer depois de operculada. Então, se não temos um suporte para libertar o produto por 30 dias devemos fazer um segundo tratamento após 15 dias para atacar a varroa que sobreviveu no alvéolo operculado.

Este especialista refere que por cada varroa que entra num alvéolo saem 2 varroas. A teoria diz que, se não houver intervenção do apicultor na luta contra a varroa, por cada mês a partir fevereiro e até agosto a varroa duplica o seu número por cada mês que passa e atinge as 6400 no final deste período, conduzindo a colónia à morte. Os sinais visuais mais evidentes da varroose  são abelhas com abdómen reduzido e abelhas com asas deformadas.

Acerca do teste de monitoragem da varroa na criação que o apicultor desopercula (por exemplo com um garfo de cresta — o método de monitoragem que prefiro) encontramos 75% das varroas existentes na colmeia (exceção feita ao meses de paragem de postura). Esta monitoragem deve ser realizada após o término do tratamento, porque não há garantias da eficiência do tratamento por forma a ficarmos tranquilos (produto com prazo de validade expirado, manuseio incorreto apicultor, tempo pouco auspicioso, etc.).

Pajuelo refere que hoje os tratamentos mais eficazes são os que têm o amitraz como substância activa. O Amicel, tiras de celulose impregnadas com amitraz, é mais eficaz do que as tiras de plástico, porque as abelhas retalham as tiras de celulose e as fibras de celulose envolvem e impregnam mais os corpos das abelhas. Além disso as fibras que caem no fundo da colmeias aumentam ainda mais contato com o produto. Diz que as tiras de celulose atingem mais rapidamente que as de plástico uma maior mortalidade das varroas, mas tal não significa que o produto seja mais eficaz, apenas que é mais eficaz na fase de introdução, mas eventualmente ambas as tiras, tanto de plástico como celulose acabam por ter a mesma eficiência ou resultados.

Acerca do ácido oxálico afirma que gotejamento do mesmo deve ser prudente em função do seu grau de pureza. Quanto às sublimação do ácido oxálico, é um procedimento que mata apenas a varroa forética (25%) e 4 aplicações dão mais garantias do que apenas 3 aplicações. Se a sublimação do oxálico não é corretamente efectuada, por ex. com a utilização de sublimadores de construção caseira sem controle de temperatura, devido às temperaturas demasiado elevadas,  a molécula do oxálico é destruída e a eficácia do tratamento fica seriamente comprometida.

Acerca do thymovar diz que na área onde o thymovar é colocado a rainha suspende a postura, podendo chegar a parar a postura por um par de dias assistindo-se ainda a aumento da agressividade das abelhas quando sujeitas à aplicação de tratamentos à base de timol.

Aborda também as teses do alvéolo pequeno dizendo que todos os estudos sérios que foram realizados confirmam que as colónias com os alvéolos de 4,9 mm acabam por ter mais abelhas/criação e, portanto, mais varroas sobre as abelhas. Conclui dizendo que, portanto, o alvéolo pequeno/natural não diminui a quantidade de varroa como defendido por alguns. Afirma ainda não é verdade que o tamanho de 4,9 mm é o tamanho natural dos alvéolos, porque os enxames naturais apresentam alvéolos com 4,9 mm na parte inferior dos favos, mas surgem alvéolos com 5,1 mm na zona intermédia e com 5,4 mm na zona superior do mesmo, isto é, a dimensão dos alvéolos não é uniforme ao longo de um favo natural. Refere ainda que a varroa não suporta mais de 40 graus, portanto no deserto do Arizona onde o casal Lusby afirma ter abelhas resistentes à varroa, as condições ambientais locais podem ajudar a explicar tudo.

Acerca do quadro de criação intensiva de zângãos refere que se ajuda a subtrair algumas varroas pode também causar dissabores se no dia ou dias previstos para o corte o favo de zângão não se pode ir ao apiário, porque o apicultor teve um impedimento/acidente ou porque está a chover. Em situações destas os zângãos acabarão por nascer e com eles todas as varroas que se tencionava eliminar.

Pajuelo termina dizendo o que todos sabemos ou deveríamos saber, que não existe uma fórmula única e maravilhosa para lidar com a varroa.

poupar cera… as abelhas e as suas circunstâncias

Os preços actuais que pago por cera de boa qualidade são 12 € por kilograma. E mesmo estando disposto a pagar este preço por um produto de  qualidade, logo surge um outro problema: ela é escassa e nem sempre se encontra.

Há cerca de 3 ou 4 anos atrás para baixar os gastos com a cera e para experimentar as teses do alvéolo pequeno/alvéolo à vontade das abelhas e o corte da criação de zângão, como medida de controlo da varroa, decidi colocar apenas um pequena tira com 2 cm de cera em vários quadros (quadros iscados). Desta forma as abelhas eram obrigadas a construir o favo restante de acordo com os seu próprios critérios. Alguns destes quadros coloquei-os no centro da câmara de criação e outros na posição 9. Estes últimos visaram estimular a criação intensiva de zângãos que funcionaria como armadilha para as varroas com o posterior corte dos mesmos. Mas é dos quadros que coloquei no centro do ninho que desejo falar.

Ao realizar esta experiência estava convencido que os quadros iscados (com a tira de cera de apenas 2 cm) colocados bem no interior da zona de criação iriam ser puxados com rapidez e com alvéolos de obreira. A primeira expectativa realizou-se mas a segunda não. Isto é, as colmeias estavam fortes, com vontade de puxar cera e puxaram-na a bom ritmo, mas na grande maioria puxaram-na com alvéolos de zângão. Obviamente este não era o resultado que eu pretendia. Assim sendo deixei de utilizar os quadros iscados, tirando as excepções de colónias onde me interessa pelas suas características genéticas que produzam mais zângãos do que naturalmente produziriam.

Este ano. contudo vou voltar à carga com esta medida: vou voltar a iscar uma boa quantidade de quadros. O que mudou? As abelhas seguramente que não. Mudei eu, ou melhor mudou aquilo que julgo saber. Sei que as colmeias fortes por norma fazem aquilo que já relatei. Assim, em colónias fortes só utilizarei folhas/lâminas completas de cera. Por outro lado, sei que as colónias/núcleos com uma rainha nova, acabadinha de fecundar, com uma força menor, têm pouca propensão a construírem alvéolos de zângão nos quadros iscados. É nestas colónias que irei fazer a poupança de umas centenas de lâminas de cera. Importa-me conhecer as abelhas e seu comportamento circunstanciado, por forma a utilizar com benefício quer para elas quer para mim a sua inteligência colectiva.

imgres

Fig. 1 — Quadro iscado 

avaliação de rainhas: o caso de rainhas de má qualidade

Tendo lido este post e este outro, não devem restar dúvidas acerca das características de uma rainha de má qualidade. Neste caso a criação não é nem abundante nem compacta. Claramente há uma série de gradações de acordo com o estado mais ou menos avançado de decadência da rainha. É verdade, como não poderia deixar de ser, que a própria natureza encontrou a sua solução para este problema, levando as abelhas a substituir naturalmente a rainha inútil. Muitas vezes as abelhas fazem estas novas rainhas sem que o apicultor chegue a aperceber-se. Sabemos que, em certas colmeias, por várias temporadas consecutivas há sempre boas rainhas, sem a nossa intervenção. Mas, noutros casos, as abelhas chegam demasiado tarde, quando a decadência real já se arrasta há demasiado tempo atrasando toda a colónia, enfraquecendo-a de uma forma que se não interviermos deixará de ter condições para se tornar uma colmeia produtiva. Portanto, sempre que observarmos uma mancha de criação escassa e dispersa devemos pensar em criar as condições para as abelhas (ou nós próprios) mudarem esta rainha antes da sua exaustão se refletir em maior medida na colónia.

Nota: post inspirado por Manuel Oksman.

avaliação de rainhas: o caso de rainhas duvidosas

Dissemos aqui que as rainhas de qualidade apresentam uma criação abundante e compacta.

No caso vertente as duas variantes desse caso mostram-nos apenas uma dessas características, faltando a outra.

  • Primeira variante: criação abundante, mas não compacta Neste caso pode estar a acontecer uma de duas coisas: uma rainha de qualidade que devido à sua idade (em regra 2 ou mais anos) dá sinais da sua decadência, ou uma excelente rainha ainda jovem e prolífera, mas ” desordenada ” no seu trabalho. Este último caso é raro, mas às vezes pode ocorrer, e esta rainha compensa generosamente com a abundância da sua ovodeposição, o desleixo que apresenta, formando colónias fortes, prósperas e produtivas. Como seria uma pena desperdiçar uma rainha com estas características, é melhor o apicultor não se apressar a tomar decisões irreversíveis.

images-4

Fig. 1 — Mancha de criação de uma velha rainha decadente ou de uma jovem rainha desordenada?

  • Segunda variante: criação compacta, mas em pouca quantidade. Temos aqui o caso inverso, e a menos que seja uma colmeia débil com poucas abelhas (ou núcleo), onde poderia ser normal este tipo de mancha de criação apesar da qualidade da rainha, vemos este caso quando ocorre com o chamado “cerco de mel”, ou bloqueio do ninho pelo mel. Este é um caso um tanto peculiar e cuja interpretação não é uniforme. Na opinião de alguns, não é de atribuir muita importância ao caso e tudo se resume a colocar no ninho alguns quadros vazios para quebrar o “cerco”. Outros, nos quais nos incluímos, são da opinião que, se esta situação não é devido a uma supervisão descuidada do apicultor que não colocou atempadamente as alças ou meias-alças meleiras (forçando as abelhas a armazenar o mel no ninho ), uma rainha que não é capaz de se fazer respeitar e manter a sua área de postura livre, é uma rainha de má qualidade e deve ser mudada. E se não existe um “cerco de mel” e a postura não é abundante com mais razão ainda.

images-3

Fig. 2 — Mancha de criação compacta mas pouco abundante

Nota: post inspirado por Manuel Oksman.

primeiros desdobramentos de 2016 para controlar a enxameação

No passado dia 7 (5ª feira) na inspecção às colmeias de um apiário, situado a cerca de 800 m de altitude no coração da Serra da Estrela, fui surpreendido com duas colónias que apresentavam vários mestreiros fechados e abertos. Os sinais eram inequívocos: vários mestreiros, criação a ocupar ninho e meia-alça, densamente povoada, abelhas muito calmas… sinais mais do que suficiente para concluir que era necessário intervir para controlar a enxameação. Noutras 3 colmeias encontrei ovos em cálices reais. As primeiras duas e estas 3 colmeias foram divididas no dia seguinte.

A minha surpresa perante esta situação prende-se com o que decorre das notas gerais das duas últimas visitas a este apiário, onde estão cerca de 70 colmeias :

24-03: Colmeias com muita criação e com poucas reservas. Alimentei colmeias com poucas reservas (coloquei 26 sacos de Apipasta). Urgueira muito florida. Estavam a meter pólen.

07-04: Colmeias com muito néctar de urgueira armazenado nos ninhos e nas ½ alças. Coloquei mais 34 ½ alças com ceras puxadas. Dividi 5 colmeias com sinais de enxameação.

Apesar da primavera envergonhada, as colmeias em menos de 15 dias passaram do estatuto de carentes de reservas a colmeias com muita população e com bom nível de reservas, inclusivé com estas 5 a mostrarem sinais claros de se prepararem para enxamear, em especial as duas inicialmente descritas.

A principal fonte de néctar nesta altura do ano, neste apiário, são as urgueiras (urzes) que dão aquele mel “amargo” muito apreciado por alguns consumidores.

A intervenção passou por dividir cada uma destas 5 colmeias por 3 núcleos, cheios de abelhas, de criação e as reservas suficientes. No local ficou um núcleo por cada colmeia dividida e transumei 10 núcleos para um outro apiário a cerca de 20 Km de distância, zona de rosmaninho, local onde o andamento ainda é duas mudanças abaixo.

Ficam em baixo as notas acerca das últimas visitas realizadas a uma destas colmeias que apresentava sinais claros de enxameação.

Rainha de Junho de 2014 (rainha do João Gomes)

17-02: 8 Q de abelhas.

14-03: 6 Q de criação excelente. 9 a 10 Q de abelhas. Coloquei 2 tiras de Apivar.

16-03: Coloquei 1ª ½ alça de ceras puxadas.

24-03: 8 Q de criação. Coloquei Apipasta.

07-04: Vi vários mestreiros. Dividi em mais 2 núcleos. Ficou com rainha?

avaliação de rainhas: o caso de rainhas de qualidade

A qualidade de uma rainha e a sua avaliação é uma característica e uma competência que funda a apicultura produtiva. O primeiro aspecto diz naturalmente respeito ao insecto, o segundo diz respeito ao apicultor. Vamos centrar esta abordagem na competência do apicultor para fazer essa avaliação (a competência mais não é que o conhecimento em acção).

Sabemos que uma rainha de boa qualidade se caracteriza por apresentar uma postura (de operárias) abundante e compacta. Sabemos que ela começa essa postura no centro do favo, em seguida, em vagas elípticas e sucessivas de postura, a postura irá abrangendo áreas cada vez mais vastas do favo até ao ponto de o ocupar quase na totalidade, ficando as extremidades dos quadros bordejadas por uma pequena abóbada  de pólen e mel. Podemos afirmar que uma rainha de qualidade “empurra” o mel para as extremidades dos quadros na câmara de criação. Concluímos assim que, salvaguardando o atempado fornecimento de alças e meias alças para o armazenamento do néctar ou a ausência de preparação de uma enxameação, o bloqueio do ninho com mel e pólen não acontecem na presença de uma rainha de qualidade.

O filme dos quadros de criação de uma rainha de qualidade é repetitivo durante vários ciclos de criação e pelos vários quadros que formam a câmara de criação.  Procurando descrever por palavras este filme com a duração de 21 dias digo: observamos o quadro com criação larvar não selada ao centro, onde começou a postura e, portanto, com larvas maiores e mais velhas; em torno deste disco encontramos larvas mais jovens, e nas extremidades do favo/quadro vamos encontrar ovos. Poucos dias depois, observando o mesmo quadro, no seu centro a selagem dos alvéolos já se iniciou e a periferia apresentará ainda criação larvar aberta/não selada. Mais tarde alguns dias, a selagem estará completa e observamos uma mancha uniforme, densa e compacta de criação; um quadro caro, pois trata-se de um grande “pacotes de abelhas por nascer” muito valioso e com várias aplicações práticas, nomeadamente para o exercício da equalização já referido noutros posts. Após 21 dias as novas abelhas, provindas dos primeiros ovos colocados no centro do favo, começam a nascer, formando naturalmente um “buraco” no meio da criação selada, buraco que vai crescendo com o nascimento de mais abelhas. A rainha, sendo de qualidade, vai rapidamente encher de ovos este renovado espaço vazio. Este fenómeno vai-se espalhando do centro para as periferias do quadro de criação. É um novo ciclo de postura a decorrer perante nós. E vai-se repetindo uma e outra vez, passando pelas mesmas fases durante toda a temporada de “grande postura”.

images-1

Fig. 1 — Criação selada abundante e compacta bordejada por pólen e mel.

De uma coisa estou certo, neste mundo de muitas incertezas: só as colónias com rainhas de qualidade produzem mel. De há dois anos a esta parte procuro eliminar sistematicamente todas as rainhas que, à entrada da primavera, não apresentam as características atrás descritas. São poucas, felizmente! Salvam-se apenas as mais velhas, que provaram no passado, e cujo património genético é aproveitado como matriarcas de futuras rainhas.

Nota: este post foi inspirado por Manuel Oksman, enorme apicultor argentino.

à saida do inverno… os primeiros desdobramentos

à saída do inverno… à laia de balanço do inverno 2015/2016, e em 7 invernos já passados com abelhas, assinalo o primeiro ano em que as minhas perdas invernais se situam abaixo dos 5%.

Tenho a certeza, como todos os apicultores, que este inverno não foi “pêra doce”. Os meses de novembro e dezembro foram pouco menos que primaveris tendo provocado um efeito importante e duas consequências mais importantes ainda: a postura das rainhas não abrandou/parou como era costume, o que provocou o natural incremento da varroa assim como um consumo acelerado das reservas invernais. De seguida temos 3 meses de muita chuva, algum frio, que apanhou muitas das minhas colmeias da beira no fio da navalha, sem um nível razoável de reservas e sem grandes condições para aproveitarem alguns pequenos fluxos de néctar que surgem em finais de fevereiro, início de março por aqueles lados. Tudo poderia ter acabado muito mal! Mas se as condições climatéricas estão fora do nosso controle, algumas das nossas acções podem mitigar ou até eliminar os efeitos nefastos de um inverno surpreendente.

O maneio que deu suporte a esta percentagem baixa de perdas teve dois pilares, um já habitual, outro inovador. O habitual foi fazer os tratamentos à saída do verão, após a cresta, com acaricidas que se mostraram uma vez mais continuarem eficazes. A segunda, a intervenção inovadora, foi alimentar de forma massiva, sistemática, calendarizada, todas as minhas colmeias da beira. As do litoral, na zona de Coimbra, não necessitei de o fazer. Muitas centenas de euros foram investidos em fondant, quando nos anos anteriores esse investimento foi de poucas dezenas de euros. Esta opção mais cara, revelou-se custo-efectiva, pelos muito bons resultados alcançados, pois se assim não o tivesse feito acredito que estaria em mãos com a ruína deste projecto apícola. Um inverno para não esquecer as lições que ele trouxe. Aprendemos com os erros, é verdade, mas aprendemos tanto ou mais com os acertos. E é imensamente mais agradável!

… os desdobramentos. Finalizei hoje os primeiros desdobramentos do ano. Foram 20, em Coimbra. Depois de numa primeira fase ter dividido estas 20 colmeias que tinham ninho e sobreninho, com criação em ambas as caixas, com uma grelha excluidora, passados 4 dias, voltei ao apiário para identificar a caixa onde tinha ficado a rainha (a que tinha ovos), e estas foram levadas para a beira a cerca de 150 Km de distância. As filhas ficaram no apiário original, onde hoje introduzi 20 realeiras criadas pelo João Tomé. Espero que as condições climatéricas ajudem durante o seu vôo de fecundação as novas princesas.

Dando tudo certo com estes primeiros 20 desdobramentos praticamente reponho as minhas perdas invernais, causadas maioritariamente por terem ficado zanganeiras.

ácido oxálico vaporizado/sublimado: um tratamento (in)eficaz!!??

Sigo e intervenho no fórum norte-americano de apicultura Beesource. Posso dizer, com base no que ali leio, que os tratamentos com os vaporisadores/sublimadores de ácido oxálico estão na moda entre os apicultores norte-americanos de pequena e média dimensão.  Em Portugal, julgo que a utilização destes vaporizadores de ácido oxálico no controle da varroa está a dar ainda os primeiros passos. Tenho ideia que é muito reduzido o número de apicultores que os utiliza por cá. Importa, contudo, ir analisando as experiências dos que, lá fora, já utilizam este método para tirar-mos algumas conclusões. Até porque muitas das vezes, parece-me que as novidades neste campo, quando entram no nosso país, vêm envolvidas numa aura que leva a crer que este novo produto ou novo método de aplicação irá ser a solução de todos os nossos problemas. É uma característica muito nossa: do mais pesado pessimismo/depresssão ao mais despudorado optimismo/euforia vão 5 segundos!

Neste fórum apícola norte-americano as opiniões expressas em geral são positivas acerca da eficácia deste dispositivo/método, sobretudo nos estados a norte do país onde se assiste a uma paragem da postura da rainha durante o inverno. Contudo, há também relatos de infestações de varroa mal controlados após a utilização desta opção de tratamento.

Em baixo deixo um testemunho de um apicultor norte-americano acerca dos resultados que observou após a utilização do ácido oxálico sublimado.

O título diz tudo … Temos uma grande colmeia próspera. As abelhas estão a construir favo tão rápido que eu não sei o que fazer. A rainha está colocando ovos como uma louca. Lotes e lotes de criação saudável, favo, pólen, mel etc. De modo que é uma boa notícia!  Mas, nós também temos lutado com o temido ácaro varroa. O JRG veio e me ajudou [um amigo e mentor incrível]. Ele me mostrou uma percentagem muito pequena do vírus das asas deformadas num número muito pequeno de abelhas. Eu estou-lhe grato que todo o apiário não esteja infectado.

Eu tinha começado com a vaporização de ácido oxálico (AO) há três semanas numa base de intervalos de 5 dias. Vi 10-30 ácaros caindo por dia. Diminuí o intervalo para 4 dias.

Eu instalei duas tiras de Apivar por caixa [todos os dez quadros estavam cheios de abelhas]. De modo que coloquei em 3 caixas com 30 quadros um total de 6 tiras Apivar nesta colmeia forte. Eu verifiquei 24 horas após a instalação das tiras Apivar mais de 300 ácaros mortos por dia. Uau!!…  isso me deixa querendo saber sobre a eficácia da vaporização de AO …  

Aqui estão as minhas perguntas: Porque via apenas 10-30 ácaros mortos diariamente usando a vaporização de AO contra os mais de 300 ácaros mortos por dia usando o Apivar? Por que o vapor de AO não nos dá mais ácaros mortos? Existe alguma coisa que podemos fazer de diferente para garantir que não perdemos esta colmeia para os ácaros Varroa?  Obrigado,

Soar

Fonte: http://www.beesource.com/forums/showthread.php?322531-Wow!-I-am-noticing-a-big-difference-between-Apivar-amp-OA-vaporization-results-Why

Apêndice 1: a utilização de vaporizadores/sublimadores de ácido oxálico obriga a cuidadosas e apertadas medidas de protecção individual, nomeadamente a utilização de uma máscara adequada, para evitar os efeitos nocivos da inalação dos gases de ácido oxálico na saúde do aplicador/apicultor.

Muita prudência na escolha de uma máscara verdadeiramente protectora e mudar os filtros da mesma de forma regular, são os conselhos que deixo para que não prejudiquem a vossa saúde tentando manter as vossas abelhas saudáveis.

Apêndice 2: a utilização de vaporizadores de ácido oxálico contruídos artesanalmente pelos apicultores pode revelar-se uma grande desilusão por dois tipos de razões:

a) estes equipamentos, se mal calibrados, podem estar a queimar o ácido oxálico e não a sublimá-lo, retirando qualquer efeito positivo deste tratamento sobre as varroas;

b) a poupança alcançada com a sua construção caseira pode ser residual.

Apêndice 3: entre os apicultores que utilizam os vaporizadores de ácido oxálico não há consenso acerca do intervalo óptimo entre as diversas vaporizações: as opiniões variam de 3 dias de intervalo a 5-7 dias de intervalo. Mais um dos muitos temas apícolas em que 10 apicultores são capazes de gerar 12 opiniões diferentes e antagónicas.