mais de 75% de diminuição em 27 anos na biomassa total de insetos voadores em áreas protegidas

Se os insectos são boas sentinelas da qualidade do ambiente/ecossistema os dados apresentados neste estudo, publicado à dias atrás, são uma vez mais muito preocupantes.

A diminuição global de insetos provocou um grande interesse entre cientistas, políticos e público em geral. A perda de diversidade e abundância de insetos deverá provocar efeitos em cascata nas cadeias alimentares e pôr em risco os ecossistemas. Até agora a nossa compreensão da extensão e das causas subjacentes a esse declínio baseou-se no estudo de espécies únicas ou grupos taxonómicos, e não nas mudanças ocorridas na biomassa de insetos, estudo este que é mais relevante para a compreensão do funcionamento ecológico.

Aqui, utilizamos um protocolo padronizado para medir a biomassa total de insetos usando armadilhas Malaise, implantadas ao longo de 27 anos em 63 áreas de proteção natural na Alemanha (96 combinações únicas de localização-ano) para inferir sobre o status e a tendência da entomofauna local. Nossa análise estima um declínio sazonal de 76% e declínio no meio do verão de 82% na biomassa de insetos voadores ao longo dos 27 anos de estudo. Mostramos que esse declínio é aparentemente independentemente do tipo de habitat, e que as mudanças no clima, uso do solo e características do habitat não podem explicar por si só este declínio geral. Esta perda até agora desconhecida de biomassa de insetos deve ser levada em consideração na avaliação de declínios na abundância de espécies, dependendo de insetos como fonte de alimento e funcionamento do ecossistema na paisagem europeia.

fonte: http://journals.plos.org/plosone/article?id=10.1371/journal.pone.0185809

Ainda que não pretenda arrogar-me como exemplo para ninguém, a verdade é que neste ano apícola, que está a terminar (outubro de 2016-outubro de 2017), e quando comparado com o anterior ano apícola, reduzi em cerca de 20% o número de quilómetros percorridos no exercício da minha actividade. Se por um lado a razão mais imediata está na procura da redução de custos (ver aqui), a redução da minha pegada ecológica alimenta também os meus motivos.

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *