italianos protegem a sua abelha nativa

Um breve apontamento acerca do que os italianos legislaram para salvaguardar a sua abelha nativa a A. m. ligustica.

“Uma resolução de 2017 adotada pela Câmara dos Deputados incluiu não apenas proibições, mas também ações de proteção e “compromete o governo a tomar iniciativas para salvaguardar as subespécies A. m. ligustica limitando ou banindo diferentes subespécies, inclusive híbridos (se não naturais), no território italiano, por meio de novos acordos dentro da União Européia, implementando também uma estratégia para a proteção da biodiversidade dessa subespécie, proporcionando áreas de acasalamento suficientemente extensas ( pelo menos 200 quilómetros quadrados) em áreas onde todas as colmeias naturais ou maneadas por apicultores são habitadas por A. m. ligustica.

Em 1992, a região de Emilia Romagna previa uma proibição total para todo o território regional: “é proibido introduzir e reproduzir abelhas de outras estirpes diferentes de A. m. ligustica, bem como híbridos inter-raciais, dentro do território regional. ”

Uma lei italiana emitida em 1992 protege A. m. ligustica como uma forma de vida selvagem: “a vida selvagem é um bem público do Estado e é protegida no interesse da comunidade nacional e internacional”.

Os regulamentos da região da Úmbria sobre a apicultura estabelecem no artigo 93 que: “a Região pode estabelecer zonas-tampão em torno dos produtores de abelhas rainha incluídos no registro nacional de criadores de A. mellifera e em torno da estação de acasalamento situada na região. A apicultura transumante também é proibida nessas áreas ”.”

Fig. 1: A. m. ligustica

Pergunto se os apicultores italianos são ou não mundialmente reconhecidos e prestigiados pela sua cultura apícola? Pergunto se os italianos estão errados ao defenderem o seu património natural e sua diversidade específica que produziu a abelha nativa que a natureza foi lentamente moldando ao longo de milhões de anos de pressão selectiva?

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.