fatores de risco associados às falhas dos tratamentos para o controlo da varroa em colónias de abelhas sem período de paragem de postura

Li este estudo, levado a cabo na Argentina, pela primeira vez à cerca de duas semanas e é, na minha opinião, muitíssimo interessante, em especial pela correlação que estabelece entre o timing do tratamento e a sua maior ou menor eficácia, ideia que tenho sublinhado em vários posts (por exemplo aqui e aqui).

Resumo- O tratamento contra o Varroa destructor tem-se tornado uma ferramenta básica nas práticas apícolas, principalmente durante o outono. A eficácia do tratamento deve ser melhorada através da identificação de variáveis ​​que afectem o resultado final. O objetivo deste estudo foi identificar os fatores de risco associados ao resultado do tratamento obtido durante o controle de outono do Varroa destructor. A infestação de ácaros após o tratamento foi avaliada em 62 apiários e os dados referentes às práticas de maneio foram coletados por meio de um questionário. […] As colónias com níveis elevados de ácaros antes do tratamento (P = 0,002) e pertencentes a apicultores que não substituíam frequentemente rainhas (P = 0,001) estavam associadas a um maior risco de falha do tratamento. Outras práticas apícolas melhoraram indiretamente a eficácia do tratamento. Uma estratégia integrada para controlar os ácaros que inclui tratamentos sintéticos/químicos e o maneio adequado por parte dos apicultores é necessária para manter as populações de ácaros baixa durante o inverno.

fonte: http://link.springer.com/article/10.1007/s13592-015-0347-0

Deste artigo científico, que aconselho a fazerem o download, retiro os seguintes dados, que muito me interessam para um post a surgir em breve:

  • A prevalência de colónias com mais de 1% de infestação por V. destructor após um tratamento com um acaricida no outono foi estimada a partir do exame de diagnóstico de 377 colónias de abelhas. As colónias com infestação por Varroa superior a 1% após o tratamento de controlo foram consideradas como colónias onde o tratamento falhou. Este limiar foi estabelecido, supondo que as colónias que passam o inverno com postura e criação disponível devem manter os níveis de Varroa tão baixos quanto possível, uma vez que 85-90% das Varroa estão nos alvéolos fechados, durante um ciclo de criação da varroa [de 12 dias na criação de obreira: ver aqui e aqui].
  • Um total de 76 (20,2%) das 377 colónias apresentou infestação superior a 1% (1 ácaro por 100 abelhas) após tratamento contra V. destructor e foram consideradas como colónias onde o tratamento falhou. A média de V. destructor (por colónia) antes do tratamento foi de 0,05 ± 0,06 ácaros por abelha adulta (5 ácaros por 100 abelhas).
  • O acaricida mais utilizado pelos apicultores durante o outono de 2013 foi a flumetrina (43 dos 62 apicultores), seguido de amitraz (10 apicultores), ácido oxálico (5 apicultores) e coumaphos (4 apicultores). A maioria dos apicultores (90,5%) aplicou um acaricida comercial: 69,8% utilizaram Flumevar® (tiras com flumetrina, 0,34 g/100 g de produto), 14,3% Amivar® (Amitraz, 4,13 g/100 g de produto), 3,2% Cumavar® (tiras com cumafos, 8,5 g/100 g de produto) e 3,2% de Oxavar® (pó de ácido oxálico 97 g/ 100 g de produto). As formulações caseiras foram raras (9,5%).
  • Conforme evidenciado pelos nossos resultados, as colónias onde o tratamento falhou apresentaram 4,9 vezes mais risco desta ocorrência quando a percentagem de infestação de Varroa antes do tratamento era superior a 3%.

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *