factores indutores da enxameação reprodutiva

É sabido que a enxameação reprodutiva é precedida por preparações que se iniciam 2 a 4 semanas antes de ocorrer. A construção de novos cálices reais é o primeiro sinal visível da preparação para a enxameação — nesta altura as abelhas constroem 10 a 20 na maioria dos casos, podendo chegar até 40-50.

images

Fig. 1 — Dois cálices reais

Com a deposição de ovos nestes cálices reais, a fase de criação das novas rainhas arranca, e o processo da enxameação está iniciado. Em média são construídas entre 15 a 25 realeiras. As colónias enxameiam habitualmente no mesmo dia, ou no dia seguinte à operculação da primeira realeira. Para conhecer os factores que induzem a enxameação há portanto que conhecer quais são os factores que induzem a criação de realeiras.

images-1

Fig. 2 — O fundo dos quadros é o local mais escolhido pelas abelhas para criarem as inúmeras realeiras de enxameação

Na base da enxameação reprodutiva encontramos factores intrínsecos (de natureza demográfica) e factores extrínsecos (abundância de recursos/alimento) que impulsionam as abelhas a iniciar a criação de novas rainhas.

Os estímulos básicos de natureza demográfica, e importa realçar que não operem isoladamente nem de forma independente, são:

  • dimensão da colónia;
  • congestionamento do ninho;
  • distribuição desequilibrada da idade das obreiras;
  • transferência reduzida das feromonas da rainha.

A abundância de recursos influencia directamente  os três primeiros factores, sendo considerado, por essa razão, o estímulo primeiro da criação de realeiras, logo da enxameação. O apicultor dificilmente conseguirá manipular este factor, e suspeito até que o deseje. Há portanto que  incidir a nossa acção sobre os factores de natureza demográfica. Sobre estes temos possibilidade de fazer alguma diferença. Realço que a intervenção do apicultor terá tanto maior eficácia quanto mais os efeitos da sua acção forem de largo espectro, ou seja, tenham um impacto no redimensionamento da colónia e em  simultâneos no descongestionamento do ninho e também no re-equilíbrio na distribuição da idade das obreiras. Fácil de dizer, mais difícil de fazer. Contudo, sempre possível.

Vamos abordar estes factores de forma mais detalhada e chegar ao desenho de estratégias de intervenção para melhor prevenir a enxameação. Só bem compreendidos estes factores estaremos capazes de aumentar a eficiência e a eficácia dos nossos procedimentos. Consciente, contudo, que a enxameação zero não é um objectivo razoável, ou sequer desejável numa perspectiva de longo prazo.

Como já disse alguém, a teoria sem a prática é inútil, mas a prática sem a teoria é cega.

8 thoughts on “factores indutores da enxameação reprodutiva”

  1. Venho dar-lhe os parabéns e agradecer-lhe esta iniciativa. Trata-se de um excelente blogue que vai ser apreciado com certeza por muitos apicultores. Pela minha parte estou agradavelmente surpreendido pela qualidade da escrita, pela qualidade dos conteúdos e pela pertinência dos temas. Espero sinceramente que não perca o “fôlego”.
    Muito obrigado.

    1. Muito obrigado pelas suas palavras Alberto.

      Os comentários que tenho recebido até agora, de todos os que tão amavelmente decidiram fazer publicamente a sua apreciação deste blog, contribuem e muito para manter a minha motivação para escrever sobre as abelhas e sobre o exercício da apicultura.
      Um abraço!

  2. Boa noite Eduardo!

    Acho que para compreendermos a questão da enxameação te faltou falar sobre a predisposição genética da rainha para a enxameação. Pois já me aconteceram casos em que as condições da colónia estavam todas reunidas e a época era propicia e a rainha pura e simplesmente não punha ovos nas realeiras que as obreiras construiam para o efeito.

    Casos tive também que ainda a colónia não preenchia totalmente o ninho e já esta se preparava para enxamear.

    Contudo reconheço que esta temática tem muito para discutir e todos temos os nossos métodos de prevenir a enxameação.

    Cumprimentos
    Hugo Martins

    1. Sim, tens toda a razão Hugo. Para além da genética também a idade das rainhas irá ser referida.
      Pretendo vir a falar sobre estes aspectos mais adiante.
      A minha opção foi concentrar-me, para já, nos factores demográficos e contextuais que induzem a enxameação.
      Um abraço!

  3. Quero desde já agradecer este blog está muito explícito e de certeza ajudará muito apicultor, na parte da enxameacao queria abordar um ponto a enxamecao depende de vários factores manuseamento, genética entre outras mas eu pergunto o sítio do apiário neste caso a zona onde está implantado o apiário nao sera um dos principais factores … E que tenho um apiário que é uma miséria a enxamiar já mudei a genética das abelhas desse apiário volta ao mesmo o manuseamento e igual aos meus outros apiários

    1. Viva Alves!
      Uma causa possível para o que relata pode estar no facto deste apiário estar num local menos ventilado. Se assim for, colocar estrados ventilados/sanitários ou fazer um furo nas alças meleiras poderá ajudar a circulação do ar no interior da colmeia. Retirar totalmente ou parcialmente a tampa do óculo das pranchetas é uma medida que poderá tomar também.

      1. Realmente o sítio tem essas características 2017 vou estar atento a essa situação e ventilar mais as colmeias agradeço desde já ☺

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *