Dados, dados em todo lugar, mas não sabemos o que pensar? Neonicotinóides, inseticidas e polinizadores

“Os pesticidas são há muito tempo objeto de debate público e científico. As opiniões variam desde a crença de que o dano ambiental potencial que pode resultar de seu uso justifica o abandono dessas ferramentas centrais de produção agrícola até ao endosso de seu uso continuado sob os procedimentos atuais de registro (que são apoiados por uma avaliação de risco rigorosa e robusta). Desde sua introdução, os inseticidas neonicotinóides têm sido submetidos aos mesmos procedimentos de registro que outros grupos de pesticidas, mas não obstante, durante os últimos dez anos eles tornaram-se um foco particular, com o debate cada vez mais polarizado. À primeira vista, um aspecto intrigante da discussão em torno dos neonicotinóides centra-se no reconhecimento de que os resultados de estudos individuais têm sido frequentemente usados ​​para apoiar pontos de vista muito diferentes e aparentemente contraditórios, levando a uma barragem de reivindicação e contra-reivindicação na mídia. Neste contexto, legisladores e políticos em toda a Europa têm enfrentado a necessidade de equilibrar as evidências disponíveis para estabelecer se o registro de alguns ou todos os inseticidas dessa classe deve continuar. Como esta situação surgiu, e que novas informações são necessárias para chegar a um consenso, tornaram-se questões centrais. O atual debate em torno do efeito dos inseticidas neonicotinóides sobre os polinizadores e a consequente moratória sobre seu uso sob circunstâncias definidas parece ter sido baseado, às vezes, em conjuntos de dados estritamente focados, incompletos e, em alguns casos, não representativos. É, no entanto, um debate importante e é vital que cheguemos a um consenso cientificamente baseado sobre o real impacto desta classe de pesticidas, de modo que conclusões realistas possam ser tiradas sobre seu uso futuro. Se tal consenso for alcançado, é essencial que mais pesquisas sejam realizadas com urgência para preencher as lacunas atuais no nosso conhecimento e fornecer conjuntos de dados robustos sobre os quais a tomada de decisão informada se possa basear. Também é importante reconhecer que a concentração nos possíveis efeitos nos polinizadores resultou em menor destaque para as conseqüências mais amplas da perda desses pesticidas. Por exemplo, a proibição proposta aumentará o uso (e, portanto, a pressão de seleção) de outros ingredientes ativos, aumentando assim o risco de resistência e deixando-nos com menos opções para gerir a sua disseminação, um risco que é composto por abordagens alternativas de manejo de pragas atualmente disponíveis. O manejo integrado de pragas (MIP ou IPM) e o controle biológico têm sido promovidos como componentes importantes da futura produção de culturas sustentáveis. No entanto, muita pesquisa é necessária antes que seu potencial possa ser avaliado e totalmente implementado, particularmente em culturas de campo. Alguns neonicotinóides também são componentes importantes de alguns protocolos IPM atuais (sendo usados ​​em conjunto com predadores naturais ou introduzidos) e sua perda atrasaria a introdução de novos sistemas que reduzirão a dependência de pesticidas. Assim, as decisões sobre o futuro desses inseticidas não devem basear-se apenas em evidências científicas substanciais e confiáveis ​​sobre o seu impacto sobre os polinizadores, mas equilibradas, quando necessário, com os resultados de pesquisas urgentes sobre alternativas à sua utilização. Em resumo, fornecer aos legisladores e políticos uma base confiável para a tomada de decisões. O planeamento experimental futuro precisa levar em conta os riscos reais colocados por cada rota de exposição para cada substância ativa, sob as restrições atuais de registro. Terá de reflectir cenários, perfis e taxas de exposição realistas em experiências laboratoriais, semi-campo e de campo, para apoiar o estabelecimento de conclusões sólidas sobre os prováveis ​​efeitos sub-letais no terreno. Uma compreensão da importância do metabolismo dos insetos de substâncias ativas na melhoria de respostas sub-letais também deve ser refletida no desenho experimental e na interpretação dos dados, e os dados apropriados de resíduos de inseticida devem ser coletados rotineiramente como parte de experimentos de campo. Também é importante investigar e obter uma melhor compreensão da relevância biológica (tanto no nível individual quanto no nível da colónia) das respostas comportamentais e fisiológicas usadas nas avaliações dos efeitos subletais desses inseticidas.

A pesquisa deve ser estendida para abranger toda a gama de grupos de polinizadores e inseticidas, já que a extrapolação atual dos resultados foi obtida principalmente do trabalho que investiga o imidaclopride e a Apis é inadequada. Além disso, também não deve concentrar-se apenas nas respostas biológicas dos insetos, mas incorporar desenvolvimentos tecnológicos para limitar as exposições, como o recente trabalho para reduzir a dispersão de poeiras no semeio. Os formuladores de políticas e os legisladores também têm um papel no estabelecimento de uma solução para a situação atual; por exemplo, para aumentar a confiança (em alguns trimestres) no procedimento de avaliação de risco, reavaliação e, se justificado, a alteração dos métodos pelos quais os PECs são calculados para tratamentos de sementes seria vantajosa. Embora existam muitas lacunas de pesquisa e problemas na interpretação de trabalhos publicados existentes, há uma oportunidade de usar o período da moratória para gerar os dados necessários para estabelecer uma base para decisões equilibradas sobre o futuro desse grupo de inseticidas. Questões semelhantes surgirão inevitavelmente no futuro para outros grupos de pesticidas, de modo que o trabalho dos próximos dois anos pode estabelecer um importante precedente. Assim, é vital que a ciência seja robusta.”

fonte: https://www.ingentaconnect.com/content/resinf/opm/2013/00000024/00000004/art00003

 

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.