vespa velutina: a dinâmica de pressão predatória

Continuando a ler, a pesquisar, a reflectir (pensar duas vezes) sobre este magnífico e terrível inimigo da biodiversidade dos insectos em geral e das abelhas melíferas em particular, proponho a leitura deste trabalho de Karine Monceau e colegas, publicado em 2013, que apresenta alguns aspectos que devemos considerar para mais e melhor compreendermos esta praga.

“Aqui, propomos analisar com mais detalhes a dinâmica da pressão de predação do VPA (vespão de patas amarelas) na área invadida em França. Este estudo foi realizado em colmeias durante o período de predação nos estágios iniciais da invasão (2008) e foi projetado para identificar períodos-chave específicos durante os quais a predação em abelhas pode ser limitada. Um procedimento de captura foi usado para monitorar a dinâmica da pressão de predação. A predação em dois apiários foi comparada, um numa área urbana e a outra numa área suburbana à beira de uma floresta e de terrenos agrícolas. Nosso primeiro objetivo foi avaliar a eficiência da técnica de captura com recurso a armadilhas iscadas [ver modelo de armadilha utilizado, no artigo linkado em baixo]. Para validar esse método, o número de VPAs perseguidores em cada apiário foi anotado e comparado com o número dos capturados. Vários estudos em Vespidae documentaram a relação entre condições climáticas (temperatura, humidade, precipitação, insolação solar etc.) e atividades de forrageamento (Ishay 2004; da Rocha e Giannotti 2007; Kasper et al. 2008; de Castro et al. 2011); o impacto dos parâmetros abióticos na predação efectuada pelos VPAs foi considerado. Finalmente, a variação na massa corporal dos VPAs capturados também foi analisada para entender a relação entre pressão de predação e dinâmica populacional. […]

“Nos dois ambientes diferentes, a predação durou mais de 5 meses. No geral, a dinâmica da pressão de predação do VPA pode ser aproximadamente dividida em três fases. Na primeira fase, muito poucos VPAs foram capturados desde o início da temporada até meados de junho / início de julho. Posteriormente surge um grande aumento na predação nas colónias de abelhas do início de agosto ao início de novembro, quando a predação diminuiu drasticamente até dezembro [ver dados muito elucidativos em quadros apresentados no artigo linkado em baixo]. […] A primeira fase da dinâmica da pressão de predação do VPA corresponde ao surgimento da primeira geração/coorte de obreiras. Uma vez que eles surjam no campo, a rainha pode dedicar-se exclusivamente à postura. Portanto, o atraso entre o primeiro VPA capturado e o aumento da pressão de predação corresponderá ao estágio larval, avaliado em 48,1 dias para o VPA (Archer 2010), variando com a qualidade dos alimentos e o clima. Apesar dessa variação, os “primeiros 40 dias” (Spradbery 1973) parecem ser consistentes com nossos dados. Assim, pode ser usado para prever o momento do maior risco de predação. Durante o período de predação nas colmeias, a maioria dos VPAs capturados era composto principalmente por obreiras com poucos machos e rainhas em junho. Foi possível confirmar a dinâmica populacional através da variação da massa corporal. Os VPAs capturados em junho foram por um lado os mais pesadas (exceto os capturados no mês de novembro) e as mais variáveis, devido a uma mistura de rainhas com maior massa corporal e uma primeira coorte/geração de obreiras mais leves. Esse ponto é importante, pois indica que as rainhas apareceram nas armadilhas durante esse período e depois desapareceram progressivamente. Isso pode corresponder ao final da fase da colónia primária da rainha (Spradbery, 1973). Outra interpretação envolve uma estratégia de “jogo de apostas” (Gourbière e Menu 2009): a saída tardia da dormência no inverno é uma estratégia ideal para prolongar o período de predação e adaptar-se eficientemente a novos ambientes. Noutros Vespidae (Spradbery 1973), vôos da rainha foram observados até meados de junho/início de julho e pode assumir-se um padrão semelhante para V. velutina. Tal ponto pode ser de importância, portanto acreditamos que deve receber atenção em pesquisas futuras.

A massa corporal das obreiras aumentou ao longo da temporada; isso pode ser o resultado de um aumento na qualidade dos alimentos e na quantidade de alimentos fornecidos às larvas. Esse grupo de obreiras maiores, encontrado mais tardiamente nas armadilhas, provavelmente foi alimentado com abelhas caçadas […]. O tamanho larval, relacionado com a reserva de gordura, é influenciado pelo fornecimento de alimento e está relacionado ao número de abelhas caçadas (Strohm, 2000). Em várias espécies de Vespidae, a proporção larva / obreira ainda é alta após o surgimento das primeiras obreiras e diminui progressivamente até ao final do ciclo de vida do ninho (Matsuura e Yamane 1990). Assim, nas etapas mais precoces, as larvas recebem menos alimentos e/ou alimentos de menor qualidade, resultando em indivíduos menores. Quando essa coorte de obreiras surge em número suficiente, a proporção larva/obreiras diminui, resultando num aumento na qualidade e/ou quantidade dos alimentos fornecidos e um aumento correspondente na produção de obreiras com maior massa corporal. No final da temporada, em novembro, adultos mais pesados ​​foram capturados novamente, correspondendo à nova geração de fundadoras e machos.


O número total de VPAs presos durante o curso da temporada diferiu nos dois locais. Cerca de metade da quantidade de VPAs foi capturado na ART [um dos apiários] quando comparado com o número de capturas no VIL [o outro apiário] (916 e 1.894, respectivamente). A dinâmica de captura começou três semanas mais cedo no ART do que no VIL e terminou nove dias depois. Metade das capturas foram realizadas 30 dias antes no ART do que no VIL. A pressão de predação no VIL aumentou mais lentamente do que no ART durante a primeira metade do período de captura e mais rapidamente durante o segundo semestre. Essas diferenças podem ser atribuídas às colmeias mais numerosas no apiário da ART do que na VIL (14 vs. 9), bem como a um ecossistema potencialmente mais rico de presas de artrópodes no ART (paisagens de floresta), que tem o efeito de diluir pressão de predação. […]

Sabe-se que temperatura, humidade e velocidade do vento afetam as atividades de vários Vespidae (da Rocha e Giannotti 2007; Kasper et al. 2008; de Castro et al. 2011) e Apidae (Lundberg 1980; Burrill e Dietz 1981; Omoloye e Akinsola 2006; Neves et al. 2011). Nesta pesquisa, o único fator que parece modular a pressão de predação é a velocidade do vento, provavelmente porque é um fator limitante para voar e, principalmente, porque o vôo estacionário necessário para a captura de abelhas pode ser mais difícil em dias de vento. O vento também é um fator-chave para indivíduos que precisam retornar ao seu ninho de alta altitude. Descobrimos que a temperatura e a humidade não tiveram efeito per se, mas tiveram alguma influência quando ligadas à variação sazonal. Embora a atividade predadora possa ser dirigida pelo seu próprio relógio biológico (Giller e Sangpradub 1993), ela também pode estar relacionada com a atividade da presa (Kotler et al. 2002). Assim, o efeito sazonal observado no comportamento de caça do VPA pode resultar de outro efeito: o VPA associa sua atividade à atividade de forrageamento das abelhas, que depende do clima. Assim, acreditamos que essas relações devem ser estudadas diariamente, a fim de identificar as “janelas climáticas ótimas” correspondentes ao aumento ou redução do risco de predação.”

fonte: https://hal.archives-ouvertes.fr/hal-01201288/document

Notas: Deste trabalho quero destacar três aspectos:

  • o surgimento de ninhos secundários desfasados no tempo (uns mais cedo que outros) aumenta a eficiência de sobrevivência da espécie; diria, usando uma imagem, que não vão todos no mesmo dia ao supermercado à imagem do que acontece connosco no “black friday”;
  • nos últimos meses do ciclo de vida do ninho (novembro, dezembro,…) pretender distinguir as futuras fundadoras das obreiras só com base em fotos, para além de errado é sinal de pouco conhecimento da dinâmica alimentar e predatória dos VPAs;
  • o comportamento de predação dos VPAs nos apiários é influenciado por factores abióticos, como a temperatura e humidade, mas não podemos nem devemos descartar da equação a importante influência do vento, que em dias menos frios e chuvosos de outono/inverno poderá ser o único factor limitante.

vespa velutina: entrevista a Denis Thiéry* (INRA**)

Denis Thiéry*, investigador senior do INRA** (Institut National de Recherche Agronomique) dá uma entrevista (fonte: https://www.rustica.fr/articles-jardin/lutte-scientifique-contre-frelon-asiatique-se-renforce-i,14266.html) que me parece clarificadora acerca das razões na demora do avanço científico para uma melhor compreensão da vespa velutina e no consequente avanço de contra-medidas de controlo e até erradicação da mesma. Em primeiro lugar a vespa velutina era um ilustre desconhecido, pouca ou nenhuma literatura científica específica existia sobre a mesma antes da sua chegada acidental a Bordéus; em segundo lugar a pesquisa demorou a estruturar-se a um nível europeu o que teve um impacto negativo na criação de sinergias desejáveis entre os diferentes países afectados/interessados; e finalmente, o animal em questão é difícil de observar, é agressivo e esquivo, o que não facilita em nada o seu estudo, mais ainda em condições devidamente controladas. Se cada vez mais vivemos numa época acelerada, é natural que desejemos que também a ciência acompanhe esse mesmo ritmo e dê resposta quase imediata aos nossos problemas. Contudo observar, descrever, explicar e prognosticar em boa ciência é feito a um ritmo que está em grande dessincronia com o ritmo frenético de hoje. Enquanto esperamos… segue um excerto da entrevista a Denis Thiéry em baixo:

[…] “Existe uma crescente mobilização de equipes de pesquisa?
Em 2004, quando os dois primeiros ninhos de vespas foram observados em Lot-et-Garonne, não havia uma única publicação científica, além do trabalho do cientista neozelandês Spradberry, que data de 1973 [ Vespas: um relato da biologia e história natural das vespas solitárias e sociais, com referência particular às das ilhas britânicas]. Foi o único livro que tivemos! No entanto, desde a descoberta no ano passado do primeiro ninho inglês, há uma consciencialização mais real do problema. Alguns laboratórios do outro lado do Canal começaram a trabalhar em torno desta invasão e o número de equipes de pesquisa e publicações científicas no mundo está a aumentar.
 
Esta pesquisa está estruturada?
Não. Projetos muito grandes, como pesquisas sobre SIDA, etc., sim. Essa estruturação ocorrerá quando houver projetos europeus e está começando a tomar forma. Com Karine Monceau, professora da Universidade de La Rochelle e pesquisadora do CNRS no Centro de Estudos Biológicos de Chizé, submetemos um projeto aos programas europeus “Interreg”, visando, entre outras coisas, estudar a resistência de abelhas aos ataques das vespas. Outro trabalho europeu, coordenado por Alessandro Cini, foi aceite com o objetivo de sequenciar o genoma do vespão asiático. Finalmente, outra proposta importante foi submetida ao Conselho Britânico de Pesquisa e uma rede europeia foi construída, a Força-Tarefa Coloss Velutina. Uma verdadeira dinâmica científica está, portanto, em ação.


Que dificuldades enfrentam?
Até agora, pouco se sabia sobre o comportamento desta espécie. Então tivemos que colectar dados básicos sobre sua biologia, sua ecologia, o que levou alguns anos, porque o grande problema das invasões biológicas é que, no começo, não as vemos, ou vemos pouco. E, ao contrário de uma colmeia, o ninho de vespas não é um modelo de docilidade … Sua observação é difícil: essa colónia geralmente é estabelecida nas copas das árvores, geralmente com mais de vinte metros de altura, e os vespões exibem um comportamento de defesa muito agressivo. Para contornar esses problemas, tivemos que desenvolver uma criação em laboratório. Recentemente, para analisar o comportamento deste formidável predador, trabalhámos com chips RFID e um ninho numa gaiola equipado com um pórtico. Mas levamos quase dois anos para alcançar esse resultado …”[…]

Instalação de chips RFID em vespas asiáticas adormecidas.
Foto: Alain Girard © INRA.

vespa asiática: (in)eficácia de diferentes armadilhas no apiário

Em 49 apiários situados metade nos Alpes-Maritimes (zona de elevada pressão do vespão asiático) e outra metade em Haute-Garonne (zona de baixa pressão do vespão exótico) avaliou-se o efeito da utilização de diversos tipos de armadilhas (ver aqui em detalhe as armadilhas utilizadas e respectivos iscos http://itsap.asso.fr/wp-content/uploads/2016/03/cr_evaluation_piegeage_vvelutina_2014.pdf) por comparação com um apiário de controlo (“temoin”) onde se não utilizou qualquer tipo de armadilha para as velutinas. Todas as armadilhas de captura foram instalados entre 19 de agosto e 16 de setembro de 2014 e foram retiradas entre 7 de novembro e 15 de dezembro, quando a ausência de capturas indicou que V. velutina havia parado a predação.

Quanto ao desenvolvimento das colónias de abelhas não há diferenças significativas nas diferentes modalidades de armadilhas no que se refere a alterações no peso e o número de quadros ocupadas por abelhas. Por outro lado, as variações de peso e o número de quadros ocupados por abelhas nos apiários de controle é maior (ainda que não significativamente) que nos apiários equipados com armadilhas. Estes dados, portanto, não permitem concluir por um efeito positivo das modalidades de armadilha testadas no que se referes ao desenvolvimento das colónias.

Relativamente à mortalidade de colónias de abelhas o primeiros dado a destacar é que a mortalidade antes e à saída do inverno tem sido muito alta. No entanto, os valores de mortalidade pré e pós-inverno, medidos nos apiários de controle, são inferiores aos apiários equipados com armadilhas (ainda que não significativamente). Novamente, não é possível concluir que as modalidades de armadilhas testadas para a protecção de colónias de abelhas sejam efectivas.

O objetivo prático deste método de controle é manter o desenvolvimento normal das colónias e limitar a mortalidade. Sua eficiência foi medida em condições práticas de produção, com altas densidades de armadilhas, em áreas de baixa e alta pressão. No entanto, comparações entre apiários de controle sem armadilhas de captura e os apiários que tinham essas armadilhas não revelam nenhum efeito protetor da captura dos vespões na atividade de forrageamento, ou no desenvolvimento ou sobrevivência das colónias. Estes resultados levam a concluir pela ineficácia dos métodos de captura testados para proteger o apiário contra a Vespa velutina.

fonte: http://itsap.asso.fr/wp-content/uploads/2016/03/cr_evaluation_piegeage_vvelutina_2014.pdf

Nota: Entre os métodos/armadilhas inicialmente pensados pelo grupo de trabalho, os baseados num sistema elétrico (armadilhas Apiprotection e Technic-Joules), vulgo harpas eléctricas não puderam ser testados devido à falta de um acordo com os fabricantes. O segredo será a alma do negócio destes dois fabricantes de harpas?

vespa velutina: categorias de armadilhas e determinantes das escolhas

“Todas as técnicas […] têm seus prós e contras, e podem ser divididas em duas categorias principais: aquelas que afectam o ninho da V. velutina e larvas (por ex. “técnica Judas”, triangulação para localizar ninhos, colocação de sensores no vespão, localização de ninhos com recurso a drones, radar harmónico, iscos envenenados, controlo biológico, siRNA, Crispr-Cas9 ) e aqueles que só afectam as vespas obreiras (raquetes, todas as armadilhas de captura de obreiras, redes à entrada das colmeias, etc.). Considerando que um ninho de V. velutina abriga 1.500 a 2.500 vespas e produz 12.000 a 15.000 vespas durante uma estação, é óbvio que métodos destinados a localizar ou destruir os ninhos à distância devem ser privilegiados em termos de eficiência (Rome et al. 2015).

As opções de escolha dependem se se é um apicultor em busca de soluções simples, rápidas e baratas, ou um cidadão incomodado pela V. velutina ou sensível à ameaça atual aos polinizadores, ou mesmo um decisor político que deve tomar decisões estratégicas. De fato, uma combinação de várias das técnicas descritas aqui geralmente é a melhor escolha.


No que diz respeito aos apicultores, o custo do tratamento (ácaros, traças, cria podre, etc.) já é bastante alto, e é difícil prever investimentos adicionais em armadilhas ou dispositivos caros. Portanto, muitos deles usam armadilhas caseiras ou iscas envenenadas. Essas armadilhas não são muito seletivas e eficazes, e até contraproducentes, se colocadas perto das colmeias. Se um apicultor insistir em colocar armadilhas, seria útil colocá-las distantes do apiário. De fato, parece que as vespas são atraídas pela isca, mas rapidamente se concentram nas abelhas. As iscas de carne/peixe envenenadas por biocidas são mais seletivas, pois atraem apenas insetos carnívoros, se não acessíveis a animais carnívoros terrestres ou aves. No entanto, sua principal desvantagem é que eles podem levar à disseminação dos biocidas utilizados. Embora o nível de biocidas disseminados por estas práticas esteja bem abaixo do que geralmente é usado no tratamento das culturas, as larvas contaminadas podem entrar na cadeia alimentar se os ninhos não forem removidos após serem envenenados. Assim, neste caso, os biocidas de baixa premanência devem ser preferidos.

Os cidadãos confrontados com os vespas ou conscientes de seus danos devem ter em mente que o pouco que podem fazer sem arriscar ameaçar a entomofauna ou o meio ambiente é, em caso de descoberta de ninhos, informar sua administração local […]. No entanto, em caso de grande inconveniente, podem equipar os jardins com uma armadilha o mais seletiva possível (armadilhas caseiras com saídas para os insetos menores), […], mas devem estar cientes de possíveis efeitos colaterais na entomofauna. O uso de armadilhas envenenadas não é recomendado, pois apresenta riscos para os utilizadores, mas também para possíveis vítimas colaterais (animais selvagens, animais domésticos, crianças). As raquetes elétricas comerciais normalmente destinadas a mosquitos podem ser eficazes nas operárias, mas é necessário esmagá-las, pois elas recuperam rapidamente.

Por fim, no que diz respeito aos decisores, há que recomendar que invistam muito rapidamente na pesquisa e na busca de soluções para destruir de maneira limpa os ninhos de vespas. De fato, essa estratégia é de longe a mais eficiente, a mais barata e a mais segura para o ambiente, […] Esperemos que as instituições nacionais e europeias tomem consciência rapidamente da extensão deste problema e invistam seriamente para limitar a disseminação de vespas de patas amarelas que já ameaçam toda a Europa.”

fonte: Options for the biological and physical control of Vespa velutina nigrithorax (Hym.: Vespidae) in Europe: A review

Nota: Na próximas publicação irei apresentar propostas e hipóteses de novas armas e novas estratégias para fazer frente à velutina. Em regra estas novas armas pressupõem um investimento pesado em Inovação e Desenvolvimento, e portanto exigem a coordenação e fundos que deverão ser europeus para evitar replicar trabalho e gasto de recursos de forma desnecessária. Entre estas novas armas, umas mais desenvolvidas que outras, destacam-se as armadilhas com feromonas específicas, localização de ninhos com recurso a drones e sensores, radar harmónico para localização de ninhos, controlo biológico, siRNA e Crispr-Cas9.

Armadilha com recurso a feromonas sexuais específicas para atrair machos de vespa velutina.

vespa velutina: novas armas precisam-se

“Outra omissão notável da lista da União Europeia de espécies exóticas invasoras é a vespa asiática de patas amarelas, Vespa velutina nigrithorax (ver J. Pergl et al. Nature 531, 173; 2016). Desde sua chegada à Europa, há mais de uma década, esse voraz predador de abelhas já causou mortes humanas por causa de sua picada (ver K. Monceau et al., J. Pest. Sci. 87, 1–16; 2014).
O impacto do vespão é severo nos países do Mediterrâneo, onde a apicultura é uma fonte crucial de renda. Os apicultores locais têm seus próprios métodos de erradicação improvisados (como armadilhas caseiras), mas que matam também outros insectos polinizadores.
A espécie precisa ser oficialmente classificada como invasora em todos os países europeus, para que fundos possam ser aplicados no seu estudo e controle. As campanhas públicas são essenciais para aumentar a consciencialização e a compreensão das pessoas sobre essa ameaça – por exemplo, sobre as diferenças entre espécies de vespas, muitas das quais são vitais para as funções e serviços do ecossistema.
Precisamos urgentemente de um plano coordenado da UE para controlar esta invasão de vespas e mitigar seus impactos económicos e ecológicos potencialmente graves.”
Frederico Santarém, investigador do Centro de Investigação em Biodiversidade e Recursos Genéticos da Universidade do Porto (CIBIO-InBIO).

… para deixarmos de andar a lutar com fisgas (as nossas armas de momento) contra carros de assalto (as velutinas). Até ao momento a expansão pelo território europeu tem sido imparável, o que demonstra bem que outro arsenal é necessário para a controlar e até erradicar. Para tal é necessário investir seriamente em soluções diferentes, alternativas e complementares, resultantes de inovação e desenvolvimento.

os impactos económicos, ambientais e sociais da vespa velutina em França

“Os desafios relacionados com o controlo deste predador [vespa velutina] são de vária ordem:

(i) económico: os serviços de polinização de abelhas são estimados em 1,5 mil milhões de euros/ano e a perda direta dos apicultores é calculada ultrapassar os 100 milhões de euros/ano, ambos apenas para a França;

(ii) ambiental: danos às abelhas, polinizadores e fauna endémica de insectos; e

(iii) saúde pública: vários óbitos/ano, embora o número de casos não pareça adequar-se completamente à expansão de V. velutina (de Haro et al., 2010; Viriot, Sinno-Tellier & de Haro, 2015).

Se hoje é ilusório tentar eliminar esta espécie, é claro que um controle focado poderá reduzir sua expansão e, portanto, seu impacto. Atualmente, não existem estudos disponíveis sobre o impacto da predação por V. velutina na atividade das colónias de abelhas europeias. No entanto, um estudo realizado na China mostrou que a presença deste predador poderá reduzir a atividade de forrageamento até 79% (Tan et al., 2013). […]

[…] o controle atual do vespão asiático é baseado na localização visual e supressão dos ninhos. Este controlo é limitado porque a sua localização preferida, no alto das árvores e baixa visibilidade na primavera-verão devido à folhagem, de modo que menos de 5% do ninho de vespas são avistados (Robinet, Suppo, Darrouzet e Diekotter, 2017). Esse controle direcionado deve limitar fortemente a predação exercida pela V. velutina em apiários e em locais sensíveis (escolas, mercados de peixe/carne, praias etc.) e, portanto, limitar seu impacto económico e social.[…]

Apesar das advertências da comunidade científica (Salles, 2016), as autoridades francesas e europeias não parecem muito preocupadas com a progressão deste predador (Santarém, 2016). Apenas alguns programas de pesquisa sobre o controle de V. velutina (Decante, 2015; Milanesio et al., 2016) (IRBI-Universidade de Tours, França; Universidade de Turim, Itália; INRA- Bordeaux, França; MNHN-Paris, França ) e algumas iniciativas institucionais locais (notavelmente o “Plano Frelon 06” do Conselho de Departamento dos Alpes Marítimos) com o objetivo de localizar e destruir ninhos foram financiadas até agora. Enquanto isso, nossos colegas da Nova Zelândia lançaram grandes projectos de pesquisa com o objectivo de reduzir a população de V. germanica e V. vulgaris (Barlow et al., 1998; Beggs et al., 2008; Fan et al., 2016; Fan et al., 2016; Ward, 2014) , cuja ameaça provavelmente não é tão grande. Isso enfatiza o facto de que investimentos sérios em pesquisa devem ser feitos rapidamente.” (sublinhado meu)

fonte: Options for the biological and physical control of Vespa velutina nigrithorax (Hym.: Vespidae) in Europe: A review

opções para o controle biológico e físico de Vespa velutina nigrithorax na Europa: uma revisão

Inicio uma série de publicações de revisão de algumas das mais populares opções utilizadas para o controle da vespa velutina, também conhecida por vespa asiática, socorrendo-me deste artigo: Options for the biological and physical control of Vespa velutina nigrithorax (Hym.: Vespidae) in Europe: A review (agradeço ao Prof. Paulo Russo de Almeida e ao Dr. João Gomes a ajuda dada).

“Sumário : Recentemente, o economista ambiental JM Salles (Salles, 2016) declarou que “o vespão asiático provavelmente era o inseto invasor mais ameaçador em França”. Treze anos após a introdução acidental em França, o vespão asiático (Vespa velutina nigrithorax) invadiu a maioria dos países da Europa Ocidental. Até agora, pouco foi feito para limitar sua progressão e seu impacto económico, ecológico e social. Embora seja ilusório tentar erradicar essa espécie, sabe-se que um controle direcionado limitará sua tendência ameaçadora. O atual controle da V. velutina na França baseia-se principalmente em (i) captura voluntária em larga escala pelos cidadãos e (ii) detecção voluntária do ninho. A avaliação das estratégias de armadilhas desenvolvidas até o momento para controlar a expansão de V. velutina destacou sua falha e demonstrou a necessidade de otimizar as técnicas de detecção de ninhos e investigar novas estratégias de controle. Esta revisão descreve a maioria dos meios destinados a controlar a predação e expansão de V. velutina, independentemente de terem sido cientificamente avaliados ou testados apenas em campo com razoável sucesso . Métodos de controle prospectivo publicados e técnicas de controle biológico também são apresentados.”

vespa velutina: impacto das armadilhas de primavera num concelho da Galiza

Apresento em baixo extractos de uma notícia acerca dos resultados muito positivos alcançados em 2018 num concelho da vizinha Galiza na luta contra a velutina. A estratégia passou pela colocação de inúmeras armadilhas para capturar o maior número possível de fundadoras, com a participação alargada dos munícipes/fregueses, e com a intervenção/assessoria técnica de uma empresa especializada. Neste ano de 2019 a estratégia vai ser melhorada com a colocação de armadilhas mais selectivas (com entradas de 8 mm) para evitar o mais possível os impactos negativos desta prática na restante entomofauna.

Estes dados aparentemente divergem dos dados apresentados pelos especialistas e autoridades francesas acerca do impacto das medidas de colocação massiva de armadilhas para capturar fundadoras à saída da invernagem. Este tipo de divergência aparente é muito frequente quando as realidades observadas não são exactamente iguais (por ex. se as populações avaliadas já atingiram o seu ponto de equilíbrio), os períodos de recolha de dados não são os mesmos, a extensão geográfica das áreas avaliadas não é equivalente, quando os protocolos de acção e de observação/quantificação são diferentes e/ou por um conjunto de outras variáveis ainda desconhecidas. Nesta área falta conhecimento sólido porque em grande medida falta também investimento na criação de equipas de especialistas com as ferramentas e pré-requisitos necessários à produção desse conhecimento.

No imediato, quem desejar contribuir para a captura das vespas fundadoras deve, na minha opinião, ter em consideração um dado que é consensual: as armadilhas devem ser o mais selectivas possível por forma a minimizar os impactos negativos sobre os insectos não-alvo que uma utilização massiva implica.

“No ano 2017 retiramos máis de 400 niños e houbo unha afectación moi importante sobre a produción de mel no municipio. Por iso o ano pasado decidimos actuar desde o Concello. Puxemos case 300 trampas. Fixémolo directamente, con persoal de Protección Civil, pero asesorados tecnicamente pola empresa Serpa. Era o primeiro ano que trampeabamos, foi como unha experiencia piloto, e os resultados foron moi positivos. Pasamos de retirar máis de 400 niños en 2017 a só 73 no 2018. É certo que foi un peor ano para elas polas condicións climatolóxicas que se deron, pero aquí ao lado, no concello de Viveiro non trampearon e, coa mesma superficie que O Valadouro, uns 110 quilómetros cadrados, retiraron 529 niños[…].

Un dos efectos negativos do trampeo masivo é a captura doutras especies de insectos que, a diferenza da vespa asiática, son positivos. Para tratar de minimizar estas consecuencias sobre a biodiversidade reduciron ao máximo o tamaño dos orificios de entrada. “O importante no trampeo é facelo o máis selectivo posible. Cun oco de 8 milímetros de diámetro evitas que entren mariposas ou outros insectos beneficiosos[…].

Para activar de novo este ano o programa de captura de raíñas, o Concello celebra este sábado unha xuntanza formativa á que está convidada toda a veciñanza. Da parte técnica encargarase José María Vázquez, xerente da empresa Serpa, especializada na loita contra a velutina.”

fonte: http://www.campogalego.com/apicultura/o-valadouro-un-concello-que-logrou-reducir-un-83-a-presenza-da-vespa-velutina/?fbclid=IwAR0tWiQKCPh-QToWTSvjAvueV6CDDQEWkeNCJzQwdLRo1KDONcG5rlD5eJU

vespa velutina: impacto das armadilhas de primavera

Em algumas regiões de França, a monitorização do impacto no número de ninhos resultante da utilização de armadilhas para a captura das primeiras velutinas fundadoras e obreiras não são animadores. A minha esperança é que estes dados estejam errados. Caso estejam correctos, parecem apontar para uma estabilização do número de ninhos ao longo dos anos independentemente de uma maior ou menor intensidade nas acções de captura de fundadoras à saída da invernagem.

Rede de monitorização e controlo montada na região de Pays-de-la-Loire
Outono de 2008: 1 vespão identificado no sul de Vendée.
Início de 2009: montagem de uma rede de monitorização e controle (organização e treino, supervisão de caçadores, perícia, coleta de informações confiáveis).
Primavera de 2009: captura de fundadoras com um número limitado de “armadilhas seletivas de cerveja” num raio de 30 km em torno da área onde foi identificado o primeiro adulto em 2008.
Balanço 2009 => Nenhuma fundadora capturada, 12 ninhos descobertos
2010: distribuição de 400 armadilhas “seletivas” entre caçadores treinados e apicultores voluntários. Armadilhas colocadas perto de apiários. Ampla informação pública.
Avaliação 2010 => 6 fundadoras capturadas, 195 ninhos identificados.
2011: renovação do plano de vigilância e luta de 2010.
Balanço de 2011 => aprox. 10 fundadoras capturadas, 485 ninhos identificados.

Operação de armadilhagem intensiva na cidade de Bordeaux
(Rome et al., 2013)
Desde 2007: Implantação de uma alta densidade de armadilhas de fevereiro a abril (exemplo: 15.000 armadilhas / 550 km2 em 2009)
Balanço final => Vários milhares de fundadoras capturadas em cada ano, mas o número de ninhos encontrados permanece estável: 300 / ano

2007 a 2011: muitas experiências semelhantes foram realizadas a uma escala comunal ou departamental (Dordogne, Gironde, Morbihan, etc.)
Balanço => densidade de ninhos encontrados estável.

2007 a 2009: nenhuma campanha de captura maciça em Lot-et-Garonne
Balanço => número de ninhos detectados é metade em 2007/2008 (609 para 267). Ligeira recuperação do número de ninhos em 2009.

Conclusão: Nenhuma campanha de armadilhagem na primavera parece eficaz na redução da densidade de colónias de vespas asiáticas.
As diminuições são devidas ao clima (inverno) e à estabilização natural das populações.

Feedback sobre outras vespas invasoras
Vespa germânica (Vespula germanica) introduzida na Nova Zelândia.

Única forma de diminuir a densidade = destruição quase total de todos os ninhos.
Armadilhas de captura de fundadoras (outono ou primavera) = ineficaz
Cálculo da taxa de mortalidade dos diferentes estágios de desenvolvimento das colónias de vespas (Vespula germanica e V. vulgaris):
1% das fundadoras poderão fundar uma colónia no ano seguinte
95% de mortalidade no inverno + 4% de mortalidade na primavera (competição).
Usurpação de ninhos primários muito comuns em vespas (30% das colónias com ninhos usurpados).
Em média, 12 mudanças de fundadoras por ninho.
Frequência de usurpação aumenta com a densidade das fundadoras no local.”

fonte: https://www.concarneau-cornouaille.fr/files/ACTUALITES-2018/04-Avril/FrelonAsiatique_AChevallierV2018red.pdf