avaliação de rainhas: o caso de rainhas de qualidade

A qualidade de uma rainha e a sua avaliação é uma característica e uma competência que funda a apicultura produtiva. O primeiro aspecto diz naturalmente respeito ao insecto, o segundo diz respeito ao apicultor. Vamos centrar esta abordagem na competência do apicultor para fazer essa avaliação (a competência mais não é que o conhecimento em acção).

Sabemos que uma rainha de boa qualidade se caracteriza por apresentar uma postura (de operárias) abundante e compacta. Sabemos que ela começa essa postura no centro do favo, em seguida, em vagas elípticas e sucessivas de postura, a postura irá abrangendo áreas cada vez mais vastas do favo até ao ponto de o ocupar quase na totalidade, ficando as extremidades dos quadros bordejadas por uma pequena abóbada  de pólen e mel. Podemos afirmar que uma rainha de qualidade “empurra” o mel para as extremidades dos quadros na câmara de criação. Concluímos assim que, salvaguardando o atempado fornecimento de alças e meias alças para o armazenamento do néctar ou a ausência de preparação de uma enxameação, o bloqueio do ninho com mel e pólen não acontecem na presença de uma rainha de qualidade.

O filme dos quadros de criação de uma rainha de qualidade é repetitivo durante vários ciclos de criação e pelos vários quadros que formam a câmara de criação.  Procurando descrever por palavras este filme com a duração de 21 dias digo: observamos o quadro com criação larvar não selada ao centro, onde começou a postura e, portanto, com larvas maiores e mais velhas; em torno deste disco encontramos larvas mais jovens, e nas extremidades do favo/quadro vamos encontrar ovos. Poucos dias depois, observando o mesmo quadro, no seu centro a selagem dos alvéolos já se iniciou e a periferia apresentará ainda criação larvar aberta/não selada. Mais tarde alguns dias, a selagem estará completa e observamos uma mancha uniforme, densa e compacta de criação; um quadro caro, pois trata-se de um grande “pacotes de abelhas por nascer” muito valioso e com várias aplicações práticas, nomeadamente para o exercício da equalização já referido noutros posts. Após 21 dias as novas abelhas, provindas dos primeiros ovos colocados no centro do favo, começam a nascer, formando naturalmente um “buraco” no meio da criação selada, buraco que vai crescendo com o nascimento de mais abelhas. A rainha, sendo de qualidade, vai rapidamente encher de ovos este renovado espaço vazio. Este fenómeno vai-se espalhando do centro para as periferias do quadro de criação. É um novo ciclo de postura a decorrer perante nós. E vai-se repetindo uma e outra vez, passando pelas mesmas fases durante toda a temporada de “grande postura”.

images-1

Fig. 1 — Criação selada abundante e compacta bordejada por pólen e mel.

De uma coisa estou certo, neste mundo de muitas incertezas: só as colónias com rainhas de qualidade produzem mel. De há dois anos a esta parte procuro eliminar sistematicamente todas as rainhas que, à entrada da primavera, não apresentam as características atrás descritas. São poucas, felizmente! Salvam-se apenas as mais velhas, que provaram no passado, e cujo património genético é aproveitado como matriarcas de futuras rainhas.

Nota: este post foi inspirado por Manuel Oksman, enorme apicultor argentino.

uma abordagem mais “natural” para fazer núcleos de fecundação

Quando uma colónia produz a sua rainha após a enxameação ou o apicultor faz a divisão de uma colónia, há uma probabilidade elevada (superior a 90%) de produzir uma nova rainha com uma vida reprodutiva normal, à sua frente. Este elevado nível de sucesso contrasta com o resultado obtido com rainhas fecundadas nos pequenos nucléolos ou mini-núcleos, onde a melhor taxa de sucesso que podemos esperar é de 2 em cada 3 (66%), e muitas vezes pode ser substancialmente mais baixa.

Qual a razão da diferença? Em parte é uma questão de escala, porque num nucléolo temos apenas 200-300 abelhas para dar apoio a uma rainha virgem. Mesmo os mais pequenos enxames secundários, mais conhecidos como garfos, são muito maiores do que isto. Portanto os mini-núcleos colocam as rainhas virgens e as abelhas numa situação excessivamente artificial, para a qual não estão naturalmente adaptadas.

Se o objectivo é partir uma colónia e fazer dela duas, para aumentar o efectivo a tarefa fica concluída assim que a divisão é feita. A colónia mãe (aquela que mantém a velha rainha) e a colónia filha (a que está criando as suas realeiras de emergência) pode permanecer no mesmo apiário, quer em assentos separados ou com a colónia filha em cima da colónia mãe usando um prancheta especial de divisão. Tudo o que o apicultor precisa de fazer é sentar-se e esperar e, após 4-5 semanas, verificar se uma nova rainha está fazendo postura na colónia filha. A colónia mãe que doou abelhas e criação e é improvável que enxameie. Por outro lado, o excedente de realeiras de emergência produzidas pela divisão podem ser utilizados para criar mais alguns núcleos com abelhas, quadros e criação retirados de outras colmeias no apiário. Cerca de 90% destas rainhas são sobreviventes de longo prazo (sobrevivem pelo menos até o final da temporada seguinte).

Os aspectos-chave envolvidos na concretização deste processo de criação e fecundação de rainhas podem ser resumidas como se segue :

 

  1. Os núcleos devem ser preenchidos com as abelhas da mesma colónia que fez as realeiras;
  1. Cada núcleo deve ser fornecido pelo menos com 2 células reais e de preferência mais (não há nenhum limite);
  1. Os quadros com realeiras devem ser retirados logo que possível após a operculação (cerca do 9º dia);
  1. As entradas das caixas de núcleos devem ser fechadas e o núcleo deve ser transferido para um apiário de acasalamento, situado a mais de 3-4 Km de distância.

Achamos que desta maneira a criação de núcleos de fecundação funciona melhor porque é mais “natural” , ou seja assemelha-se muito ao que acontece na natureza. A explicação é a seguinte :

  • As orientações 1 e 2 estão logicamente relacionados e são destinadas a garantir que as rainhas em desenvolvimento são cuidadas por abelhas operárias com quem estão geneticamente relacionados (ponto 1). As abelhas estão conscientes da relação genética que têm com os suas companheiras de ninho (se são irmãs completas ou apenas meia-irmãs — dependendo do zangão que as gerou). Estas relações fazem parte integrante da organização colónia, embora eles não sejam completamente compreendidas no presente momento. Isto contrasta com o método tradicional de fazer núcleos, onde uma única célula real é geralmente dado a um grupo de abelhas não relacionadas. A provisão de um núcleo com várias realeiras tem a vantagem de permitir que as abelhas podem fazer “o que acontece naturalmente”, isto é, façam as suas escolhas (ponto 2). Nós (meros seres humanos) não entendemos que critérios elas estão usando, mas eles (as abelhas) claramente fazem-no e a melhor estratégia é não interferir.
  • As orientações 3 e 4 também estão logicamente relacionados e visam aumentar o sucesso do acasalamento das rainha virgens. Fazendo-se os núcleos assim que as células rainha foram operculados (ponto 3) aumentamos o número de dias antes de uma nova rainha nascer e estar pronta para realizar os vôos de acasalamento. O bloqueio de entrada evita a perda de abelhas aquando da transferência para outro apiário (ponto 4) e garante que elas ficam no núcleo e não vão voar de volta para casa. Estudos recentes mostram que rainhas virgens não saem sozinhas nos seus vôos de acasalamento, mas são acompanhados por um número de abelhas operárias maduras que as guiam para as áreas de congregação dos zãngãos e asseguraram seu retorno seguro. Para fazer bem esta tarefa um núcleo deve ter abundância de abelhas forrageiras que tenham tido tempo suficiente para conhecer o seu novo território. Se núcleos são feitos no dia 9 e são transferidos imediatamente para o apiário de acasalamento deve haver um mínimo de 7 dias antes de uma nova rainha estar pronta para acasalar (e provavelmente mais) e as abelhas forrageiras estarem capacitadas para desempenhar esta função tão importante. A falta de abelhas pode ser uma das razões para os mini-núcleos terem um menor nível de sucesso no acasalamento das suas rainhas do que as colónias maiores. Uma desvantagem adicional pode ser que as rainhas mal apoiadas são obrigados a acasalar mais perto de casa, resultando num menor acesso à diversidade genética dos zângãos.

Consciente que alguns aspectos podem e devem ser discutidos e bem reflectidos por todos nós, importa que a nossa prática seja conduzida cada vez mais respeitando o “modo natural de fazer”das abelhas. Pergunto se com um excessivo artificialismo nos procedimentos por nós escolhidos não estaremos a ganhar a curto prazo para desperdiçar a longo prazo, ou como diz o nosso povo não estaremos a poupar no farelo e a desperdiçar na farinha?

como atrasar a enxameação

A enxameação é um processo natural, inevitável, com o qual, mais tarde ou mais cedo, todo o apicultor se vê confrontado. Estar preparado é a chave para prevenir e/ou controlar o processo da enxameação. Ainda que por vezes não consigamos evitar a enxameação, contudo é possível atrasá-la. Atrasar a enxameação pode ditar a diferença entre não colher mel nenhum na estação ou, caso sejamos bem sucedido, colher algum mel, o suficiente para pagar o que investimos durante o ano naquela na colónia.

As diversas técnicas disponíveis para prevenir e/ou atrasar a enxameação, em grande parte giram em torno de fornecer espaço adequado à colónia, abrandar a velocidade de crescimento da sua população ou simular artificialmente a enxameação, com a aplicação de diversas técnicas, as mais conhecidas desenhadas por Demarée e por Snelgrove.

A chave para o sucesso da prevenção ou atraso da enxameação roda muito em torno do momento e da intensidade com que a intervenção do apicultor é exercida.

No caso dos meus apiários na beira, as colónias mais fortes atingem os 6-8 quadros de criação na primeira quinzena de março, graças à entrada abundante de pólen que se inicia em fevereiro a juntar a um fluxo lento de algum néctar que surge por esta altura. Estas colónias fortes convivem no mesmo apiário com algumas outras que saíram menos povoadas do inverno. Estou-me a referir a colónias que nesta primeira quinzena de março apresentam 4-6 quadros de abelhas e 2-4 quadros com criação. O facto de os meus apiários apresentarem estes desequilíbrios permite-me, através da equalização, retirar força às colmeias que me parecem prematuramente fortes e dar alguma dessa força às minhas colmeias mais fracas.

images

Fig. 1 — Quadro com muita criação operculada a utilizar no processo de equalização

Assim as colmeias mais débeis que eu entendo que ganham com a equalização recebem um quadro com muita criação operculada, quadro este fornecido pelas mais fortes. As primeiras são reforçadas com 4000-5000 abelhas novas e as últimas ficam descongestionadas dessa população de abelhas que poderiam vir a ser o gatilho para uma enxameação precoce, ainda durante a primeira quinzena de abril. Em simultâneo ofereço espaço no ninho às rainhas destas colónias mais fortes. Em regra nas colónias mais fracas encontro pelo menos um quadro ainda vazio com muito boas áreas de postura. Este recurso inestimável, colocado no ninho das colmeias mais fortes, permite-me criar um novo espaços de postura tão necessário nestas colónias. A juntar a esta acção, no mesmo dia ou poucos dias depois, adiciono espaço no topo da colmeia, com uma alça ou meia-alça. Este espaço adicional será usado para armazenar o néctar quando necessário, evitando o bloqueio dos preciosos alvéolos nos quadros do ninho.

images-1

Fig. 2 — Quadro vazio puxado com excelente área de postura

manipular a distribuição etária das abelhas para controlar a enxameação e preparar uma colónia produtiva

Neste post referimos que a distribuição desequilibrada da idade das obreiras é um dos factores despoletadores da enxameação. Julga-se que o número excessivo de abelhas nutrizes e abelhas cerieiras quando comparado com o número de forrageiras disponíveis pode ser o gatilho para o fenómeno da enxameação. Num outro post descrevemos um tabuleiro/prancheta especial que se pode utilizar para fazer o desdobramento vertical de uma colónia de abelhas (ver aqui) assim como os procedimentos para a sua utilização.

Neste post vamos analisar como a utilização deste tipo de tabuleiro (ou o seu sucedâneo mais sofisticado conhecido como tabuleiro de Snelgrove) permitem ao apicultor manipular a distribuição etária das abelhas de uma dada colónia, prevenindo a enxameação e, ao mesmo tempo, manter uma colónia produtiva.

A utilização deste tabuleiro simples tem assumido várias formas e objectivos, praticamente desde o surgimento da colmeia móvel, apresentada como nos diz a história da apicultura em meados da década 50 do século 19 (Langstroth patenteou a sua colmeia em 1852).

Com a utilização deste tabuleiro é possível desdobrar um enxame e simultaneamente prevenir a enxameação como já vimos. Para tal o timing desta operação deve ser escolhido com a maior atenção para que seja utilizado quando a colónia está muito desenvolvida, prestes a atingir o ponto do surgimento do impulso de enxameação, contudo antes de ter iniciado a construção de realeiras. Este procedimento serve perfeitamente a todo o apicultor que deseja aumentar o número de colmeias.

Para aquele apicultor que não deseja aumentar o número de colónias e procura primeiramente uma boa colheita de mel este tabuleiro também lhe pode ser muito útil. Este equipamento ajuda a manter uma colónia populosa estabilizada e preparada para um determinado fluxo importante de néctar. Tal é conseguido através de um conjunto de etapas que permitem num primeiro momento a separação parcial dos indivíduos de uma colónia e, mais tarde quando a febre da enxameação tiver abrandado, a sua posterior recombinação de modo a conseguir uma colónia poderosa, equilibrada e com um grande número de obreiras, garantia necessária para uma boa produção.

A teoria que nos permite compreender as razões deste tabuleiro funcionar defende que a enxameação resulta do excesso de abelhas nutrizes numa colónia em relação ao número de larvas que precisam de ser alimentados e favos a construir. Sabemos que este tabuleiro permite isolar parcialmente um número apreciável de abelhas nutrizes na zona superior da colmeia juntamente com a rainha. No andar debaixo do tabuleiro ficará um outro grupo de abelhas nutrizes juntamente com a maior parte das abelhas forrageiras. Como as abelhas da caixa inferior estão orfãs não enxamearão. Na caixa superior, todos os inputs que as abelhas recebem lhes indicam que enxamearam. Senão vejamos com mais detalhe: a sua população é largamente constituída por abelhas nutrizes com poucas forrageiras; o seu número é menor; estão numa casa com cheiro a novo, e têm a sua rainha. Com esta manipulação o apicultor simulou com grande aproximação os inputs que as abelhas recebem quando enxameiam. Se lhes parece que enxamearam vão acreditar que de facto enxamearam e, sendo assim, não enxamearão, pelo menos tão cedo.

Mais tarde, quando o apicultor entender oportuno, quando já se aproxima do fim a época da enxameação reprodutiva pode voltar a unir a colónia, bastando para isso remover o tabuleiro.

Nota: não esquecer que na zona inferior orfanizada, muito provavelmente, irão ser construídas realeiras que deverão ser aproveitadas ou destruídas de acordo com as necessidades de cada um.

construir uma colónia de abelhas produtiva

O princípio de uma colónia produtiva é bem conhecido: só uma colónia com uma população numerosa está em condições de acumular um excedente apreciável de mel para o apicultor (Lei de Farrar).

A preparação de uma colónia produtiva inicia-se verdadeiramente na cresta do ano anterior. Se a cresta for excessiva a colónia dificilmente ultrapassará o período invernal sem ajuda de alimentação suplementar. Caso consiga, muito provavelmente, surgirá à entrada da primavera com uma pequena população, estando em causa a sua produtividade. Terá uma população aquém do necessário para produzir um excedente de mel para o apicultor e todo o néctar entrado na colónia será utilizado para suprir o seu próprio crescimento.  Sabemos que um quadro de criação consome, em média, um quadro de mel. Há colónias que não sobem à primeira meia-alça por esta simples razão: estão a crescer no ninho.

Analisemos agora alguns números e dois cenários que poderão servir de referência para o maneio do apicultor com o objectivo de preparar colmeias produtivas.

Cenário 1) Há colónias que nas 2-3 últimas semanas do inverno apresentam 4-6 quadros de criação e 8-10 quadros de abelhas no ninho. Estas colónias com um enorme  potencial de se tornarem uma colónia muito populosa, acima dos 50 000-60 000 indivíduos,  reúnem as condições para acumular um excedente de 25-35 Kg de mel para o apicultor (Lei de Farrar). Estes valores representam uma produção média que, no patamar inferior, está ao nível da média nacional e que, no patamar superior, está acima da mesma. Estimulante mas não irrealista!

Para concretizar este cenário a colónia deve ter condições para que, 20-30 dias antes do fluxo principal de néctar, apresente 6-8 quadros de criação no ninho. Nestas colmeias que saem fortes do inverno, o apicultor deve estar atento aos possíveis bloqueios do ninho que poderão impedir o seu normal crescimento e/ou suscitar a enxameação. A minha sugestão central para o maneio do ninho em colónias deste tipo passa pelo fornecimento atempado de quadros de cera puxados e/ou laminados que desbloqueiem o ninho, o abram e o expandam. Nestas colónias coloco um quadro numa das extremidades da câmara de criação (geralmente opto pelo lado mais quente da colmeia) com um intervalo de cerca de 7-10 dias, de acordo com o que vou observando. Não devemos descurar também a necessidade de ir aumentando verticalmente o espaço nestas colónias, colocando atempadamente alças ou meias-alças meleiras.

images-7

Fig. 1 — Colónias produtivas 

Cenário 2) Há casos, contudo, de colónias que saem do inverno com uma população bastante mais reduzida. Estou a pensar no caso de colónias que chegam a 20-30 dias de uma floração importante com 3-4 quadros de abelhas. Estas colónias, com populações de 6 000 a 10 000 indivíduos, necessitam de cerca de 4 ciclos de criação para atingirem a população necessária para que se tornem produtivas. Deixadas ao seu destino, sem a nossa intervenção, são colónias que demorariam 80-90 dias a atingir a massa critica necessária para trabalhar adequadamente a floração em questão. Facilmente se conclui que, deixando tudo nas mão da natureza, a floração principal estaria terminada ou a terminar quando a colónia atingisse as condições de a trabalhar em força.

A equalização de colónias é a chave para estes casos. No dia -30 (30 dias antes da floração que nos interessa) coloco um quadro com criação operculada nestas colónias. São mais 4000-5000 jovens abelhas que nascerão durante os próximos 12 dias (lembro que um quadro Langstroth tem 7000-7200 alvéolos). No dia -20 coloco mais 2 quadros com criação (recebem mais 8000 a 10 000 abelhas). No dia -10 coloco mais 3 quadros com criação. No final presenteei esta colónia com 6 quadros com criação operculada (24 000-30 000 abelhas). Estas acções graduais dão-me boas garantias de atingir a almejada população de 50 000-60 000 abelhas (as que lhes ofereci  adicionadas às abelhas que a própria colmeia foi criando) à entrada do fluxo de néctar que me interessa. No caso estou a pensar no fluxo do néctar rosmaninho, que inicia a floração em meados de abril, nos locais onde estão situados os meus apiários.

apicultura numa pequena escala: aspectos de um sistema de maneio

Sabemos que o crescimento de uma colónia de abelhas e o seu bem-estar estão dependentes de um conjunto de aspectos centrais, nos quais se destacam:

  • bom estado sanitário da colónia (especial atenção ao controlo da varroa);
  • rainha prolífera;
  • capacidade das abelhas nutrizes manterem as temperaturas adequadas ​​na câmara de criação e alimentarem adequadamente as larvas;
  • disponibilidade de néctar (ou mel durante o período de escassez) e pólen no exterior;
  • existência de espaço na colmeia para a expansão do ninho e para o armazenamento do néctar.

Reunidas estas condições não há razão para a colónia não aumentar a sua população e, como consequência, fazer a colheita que o apicultor deseja, salvaguardando o campo/pasto no exterior e boas condições atmosféricas que permitam o forrageio. Sobre estas últimas nada podemos fazer, sobre as primeiras podemos agir, através de um sistema de maneio que nos permita alcançar a melhor produção possível. É sobre este sistema de maneio, numa apicultura de pequena escala, que vamos refletir e apontar algumas diretrizes.

Qualquer sistema de maneio tem como objectivo apoiar e/ou melhorar os factores acima enunciados. O nível de sofisticação de uma operação de apicultura determina a extensão em que as operações de maneio afetam estes factores.

Aspectos da apicultura de grande escala como a utilização de rainhas geneticamente selecionadas, a alimentação artificial com xaropes, pastas e pólen ou seus substitutos, a deslocação de colónias para seguir os fluxos de néctar não estão facilmente disponíveis para a maioria dos apicultores de pequena dimensão. Muitas vezes, para empreendimentos apícolas de pequena escala, estas opções ou são impraticáveis do ponto de vista logístico ou são geradoras de custos indesejáveis. Para os pequenos apicultores, os sistemas de maneio devem ser mais simples e orgânicos e os que não necessitem de investimentos elevados. Ora, para estes apicultores, o seu trabalho, as horas que dedicam num fim-de-semana e/ou ao fim do dia às suas abelhas, são geralmente o investimento mais barato.

Sobre o maneio em pequena escala, importa traçar algumas directrizes muito simples para a época do ano que estamos a passar: a viragem do inverno para a primavera.

Nesta altura o apicultor pode ser o pior inimigo das suas abelhas, se não acautelou uma quantidade suficiente de reservas de mel no ninho. Este aspecto, que não implica trabalho extra ao apicultor, é muitas vezes desprezado pelo apicultor, e pode trazer dissabores, em especial nestes dois meses de fevereiro e março que estamos a atravessar.

Nesta alutra do ano as rainhas começam a aumentar gradualmente a sua postura, com a entrada de algum néctar e pólen do exterior, aumentando significativamente as necessidades nutricionais da colónia. Se esta tem ainda mel e pólen armazenados, estão em boas condições para fazerem face a alguns dias de chuva e/ou frio, habituais nesta altura do ano. Caso estejam no limite das suas reservas (especialmente as de mel) a morte da colónia por fome pode chegar rapidamente de um dia para o outro. Ainda que a tentação de crestar muito ou todo o mel existente na colónia seja grande, o apicultor que o não faz está a investir no futuro da sua colónia.

No meu caso, sabendo que desde o início de agosto até finais de março (8 meses) pouco ou nenhum néctar significativo entra na colmeia, sabendo que uma colónia média consome em média neste período 1-1,5kg de mel/mês, necessito deixar 8-12 Kg de mel para garantir os níveis mínimos de reservas. Um quadro do ninho de uma colmeia Langstroth ou de uma colmeia Lusitana cheio de mel ronda os 2,5-3kg de mel. Necessito de 3 a 4 quadros bem cheios de mel no ninho para garantir as condições mínimas de sobrevivência no inverno. Este é o mínimo, mas um pouco mais é desejável, sobretudo para uma colónia que entra no outono muito bem povoada e com a varroa bem controlada. Sugiro mais uma meia-alça com 4 a 5 quadros bem cheios de mel.

Tudo parte do objectivo para que temos as abelhas. Para um apicultor de pequena dimensão, não andarei muito longe da verdade se disser que, sobretudo, pretende desfrutar do prazer que lhe dá ter abelhas, aprender com elas, ter umas horas por semana dedicadas à sua observação e maneio. Uma das formas mais simples e mais económicas de manter esta fruição ao longo de anos e anos, passa por deixar reservas suficientes para que elas renasçam saudáveis e vigorosas à entrada de cada primavera.

o processo de equalização de colónias de abelhas: alguns procedimentos

O processo de equalização visa transformar colónias que saíram debilitadas da invernagem em colónias fortes à entrada de um fluxo de néctar importante. A equalização é feita geralmente no período de desenvolvimento das colónias (na beira interior no início da primavera), três a seis semanas antes de um período importante de floração e de um bom fluxo néctar. Faz-se quando, num apiário, há colónias fracas a necessitarem de um estímulo e reforço que lhes permita aumentar a sua população de forrageiras até ao início de um fluxo de néctar que o apicultor deseje maximizar. Apenas as colónias muito fortes, com uma grande quantidade de criação e uma grande população abelhas, devem ser consideradas como dadoras. Por outro lado, as colónias fracas, com uma rainha velha ou com uma rainha com uma postura duvidosa, não devem ser equalizadas. Estes casos serão analisados num outro post.

Há muitas maneiras de fortalecer colónias enfraquecidas. Em baixo estão descritos os métodos mais utilizados:

 

  • Transferência de quadros com criação operculada de uma colónia forte para uma colónia fraca.

O quadro excedentário com criação operculada e com abelhas aderentes (abelhas novas) é retirado de uma colónia forte e é dado a uma colónia mais fraca. Os quadros retirados da colónia forte são substituídos por quadros com cera puxada, com boas áreas de postura e colocados na extremidade da câmara de criação. Se não tivermos ao nosso dispor quadros puxados utilizamos quadros com cera moldada. A colónia forte vai puxar rapidamente a cera moldada e a rainha em breve iniciará aí a postura de ovos.

images-1

Fig. 1 — Colónia forte

Devemos dar às colónias fracas um quadro de criação de cada vez, de modo que as abelhas cubram toda a criação. O quadro com criação operculada deve ser inserido no meio da câmara de criação desta colónia, de forma a que os ovos e larvas sejam devidamente aquecidos e alimentados. Certifique-se de que qualquer quadro transferido não tem a rainha. Os quadros a adicionar devem ter uma boa superfície de criação operculada (mais de metade do quadro) em ambos os lados.

images

Fig. 2 — Quadro com muita criação operculada e abelhas aderentes

Evite adicionar quadros como muita criação por opercular. O objectivo da adição de quadros com muita criação operculada é o de dar pouco trabalho às abelhas da colónia fraca e garantir que a criação operculada, que nascerá rapidamente, se some à população de abelhas jovens da colónia fraca. A criação não operculada requer o máximo de cuidado da colónia, enquanto a criação operculada requer cuidados mínimos. Depois de nascido, este contingente de abelhas novas vai começar por alimentar as larvas mais velhas, cerca de 6 dias após terem nascido tornam-se amas das larvas mais jovens e, três semanas depois, iniciam as sua tarefas no forrageio e que irão manter até sucumbirem.

Posteriormente, é importante verificar se a colónia fraca se está a desenvolver bem. Devemos fazer a inspecção destas colmeias durante uma a duas semanas para ver como se tudo corre bem. Se verificarmos que é oportuno podemos adicionar um novo quadro com criação operculada. Se a primeira tentativa não produziu os efeitos desejados,  há que verificar se há outros problemas que precisem ser solucionados (doenças, infestação pela varroa, uma má rainha, etc.). Ter ainda em atenção que as colónias fracas ao serem equalizadas podem necessitar de quadros com mel ou serem alimentados com alimentação artificial.

 

  • Sacudir abelhas jovens retiradas de colónia populosa para uma colmeia fraca.

Neste caso, o excedente de abelhas jovens de uma colónia com um grande número de abelhas adulta é sacudido para o interior de uma colmeia menos povoada.

images-2

Fig. 3 — Sacudindo abelhas

Esta processo de equalização pode ser levado a cabo duas a três semanas antes de um importante fluxo de néctar. O apicultor ajuda, assim, a aumentar a população de abelha adultas de uma colmeias menos populosa. Mais uma vez certifique-se de que a rainha não é transferida com as abelhas quando sacudir as abelhas. Dica: Pode sacudir as abelhas sobre uma grelha excluidora de rainhas e capturar qualquer rainha que por engano foi sacudida.

Nota: nestes dois métodos anteriormente descritos, e se entender necessário ou benéfico, pode harmonizar os odores das abelhas borrifando as abelhas a introduzir, assim como as abelhas das colmeias mais fracas, com água açucarada com um aromatizante inócuo para as abelhas. Tenho utilizado o aroma de baunilha para este fim com bons resultados.

 

  • A troca de posições entre colónias fracas e colónias fortes.

Trocar a posição de colónias é uma prática muito fácil para aumentar o número de abelhas forrageiras numa colónia mais fraca e aliviar a congestão de abelhas na colónia mais forte. Uma colónia fraca é transferida para o local ocupado por uma colónia forte e a colmeia forte é transferida para a posição onde estava anteriormente a colónia fraca. Isto é normalmente feito quando as abelhas forrageiras de uma colónia forte se encontram no campo ao meio do dia. Quando as forrageiras da colónia forte retornam para a colmeia vão entrar na colónia fraca, agora neste local. Estas abelhas que regressam do campo carregadas com néctar ou pólen tendem a ser bem aceites e sem lutas. Esta operação deve ser realizada com o fluxo de néctar e pólen já a decorrer.

Como é costume dizer, as operações realizadas durante um bom fluxo de néctar tendem a correr muito bem porque as abelhas andam felizes e perdoam muitos dos nossos erros!

Talvez seja dispensável, mas nunca é demais  referir que estas operações de equalização exigem o maior cuidado da nossa parte, para não transferirmos quadros com criação e abelhas de ou para colmeias com doenças na criação (ler mais sobre a equalização).

humidade no ninho das abelhas: um prejuízo? uma benesse?

A humidade na câmara de criação é um factor crítico para a boa qualidade das condições físicas-ambientais tão necessárias a um desenvolvimento saudável das colónias de abelhas. Numerosos estudos demonstraram que os níveis extremos de humidade, sejam elevados, sejam baixos, afectam a saúde das abelhas e da sua criação. Por exemplo, a níveis inferiores a 50% de humidade relativa os ovos não eclodem (Doul, 1976), o que é particularmente impactante nos pequenos núcleos de abelhas. Outro exemplo, a humidade entre 68% a 87% aumenta a percentagem de mumificação das larvas em 8%, também conhecida por criação de giz. Um dado interessante, a taxa de reprodução da varroa destructor diminui com o aumento da humidade.

A humidade no ninho numa colónia forte e saudável situa-se entre os 50% e 60%. Raramente se encontra abaixo dos 40% ou acima dos 80%. Numa colónia forte e em condições normais, este valor é estável e não está dependente das condições ambientais. Pelo contrário, numa colónia fraca as condições internas são muito influenciadas pelas condições ambientais externas.

Um fator importante que influencia o nível de humidade no ninho é a quantidade de criação não operculada/selada. Sabemos que os ovos e as larvas são altamente sensíveis à dissecação. Pensa-se que as áreas de criação têm um microclima com uma humidade relativa significativamente maior que o conjunto do ninho. Isto é conseguido pela presença de geleia real, que tem um conteúdo de água alto. Por outro lado os casulos são higroscópicos e promovem a absorção de água (Human, 2006). Além disso, as abelhas nutrizes/amas que cobrem os quadros de criação limitam a quantidade de água que se evapora.

Sabe-se que as colónias de abelhas regulam a humidade interna do ninho pelo batimento das asas, pelo transporte e depósito de água para o ninho, e pelos dissipadores de humidade, como o néctar e os casulos (Ellis, 2008).

Ouvimos dizer frequentemente que durante o inverno é a humidade, não o frio, que mata as abelhas. O que pode o apicultor fazer nesta estação do ano para ajudar as abelhas a regular a humidade no ninho?

As orientações são variadas e há duas escolas principais de pensamento. Uma defende a ventilação assistida da colmeia, deixando orifícios de ventilação na zona superior da colmeia, quer através da inserção de palitos de fósforo ou cunhas nos cantos inferiores das pranchetas, ou deixando o óculo da prancheta semi-aberto. Este conselho é geralmente dado por apicultores que usam pisos sólidos.

Por outro lado, se as colmeias estão equipadas com estrados de rede, o pensamento é que os métodos de ventilação nas zonas superiores da colmeia são desnecessárias dado que o estrado de rede atua como um sistema de ventilação inferior.

imgres-3

Fig. 1 — Exemplar de um estrado em malha de rede metálica

Portanto, o tipo de colmeia e, obviamente, o clima ambiente vai determinar se é necessário um sistema de ventilação ou isolamento que permita uma renovação mais rápida do ar saturado com humidade que se produz habitualmente no interior da colmeia.

Fontes consultadas:

  • Doul KM (1976) The effects of different humidities on the hatching of the eggs of honeybees. Apidologie 7 (1) 61-66
  • Ellis MB (2008) Homeostasis: Humidity and Water Relation in Honeybee Colony, Master Thesis (University of Pretoria)
  • Human H, Nicolson SW, Dietemann V (2006) Do honeybees, Apis mellifera scutellata, regulate humidity in their nest? Naturwissenschaften 93(8):397-401.
  • Tautz J (2008) The Buzz about Bees. Springer-Verlag, Berlin Heidelberg.
  • Winston ML (1987) The Biology of the Honey Bee. Harvard University Press, Cambridge Massachusetts.

 

Independentemente do tipo de estrado utilizado, acrescento estas orientações que têm ajudado as minhas abelhas a regular a humidade no ninho:

  • colocação das colmeias em assentos 15-30 cm acima do solo;
  • construir os assentos com uma ligeira inclinação descendente no sentido do alvado/entrada da colmeia;
  • substituir, particularmente no final do verão, as colmeias com rachas nas paredes, com a pintura estalada ou o óleo de linhaça já sumido, por outras devidamente restauradas;

imgres-4

Fig. 2 — Exemplo de um assento que protege as colmeias da humidade do solo

… e outras medidas que se justifiquem localmente, e que os companheiros desejem acrescentar.

de que morreu a minha colmeia…

O inverno é a estação mais crítica que a colónia de abelhas tem de ultrapassar. E, na verdade, algumas não a conseguem ultrapassar. Todo o apicultor que se vê confrontado com uma ou várias colónias mortas deve procurar fazer o diagnóstico post mortem. Este diagnóstico, se bem feito, é uma peça essencial para melhorar o seu maneio no futuro. Só sabendo as causas das perdas invernais ele estará em boas condições de as evitar no futuro. Deixo em baixo algumas pistas para fazerem este diagnóstico.

  • Se a colónia morreu por fome, encontra uma colmeia leve em peso e abelhas enfiadas de cabeça para baixo nos alvéolos (ver fig. em baixo).

fig-0610-600x450

  • Se a colónia morreu pelos danos causados pelo ácaro da varroa, encontra poucas abelhas, pequenas áreas de criação operculada e abelhas com asas deformadas (ver fig. em baixo).

20141008-0032-150x150

  • Se a colónia morreu porque a rainha chegou ao seu fim, encontra realeiras ou criação de zângãos(ver fig. em baixo).

search

  • Se a colónia morreu por humidade excessiva, encontra muito mofo nos quadros (ver fig. em baixo) e muita humidade condensada nas paredes interiores da colmeia e no fundo do estrado.

imgres-2

  • Se a colónia morreu por desinteria, encontra muitas manchas de resíduos fecais no topo dos quadros (ver fig. em baixo) e/ou na entrada da colmeia.

images-5

  • Se a colónia morreu por doença na criação, encontra sinais de loque americana (ver fig. em baixo), ou loque europeia.

imgres-1

  • Se a colónia morreu porque foi pilhada por outras abelhas encontra os alvéolos e opérculos ligeiramente mastigados ou roídos (ver fig. em baixo) e pequenos resíduos de cera no estrado e entrada da colmeia.

images-3

  • Se a colónia morreu pela acção dos roedores (ratos e outros), encontra os favos muito roídos (ver fig. em baixo), pedaços de favo no estrado e na entrada da colmeia, caganitas de rato no meio dos resíduos de cera, cheiro a urina do roedor no interior da colmeia.

images-4

A terminar sublinho que várias vezes se encontram sinais a apontar para diversas causas. Neste caso importa tentar destrinçar qual foi a causa primeira, a causa que fragilizou a colónia inicialmente. Foi esta a causa que permitiu o aparecimento e desenvolvimento dos outros problemas a jusante. Interessa-nos, no futuro, evitar a causa primeira. Estando esta resolvida, os outros danos têm menos oportunidade de se desenvolverem. Não sendo uma regra que deva ser aplicada a 100% dos casos, a varroa é geralmente a causa primeira de mortandade no inverno. Sobre os ombros de uma varroose deficientemente controlada surgem outros danos que, de forma oportunista, se aproveitam da fragilidade da colónia e lhe dão o golpe de misericórdia.

Esta lista de pistas não é exaustiva e pode ser completada com os vossos contributos. De apicultor e de detective todos temos um pouco!

a colocação de quadros de cera laminada no ninho

Os apicultores sabem que os quadros de cera laminados colocados no ninho da colmeia são rapidamente puxados quando a colmeia está em expansão e a rainha necessita de mais espaço para fazer postura. Quando as abelhas cerieiras encontram estes quadros nos ninhos iniciam prontamente a puxada da lâmina de cera. Aqueles que colocam quadros de cera laminada nas extremidades do ninho (posição 1 ou 10), na esperança de eles serem rapidamente puxados, vêm as suas expectativas frequentemente frustradas. As abelhas só os puxarão em último recurso, e muitas vezes apenas o puxam na face interior do quadro.

Sabendo isto coloca-se a questão da posição precisa onde deveremos colocar os quadros de cera laminada? Na extremidade da zona de postura? No seio da zona de postura, intercalando um ou mais quadros de cera laminada entre quadros de criação? A resposta é que depende.

O início da estação da puxada de ceras no ninho diverge de local para local, e até de ano para ano. Tomo como indício que as abelhas estão em condições de puxar cera dos quadros laminados quando noto no travessão superior dos quadros pequenos rebordos de cera clara. Nestas condições e quando a câmara de criação ainda não está densamente povoada com as abelhas a fazerem camadas sobrepostas e, ao mesmo tempo, as temperaturas ainda são relativamente baixas, o local mais aconselhado para colocar o quadro de cera laminada é no espaço imediatamente a seguir ao último quadro de cria. Mesmo existindo quadros puxados mais no exterior, o quadro de cera laminada nesta posição obrigará as abelhas a puxá-lo para manter a continuidade da criação.

Screen Shot 2016-01-30 at 17.29.56

Screen Shot 2016-01-30 at 17.31.08

Mais tarde na estação — quando a câmara de criação está a bem cheia com abelhas e as temperaturas estão mais altas —, os quadros de cera laminada podem ser intercalados no interior da câmara de criação. Nesta posição o quadro de cera será puxado e a rainha iniciará a ovodeposição daí a 4 a 5 dias.

Screen Shot 2016-01-30 at 17.31.32

Argumenta-se frequentemente que descontinuar a câmara de criação, intercalando quadros de cera laminada, provoca a criação de realeiras no lado onde a rainha fica ausente temporariamente. Estudos controlados, assim como a minha experiência, sugerem que isto não ocorre habitualmente a não ser que a colónia já estivesse a preparar a substituição da rainha.

Como em muitas outras coisas as operações e os maneios num sistema complexo como o ninho de uma colónia de abelhas, varia de apicultor para apicultor. Esta diversidade assenta em vários factores, um dos quais será o nível de risco com o qual o apicultor se sente confortável. No caso em questão o apicultor que deseje fazer um maneio muito prudente, poderá sempre colocar os quadros de cera laminada no exterior da zona de cria para evitar o desconforto que lhe provoca intercalar quadros de cera laminada no interior dos quadros com cria.