pms: parasitic mite syndrome (síndrome de parasitação pelo ácaro varroa)

 

Fig. 1: Ácaros Varroa alimentando-se da criação não selada.

PMS ou Parasitic Mite Syndrome é uma condição que faz com que uma colónia de abelhas enfraqueça e eventualmente morra. Ainda não foi detectado um patógeno que cause os sintomas que surgem com este síndrome. No entanto, existem sempre ácaros varroa presentes com este síndrome. Os sintomas na criação são semelhantes a outras doenças, mas as larvas não formam um filamento com o teste do palito. Colónias com PMS apresentam larvas brancas semi-devoradas pelas abelhas obreiras. As larvas podem aparecer afundadas e distorcidas nas paredes laterais do alvéolo. As pupas surgem  semi-devoradas e um bom número  são removidas do alvéolo. A maioria dos sintomas apresentados provém do trabalho efectuado pelas abelhas com funções higiénicas que tentam remover as larvas e pupas infestadas pelo ácaro varroa. Às vezes as larvas apresentam uma cor mais escura e isso é atribuído à decomposição ou acção de bactérias secundárias.

Fig. 2: Quando se começa a ver pupas com a cabeça devorada (em vários alvéolos), isso é um sinal de que os níveis do ácaro estão altos.

Sintomas:
• Padrão de criação irregular, ácaros varroa presentes nas abelhas adultas.
• Os ácaros muitas vezes podem ser vistos deslocando-se sobre os opérculos da criação selada.
• Os ácaros também podem ser encontrados sobre as larvas (geralmente as larvas apresentam-se distorcidas ou semi-devoradas).
• Número relativamente baixo de abelhas adultas (dependente do tempo decorrido com PMS).
• Grandes colónias apresentam estes sinais agravadas por altos níveis de varroa e frequentemente mostram um aumento da agressividade, falta de ovos e de larvas (devido a condições inadequadas para o seu desenvolvimento), mestreiros de substituição podem estar presentes, abelhas rastejando na entrada da colmeia e/ou abelhas com asas deformadas).

• Nenhum odor presente até as larvas semi-devoradas começarem a mudar de cor e decompor-se.

 

Fig. 3: Criação exibindo sinais de PMS. Este é um indicador de que a colónia não tem muito mais tempo de vida, a menos que a varroa seja controlada imediatamente. 

Fig. 4: Pupa semi-devorada, larva distorcida e um ácaro varroa escondido no fundo de um alvéolo.

Fig. 5: Tarde demais – esta colónia já entrou em colapso –  abelhas dispersas, ácaros e qualquer estirpe de vírus que matou a colónia podem ser transportadas para outras colmeias dentro do alcance do vôo. É esta dispersão que recompensa o monstro (PMS) por causar a morte de uma colónia no final da temporada.

Fig. 6:  É assim que se apresenta o PMS quando a população da colónia diminui. Não vereremos muitos ácaros presentes nesta fase do PMS; também haverá muito pouca criação presente na colónia. A população será pequena e poderemos ver várias mestreiros de substituição.
Nesta fase, o PMS é muito similar à Loque Européia, exceto que as larvas têm diferentes idades e não há uniformidade nos sintomas apresentados pela criação aberta.

Fontes

https://beeinformed.org/2013/10/15/parasitic-mite-syndrome-pms/

http://scientificbeekeeping.com/the-varroa-problem-part-17c/

Nota: Síndrome (do grego “syndromé”, cujo significado é “reunião”) é um termo bastante utilizado em Medicina e Psicologia para caracterizar o conjunto de sinais e sintomas que definem uma determinada patologia ou condição. (fonte: https://www.significados.com.br/sindrome/)

a nosemose em abelhas melíferas europeias: alguns aspectos introdutórios

Até alguns anos atrás a ocorrência na primavera de diarreia e abelhas rastejantes e semi-paralisadas, com dificuldades de voar era considerado um sinal típico da infestação conhecida como nosemose apis. Desde a entrada do novo milénio, este cenário mudou de forma significativa. Hoje, a nosemose raramente é acompanhado de diarreia, mas as abelhas rastejantes, trementes, com as asas em “K” ainda são encontradas em pequenos grupos à entrada da colmeia, e agora ao longo do ano. Uma “nova” forma de nosemose, originária da Ásia, substituiu esta e é conhecida como nosemose ceranae .

Mudança de hospedeiro na Ásia

Nosema apis é o parasita original da abelha apis mellifera. Este fungo multiplica-se nas paredes celulares (epiderme) do intestino médio de uma abelha e obstrui a produção de proteínas. A abelha asiática apis cerana é exclusivamente afetada por fungos da subespécie nosema ceranae.

Fig.1: A—aparelho do ferrão; B—recto; C—intestino pequeno; D—intestino médio. 

Na China, na década de 1970, o fungo nosema ceranae foi encontrado pela primeira vez em abelhas  apis mellifera ali introduzidas. Desde 1998, este “novo” parasita ” espalhou-se por todo o mundo e em pouco tempo tem vindo a ocupar o território antes ocupado pelo nosema apis. De acordo com exames efectuados no sul da Alemanha, a substituição ocorreu em cerca de dois anos, desde o início de 2003. Em locais com maior densidade de abelhas, a mudança foi mais rápida ainda.

Fig. 2: Com uma ampliação de 400x, os esporos ligeiramente menores de Nosema ceranae (4,4 x 2,2 μm, à esquerda) só se distinguem dos dos Nosema apis (5-7 x 3-4 μm) após medição meticulosa.

 

A análise a olho nú do intestino delgado

A análise a olho nú do intestino médio da abelha  pode ajudar no diagnóstico, mas nem sempre é conclusivo, em especial no caso de nosema ceranae.

Fig. 3:  Imagem do topo: intestino médio infestado, com cor creme leitosa. Imagem inferior: não infestado, com um meio ambiente transparente. (Fonte: Ritter, W. (2012) Bienen gesund erhalten (Mantendo as abelhas saudáveis) Ulmer Verlag. Stuttgart, Alemanha em alemão).

 

Fig. 4 : Imagem do intestino de uma abelha com suspeita de estar muito infestado pelos esporos do nosema apis (foto gentilmente cedida por Sérgio Gonçalves)

fonte principal: http://www.beeculture.com/practical-beekeeping-beekeeping-with-the-new-parasite/

morte de uma colónia de abelhas por varroa: foto-filme

Com mais frequência que a desejável, a meio do inverno, surgem nos apiários colónias de abelhas como as em baixo descritas através deste foto-filme. Apicultores menos experientes poderão interrogar-se acerca do factor que determinou o curso dos acontecimentos. Neste post e com ajuda de imagens reais espero ajudar a fazer um diagnóstico post-mortem. Este diagnóstico ajudará a fazer diferente e melhor no futuro, para evitar ou minimizar a possibilidade destes eventos voltarem a assombrar-nos.

Fig. 1: Colónia com um punhado de abelhas mortas no travessão superior dos quadros, num dia frio de inverno.

 

Fig. 2: Colónia com um punhado de abelhas mortas no topo dos quadros e muito pouca criação fechada e muito dispersa.

 

Fig. 3: Colónia com um punhado de abelhas mortas no topo do quadro e com uma abelha com uma varroa no dorso.

 

Fig. 4: Colónia com um conjunto pequeno de abelhas mortas no fundo da colmeia.

 

Até a este momento do foto-filme, ainda que as suspeitas se avolumem, não podemos assegurar com elevada confiança que a causa da morte foi a varroose. Falta uma peça importante, a foto em baixo.

Fig. 5: Quadro com muito pontos brancos colados  às paredes dos alvéolos (excreções das varroas); abelhas a emergirem do alvéolo com a língua estirada; um ou outro alvéolo disperso com abelhas por eclodir.

Quando encontrarmos este lamentável filme nos nossos apiários, a conclusão de que foi a varroose que esteve na origem da debilidade que conduziu à morte da colónia não nos deve colocar a mais pequena dúvida.

as varroas não são vampiros, são lobos

Esta apresentação garantiu a Samuel Ramsey um prémio para continuar a levar a cabo a sua investigação em torno do que consomem exactamente as varroas quando parasitam as abelhas adultas.

Como diz este candidato a uma bolsa de doutoramento na área da entomologia houve na comunidade científica e na comunidade de apicultores uma verdade axiomática, que se aceitou ao longo de décadas, de que as varroas se alimentavam da hemolinfa/sangue das abelhas.

A investigação até agora realizada por este jovem aponta noutro sentido: as varroas alimentam-se da gordura que se encontra armazenada no zona inferior do abdómen das abelhas. Esta zona conhecida como “corpo gordo” para além de constituir uma reserva de nutrientes tem outras funções de enorme relevância, como por exemplo: desintoxicadora de pesticidas; reguladora dos níveis hormonais; resposta imunitária de primeiro nível; entre as nove funções já conhecidas.

Samuel Ramsey verificou ainda que varroas alimentadas só com hemolinfa/sangue morriam mais rapidamente e produziam um pequeno número de ovos. Já as varroas alimentadas com a gordura do “corpo gordo” das abelhas sobreviveram mais tempo e produziram seis vezes mais ovos.

O próximo passo desta investigação será procurar introduzir no “corpo gordo” das abelhas algo que possa interromper o ciclo reprodutivo das varroas sempre que estas ali procurarem o seu alimento. Uma espécie de caldo com pozinhos amarelos. Mais uma luz que parece abrir-se ao fundo de um longo e tortuoso túnel.

loque americana: a resistência dos esporos

A loque americana é uma doença bacteriana produzida pela bactéria Paenibacillus larvae, que ocorre em duas fases, uma bacilar em que se reproduz e outra esporular que lhe permite manter-se latente e defender-se das agressões externas. O perigo da loque americana está precisamente nestes esporos que são muito resistentes e difíceis de eliminar. A melhor imagem que me ocorre é a de um tanque com uma carapaça muito dura.

Estes esporos têm tolerância a temperaturas muito altas, resistem 30 minutos a 100 graus e 15 minutos a 120 graus. Resistem à ação de desinfetantes químicos, como cloro, produtos à base de iodo e radiação ultravioleta durante 20 minutos de exposição. Além disso, de acordo com as condições de conservação, eles podem sobreviver no meio ambiente durante muito tempo, e somente após 30 anos começam a mostrar uma diminuição na viabilidade. Infelizmente são máquinas quase perfeitas de perpetuação do seu ADN.

loque americana: um programa de acção para todos nós

Vou assumir neste post que todos nós somos capazes de identificar a loque americana e, mais arrojado ainda, todos estamos dispostos a fazer o melhor possível para resolver este problema quando ele surge nas nossas colmeias.  Tendo assumido a competência e a motivação (num mundo ideal claro) para erradicar a loque americana dos nossos apiários, resta-me deixar muito claro o que se deve fazer quando somos confrontados com este problema sanitário.

Fig. 1: Utilização do teste do palito para fazer de forma expedita o diagnóstico de loque americana

Como ponto de partida importa-nos reconhecer o seguinte: para a loque americana ainda não existe nenhum antibiótico verdadeiramente eficaz; a loque americana é uma doença extremamente infecciosa e que urge o mais rapidamente possível erradicar completamente. Os antibióticos utilizados não eliminam o problema, apenas o mascaram. O foco irá persistir através dos esporos e mais tarde ou mais cedo expandir-se a outras colmeias do apiário e colmeias de apiários vizinhos.

Para quem quer impedir o alastramento do contágio e assim preservar as suas colmeias e as colmeias dos vizinhos só tem um caminho: eliminar pelo fogo as fontes de loque americana. Isso implica matar as abelhas e queimar tudo: abelhas, quadros e caixas num buraco aberto no solo que depois deve ser bem coberto com terra para evitar que as abelhas nas redondezas se infectem em alguns restos mal queimados. Só o fogo elimina os esporos da loque americana, os antibióticos não o conseguem fazer.

Quem trata a loque americana com medicamentos está a iludir-se porque não elimina devidamente os esporos e ainda acaba por contaminar o seu mel e, eventualmente, o mel dos seus vizinhos. Na tentativa vã de salvar um ou mais enxames com a utilização de antibióticos pode estar a colocar em causa a sanidade/conformidade de centenas ou milhares de quilogramas de mel. A este propósito leia-se o que o especialista Miguel Maia escreve:

“A introdução de antibióticos no mel inicia-se com o intuito do apicultor prevenir /controlar as loques. As boas práticas indicam que no caso de loque americana, as colmeias devem ser destruídas em detrimento do controlo por antibióticos. […] Durante o armazenamento do mel, os antibióticos são estáveis e, mesmo que exista a sua degradação, os produtos de degradação são detectados. Devido à má utilização dos antibióticos, muitos lotes de mel podem ser rejeitados no comércio provocando enormes prejuízos na apicultura.” fonte: Os antibióticos no mel, Miguel Maia, Engº Zootécnico.

contagem de varroas foréticas: instrumentos, procedimentos e cálculos

Estes três vídeos apresentam-nos de forma rápida e esclarecedora 3 técnicas, os instrumentos, os procedimentos e os cálculos para proceder à estimativa da infestação das abelhas adultas pelo varroa.

Os limiares para a decisão de tratar situam-se, no meu caso, entre os 2% e 3% de infestação das abelhas adultas (ver aqui).

Os vídeos estão legendados em francês e qualquer dúvida que tenham acerca do seu conteúdo utilizem por favor os comentários para as colocarem. Procurarei responder rápida e claramente às vossas dúvidas.

o vírus das asas deformadas e abelhas de inverno

20141008-0032-150x150

Fig. 1:  Abelha infectada com o vírus das asas deformadas

O vírus das asas deformadas (VAD) é um vírus comum nas colónias de abelhas melíferas, amplamente distribuído e intimamente associado com os ácaros varroa. A prevalência do VAD nas colónias de abelhas melíferas está diretamente ligado à infestação pela varroa. Nas colónias fortemente infestadas pela varroa, quase 100% das abelhas obreiras podem estar infectados com o VAD, mesmo que estas não apresentem sintomas. O VAD está fortemente associado à mortalidade de colónias no inverno. O controle do VAD é geralmente conseguido com o tratamento contra a varroa. Após o tratamento eficaz o apicultor assiste a uma diminuição gradual do VAD umas vez que as abelhas infectadas são substituídas por outras saudáveis. O VAD pode ser encontrado em todas as castas e nas diversas fases da vida das abelhas. O VAD também é transmitida através de alimentos, fezes, da rainha para os ovos e a partir dos zângãos para a rainha.

search

Fig. 2: Criação afectada pelo ácaro da varroa e pelo VAD (as larvas distorcidas nos alvéolos podem confundir o apicultor e levá-lo a pensar estar na presença de loque europeia dada a semelhança dos sintomas apresentados pelas larvas).

Os sintomas observados em infecções agudas incluem a morte precoce de pupas, asas deformadas, abdómen atrofiado, descoloração da cutícula das abelhas adultas, que chegando a nascer morrem dentro de poucos dias, fazendo com que a colónia possa eventualmente entrar em colapso num período muito curto de tempo, podendo ser confundido com o famoso Colapso/Despovoamento súbito de colmeias.

O VAD também pode ainda afetar a agressividade das abelhas assim como a memória e aprendizagem de comportamentos nas abelhas adultas. Para que o apicultor possa minimizar a presença e todos os efeitos perniciosos do VAD nas suas colmeias só tem uma saída no momento actual da ciência: diminuir para níveis muito baixos a infestação pelo ácaro varroa. Mais, a infestação da varroa deve ser reduzida nas colónia antes que produzam as abelhas de inverno, o que requer um bom timing de controle da varroose nos apiários. Nas regiões interiores do nosso país as abelhas de inverno são criadas, em regra, nos meses de Agosto a Outubro. Estes 2 a 3 meses requerem ao apicultor uma vigilância e atenção grandes em torno dos níveis de infestação pelo ácaro varroa pré e pós-tratamento. Só as colónias com baixos índices de infestação pela varroose nestes meses conseguirão ultrapassar os invernos típicos no interior do nosso país.

fonte principal: Honey Bee Viruses, the Deadly Varroa Mite Associates

a reprodução da varroa nos meses de fevereiro a agosto

Começando por alguns factos e concluindo com um cenário ou uma projecção com base nos factos:

Os factos:

Um ciclo de reprodução de varroas produz, pelo menos, 1,45 novas fêmeas se criadas em larvas de obreira; pelo menos 2,2 novas fêmeas  se criadas em larvas de zângãos, larvas mais atraentes para a varroa.

A reprodução da varroa ocorre nos alvéolos fechados/operculados e dura 12 ou 14 dias, se em larvas de obreiras ou de zângãos respectivamente. A maioria das varroas sexualmente maduras apresentam 3 ou 4 ciclos reprodutivos sucessivos durante a sua vida.

A duração da fase forética entre 2 ciclos reprodutivos é variável. Uma fêmea nova amadurece durante 7 dias, em média, na sua primeira fase forética (mínimo de 5 até 14 dias) antes de infestar uma larva e levar a cabo o seu primeiro ciclo reprodutivo. Muito importante: no entanto, a fase de forética não é vital, e subsequentemente passa a depender, principalmente, da disponibilidade de larvas próximas a ser infestadas e na fase adequadas do seu desenvolvimento.

O tempo de vida útil do parasita é adaptado ao ciclo de vida da abelha. Uma fêmea pode viver entre 1 e 2 meses no verão e entre 6 a 8 meses durante o inverno, na ausência de criação.

Infestação: na temporada apícola, as larvas de zângão são muito mais fortemente infestadas do que as larvas de obreiras (8 a 10 vezes mais). O impacto e nível de infestação é, portanto, menos perceptível, exceto quando a criação de zângãos diminui, provocando, assim, uma transferência em massa da população das varroas em direção à criação de obreiras, o que tem um impacto súbito numa única geração de obreiras e pode levar ao colapso da colmeias quando o nível de infestação é muito alto (facto de importância crítica, nunca o esquecer).

(fonte: http://www.veto-pharma.com/products/varroa-control/about-varroa-mites/)

Agora o cenário…

Começando com uma varroa na nossa colmeia a 1 de Fevereiro, no dia 12 fevereiro temos a mãe e mais uma filha. No dia 1 de março (5 dias na fase forética e 12 dias a reproduzir-se nas larvas das obreiras), temos as duas mães e mais duas filhas, 4 no total. Se considerarmos que a mãe original está no fim da vida passados estes 30 dias temos 3 varroas na nossa colmeia. Antes do início da temporada de criação de zângãos a varroa triplica os seus números a cada trinta dias (perspectiva conservadora).

Mas em abril as nossas colmeias começam a criar zângãos e as 3 varroas vão desenvolver a sua prole nesta casta de larvas. Tudo se irá acelerar. Passados 19 dias (5 dias da fase forética e 14 nas larvas de zângão) as três varroas presentes no início de abril deram origem a 6 novas filhas. Temos agora nove varroas na nossa colmeia. Num período de 19 dias o número de varroas triplicou. Por volta de 8 de maio temos cerca de 30 varroas. Antes do final de maio temos entre 90 e 100 varroas. A quinze de junho o número voltou a triplicar e chegamos às 300 varroas. No início de Julho estamos a chegar às 1000 varroas. 3000 varroas será o número aproximado cerca de 20 de Julho. Por volta de 10 de Agosto estamos a chegar a 10 000 varroas.

Os números não enganam: numa população de 50 000 abelhas no início de Julho temos 2% de infestação. Percentagem tolerável mas que coloca as nossas colmais à beira de um aumento crítico das varroas num período de pouco mais de um mês, mês em que geralmente andamos muito ocupados com a cresta do mel para nos apercebermos.  Se nada fizermos entre o início de Julho e meados de Agosto a percentagem de infestação muito provavelmente irá atingir os 20%. Nesta altura temos uma colmeia à beira de colapsar pelo contributo negativo dado por vários factores:

  1. temos um ácaro em cada uma de 5 abelhas;
  2. os ácaros preferem as abelhas nutrizes e portanto não será extravagante pensar que uma em cada duas abelhas nutrizes transportam uma varroa;
  3. estes ácaros esperam o momento oportuno para se introduzirem nos alvéolos e podem encurtar a fase forética para menos do que os 5 dias que habitualmente são referidos na literatura;
  4. a criação de zângãos está reduzida e assistimos à transferência massiva dos ácaros para a criação de obreira;
  5. a postura das rainhas e a criação tem vindo a decrescer regularmente desde o solstício de verão em muitas regiões do nosso país…
  6. todos estes factores criam as condições para que 50% a 75 % do próximo ciclo de novas abelhas surjam de larvas parasitadas.