acaricidas homologados em Portugal

A DGAV é a autoridade portuguesa que tem em mãos a responsabilidade de homologar os acaricidas a utilizar na luta contra a doença das abelhas conhecida como varroose.

Nesta hiperligação podem consultar uma lista quase completa dos acaricidas homologados à data de hoje: http://www.apiset.pt/docs/MUV_autorizados.pdf

Nesta hiperligação surge o acaricida mais recentemente homologado pela DGAV, e que não se encontra ainda na lista anterior:  http://www.melvag.com/blog/api-bioxal-novo-tratamento-homologado-contra-a-varroa/

Como facilmente se constata a lista compreende 5 marcas de tratamentos não-convencionais ou orgânicos, a saber: MAQS; Apilife VAR; APIGUARD; THYMOVAR e Api-Bioxal.

Os tratamentos convencionais ou sintéticos presentes na lista são de 4 marcas, a saber: APITRAZ; APIVAR; Apistan e Bayvarol.

Uma primeira consideração que desejo fazer acerca desta lista diz respeito à diversidade de princípios activos disponíveis, o que dá boas garantias e oportunidade ao apicultor para fazer a adequada rotação de princípios ativos, por forma a evitar ou minimizar os efeitos do surgimento de varroas resistentes.

Uma segunda observação, que com toda a justiça entendo dever fazer, é que a mortalidade de colmeias por via da varroa não se deve à falta de oferta na escolha de acaricidas homologados. Vamos a ser francos, a mortalidade das colmeias resulta, na grande maioria dos casos, do desconhecimento e/ou incúria do apicultor. Na minha opinião, o argumento dos elevados custos dos tratamentos homologados não colhe, uma vez que a grande maioria dos apicultores associados podem adquirir os mesmos a preços muito mais baixos que o preço de 1 Kg de mel.

de que morreu a minha colmeia…

O inverno é a estação mais crítica que a colónia de abelhas tem de ultrapassar. E, na verdade, algumas não a conseguem ultrapassar. Todo o apicultor que se vê confrontado com uma ou várias colónias mortas deve procurar fazer o diagnóstico post mortem. Este diagnóstico, se bem feito, é uma peça essencial para melhorar o seu maneio no futuro. Só sabendo as causas das perdas invernais ele estará em boas condições de as evitar no futuro. Deixo em baixo algumas pistas para fazerem este diagnóstico.

  • Se a colónia morreu por fome, encontra uma colmeia leve em peso e abelhas enfiadas de cabeça para baixo nos alvéolos (ver fig. em baixo).

fig-0610-600x450

  • Se a colónia morreu pelos danos causados pelo ácaro da varroa, encontra poucas abelhas, pequenas áreas de criação operculada e abelhas com asas deformadas (ver fig. em baixo).

20141008-0032-150x150

  • Se a colónia morreu porque a rainha chegou ao seu fim, encontra realeiras ou criação de zângãos(ver fig. em baixo).

search

  • Se a colónia morreu por humidade excessiva, encontra muito mofo nos quadros (ver fig. em baixo) e muita humidade condensada nas paredes interiores da colmeia e no fundo do estrado.

imgres-2

  • Se a colónia morreu por desinteria, encontra muitas manchas de resíduos fecais no topo dos quadros (ver fig. em baixo) e/ou na entrada da colmeia.

images-5

  • Se a colónia morreu por doença na criação, encontra sinais de loque americana (ver fig. em baixo), ou loque europeia.

imgres-1

  • Se a colónia morreu porque foi pilhada por outras abelhas encontra os alvéolos e opérculos ligeiramente mastigados ou roídos (ver fig. em baixo) e pequenos resíduos de cera no estrado e entrada da colmeia.

images-3

  • Se a colónia morreu pela acção dos roedores (ratos e outros), encontra os favos muito roídos (ver fig. em baixo), pedaços de favo no estrado e na entrada da colmeia, caganitas de rato no meio dos resíduos de cera, cheiro a urina do roedor no interior da colmeia.

images-4

A terminar sublinho que várias vezes se encontram sinais a apontar para diversas causas. Neste caso importa tentar destrinçar qual foi a causa primeira, a causa que fragilizou a colónia inicialmente. Foi esta a causa que permitiu o aparecimento e desenvolvimento dos outros problemas a jusante. Interessa-nos, no futuro, evitar a causa primeira. Estando esta resolvida, os outros danos têm menos oportunidade de se desenvolverem. Não sendo uma regra que deva ser aplicada a 100% dos casos, a varroa é geralmente a causa primeira de mortandade no inverno. Sobre os ombros de uma varroose deficientemente controlada surgem outros danos que, de forma oportunista, se aproveitam da fragilidade da colónia e lhe dão o golpe de misericórdia.

Esta lista de pistas não é exaustiva e pode ser completada com os vossos contributos. De apicultor e de detective todos temos um pouco!

nenhum efeito negativo da exposição prolongada ao amitraz

Em Julho de 2015, no American Bee Journal, Randy Oliver (Scientific Beekeeping.com) lançava estas questões aos leitores: “Porque se ouve falar de taxas elevadas de perda de rainhas e baixa capacidade de sobrevivência das colónias nos dias de hoje? Poderá ter algo a ver com os efeitos sub-letais do amitraz, um acaricida comumente usado?”

Quem está familiarizado com o trabalho de Randy Oliver, sabe que ele, para além de apicultor profissional, tem por hábito e gosto fazer um conjunto de investigações próprias, devidamente controladas, acerca de problemas com os quais os apicultores se vão confrontando no dia-a-dia. Estas investigações, realizadas de forma muito regular, são uma fonte de ensinamentos e reflexões muito valiosa, o que lhe tem granjeado uma enorme estima e uma reputação inabalável junto da comunidade de apicultores dos EUA.

imgres

Fig. 1 — Randy Oliver analisando um quadro

Voltando aos eventuais efeitos da utilização do Apivar (que tem como princípio activo o amitraz) nas colónias de abelhas, em especial os efeitos sub-letais dos metabolitos (designados por alguns de nós como “moléculas alien”), Randy Oliver não foi no “diz que disse” e decidiu testar e investigar seriamente, de forma controlada, os mesmos. Transcrevo/traduzo de seguida o que ele escreve a título de introdução e discussão deste seu estudo (fonte consultada: http://scientificbeekeeping.com/no-negative-effect-from-extended-exposure-to-amitraz/).

“Introdução

Na primavera passada eu realizei um teste de campo, a fim de determinar se o tratamento de núcleos com tiras de Apivar (o princípio activo é o amitraz) afetaria o seu desenvolvimento. Os resultados (não houve nenhum efeito negativo observável) foram publicadas neste Jornal em outubro de 2014. Mas por essa altura eu já tinha lido mais acerca do amitraz, e estava curioso de saber se os seus resíduos (principalmente os seus metabolitos) teriam um efeito adverso sobre a colónia ou a saúde rainha e a sua sobrevivência. Como eu já tinha 36 colónias que tinham sido anteriormente expostas ao tratamento com Apivar, decidi continuar o teste para ver se surgiam efeitos a longo prazo, com a utilização prolongada das tiras de Apivar. […]

Discussão

Apesar de continuamente expostos às tiras de libertação lenta de amitraz (as tiras de Apivar foram colocadas continuadamente três vezes e ao longo de 8 meses), não encontrámos nenhuma diferença no desenvolvimento destas colónias, na sua sobrevivência à invernagem, ou na capacidade de sobrevivência das rainhas devido ao tratamento, quando comparadas com o nosso grupo de controle. Verificámos também que o Apivar é eficaz no controlo dos níveis de varroa. Embora eu não tenha podido confirmar os níveis de resíduos reais de amitraz ou metabolitos nos favos, por análise química, a minha outra pesquisa anterior sugere que os níveis terão sido substanciais, com base na elevada e prolongada taxa de exposição às tiras e considerando o número de quadros cobertos pelas abelhas durante a realização do teste. Os resultados destes dois ensaios combinados indicam que o tratamento com Apivar à taxa recomendada pelo fabricante parece ser uma ferramenta segura e eficaz para a gestão da varroa.”

 

A minha experiência pessoal com o Apivar tem sido muito positiva. Contudo é um tratamento que não faz milagres! Algum fará? Já tive algumas colmeias que morreram por causa da varroa depois de tratadas com Apivar. Sim, é verdade que sim! Sempre que coloquei as tiras tarde demais e/ou quando as não ajustei devidamente à câmara de criação, a meio do tratamento, em especial no tratamento de fim de verão, algumas colmeias não aguentaram com os meus erros. A responsabilidade foi minha, não foi das tiras, e seguramente não foi por ter varroas resistentes ao princípio ativo. Como não faço tudo bem, tenho por hábito olhar primeiro para mim e procuro descortinar onde falhei, para amanhã rectificar e melhorar o que há a melhorar. Contudo, parece-me por aquilo que vou ouvindo, que há outros companheiros que fazem tudo bem, e quando a varroa lhes mata as suas colmeias, responsabilizam as tiras que aplicaram ou, se não são as tiras, são as varroas que já são resistentes a este mundo e ao outro. A minha realidade é semelhante à descrita pelo Randy Oliver e isso dá-me muita tranquilidade porque não estou a lidar com nenhuma realidade ou factos “alien”, de outro mundo. Tudo é deste mundo!

a colocação de quadros de cera laminada no ninho

Os apicultores sabem que os quadros de cera laminados colocados no ninho da colmeia são rapidamente puxados quando a colmeia está em expansão e a rainha necessita de mais espaço para fazer postura. Quando as abelhas cerieiras encontram estes quadros nos ninhos iniciam prontamente a puxada da lâmina de cera. Aqueles que colocam quadros de cera laminada nas extremidades do ninho (posição 1 ou 10), na esperança de eles serem rapidamente puxados, vêm as suas expectativas frequentemente frustradas. As abelhas só os puxarão em último recurso, e muitas vezes apenas o puxam na face interior do quadro.

Sabendo isto coloca-se a questão da posição precisa onde deveremos colocar os quadros de cera laminada? Na extremidade da zona de postura? No seio da zona de postura, intercalando um ou mais quadros de cera laminada entre quadros de criação? A resposta é que depende.

O início da estação da puxada de ceras no ninho diverge de local para local, e até de ano para ano. Tomo como indício que as abelhas estão em condições de puxar cera dos quadros laminados quando noto no travessão superior dos quadros pequenos rebordos de cera clara. Nestas condições e quando a câmara de criação ainda não está densamente povoada com as abelhas a fazerem camadas sobrepostas e, ao mesmo tempo, as temperaturas ainda são relativamente baixas, o local mais aconselhado para colocar o quadro de cera laminada é no espaço imediatamente a seguir ao último quadro de cria. Mesmo existindo quadros puxados mais no exterior, o quadro de cera laminada nesta posição obrigará as abelhas a puxá-lo para manter a continuidade da criação.

Screen Shot 2016-01-30 at 17.29.56

Screen Shot 2016-01-30 at 17.31.08

Mais tarde na estação — quando a câmara de criação está a bem cheia com abelhas e as temperaturas estão mais altas —, os quadros de cera laminada podem ser intercalados no interior da câmara de criação. Nesta posição o quadro de cera será puxado e a rainha iniciará a ovodeposição daí a 4 a 5 dias.

Screen Shot 2016-01-30 at 17.31.32

Argumenta-se frequentemente que descontinuar a câmara de criação, intercalando quadros de cera laminada, provoca a criação de realeiras no lado onde a rainha fica ausente temporariamente. Estudos controlados, assim como a minha experiência, sugerem que isto não ocorre habitualmente a não ser que a colónia já estivesse a preparar a substituição da rainha.

Como em muitas outras coisas as operações e os maneios num sistema complexo como o ninho de uma colónia de abelhas, varia de apicultor para apicultor. Esta diversidade assenta em vários factores, um dos quais será o nível de risco com o qual o apicultor se sente confortável. No caso em questão o apicultor que deseje fazer um maneio muito prudente, poderá sempre colocar os quadros de cera laminada no exterior da zona de cria para evitar o desconforto que lhe provoca intercalar quadros de cera laminada no interior dos quadros com cria.

termorregulação numa colmeia: alguns aspectos

Sabemos que as abelhas, em condições normais, são capazes de manter constante a temperatura interior da colmeia assim como um grau de humidade próximo da saturação.

No verão, com dias em que as temperaturas rondam frequentemente os 40ºC, as obreiras promovem a ventilação da colmeia colocando-se, estrategicamente, na rampa de vôo a bater energicamente as asas. Esta acção contribui para a evaporação da água contida no néctar e no mel desoperculado e, simultaneamente, para o refrescamento do ar no interior da colmeia. Quando tal acção não é suficiente um número apreciável de abelhas sai para o exterior da colmeia formando a conhecida “barba”.

images

Fig. 1 — Abelhas à entrada de uma colmeia a fazerem a “barba” num dia quente

No inverno, o esforço das abelhas é dedicado a manter a sua temperatura corporal superior à do ambiente externo. As abelhas cuja temperatura corporal desce abaixo dos 9º-11º C ficam paralisadas e entram no chamado coma por esfriamento, ficando incapacitadas de se alimentar, acabando por morrer. Em Portugal encontramos regiões, sobretudo no interior centro e norte, com dias seguidos em que as temperaturas atmosféricas rondam os 0ºC. As abelhas, nestas circunstâncias, mantêm as temperaturas corporais formando o cacho invernal, agrupamento denso de abelhas em várias camadas sobrepostas. O enxame ou super-organismo consegue, com este comportamento colectivo, manter a temperatura corporal dos seus indivíduos entre os 13ºC e 20ºC. O mecanismo pelo qual as abelhas conseguem esta façanha é conhecido, e passa por uma sequência de etapas, que se inicia pela ingestão do mel presente na colmeia, a combustão do mesmo no seu corpo, o movimento intenso dos músculos das asas, a geração de calor corporal tão necessário ao aquecimento das abelhas e do cacho de abelhas, que se forma no interior da colmeia sempre que as temperaturas no exterior baixam a 10ºC ou menos.

images-1

Fig. 2 — Vista de topo do cacho invernal numa colónia de abelhas 

Nos invernos mais rigorosos, em muitas zonas do interior do nosso país, as rainhas param a postura. Nesta condição o enxame não necessita de manter uma temperatura no cacho acima dos 13-20ºC. O consumo de mel é baixo, porque o isolamento térmico conseguido pela estrutura do cacho invernal, com uma reduzida superfície externa, diminui as perdas de calor.

Isto num outono-inverno como manda a tradição.

menos abelhas consomem mais…

Quanto consomem as nossas abelhas no período de escassez? Será que têm reservas em quantidade suficiente? Imagino que estas questões e outras do género passem pela cabeça de todos nós com alguma frequência nestes dias frios em que, semana após semana, não abrimos as nossas colmeias para verificar o nível de reservas disponíveis.

Um artigo de John Harbo, o pai das rainhas VSH (Varroa Sensitive Hygiene), refere o consumo de mel diário por abelha, obtido com base nos dados que recolheu numa das suas investigações (fonte: Worker-Bee Crowding Affects Brood Production, Honey Production and Longevity of Honey Bees, 1993).

k11138-1i

Fig. 1 — John Harbo preparando uma rainha para ser inseminada artificialmente

John Harbo verificou que o consumo diário varia um pouco, dependendo da densidade da população na colmeia. Para colmeias mais densamente povoadas, o consumo diário é aproximadamente de 7 mg por abelha. Para colmeias menos densamente povoadas, o consumo diário por abelha ultrapassa um pouco os 12 mg.

Para estarmos em condições de fazer os cálculos do consumo por colmeia, temos que estimar o número aproximado de abelhas por colmeia. Aceitando como correcta a estimativa de que um quadro bem coberto de abelhas comporta 1000 abelhas em cada uma das suas faces (ver http://www.dave-cushman.net/bee/beesest.html), obtemos os elementos necessários à nossa contabilidade.

Proponho 3 cenários diferentes para esta altura do ano (e nos meus apiários na beira interior): um para uma colmeia forte, outro para uma colmeia média e um terceiro para uma colmeia fraca.

Colmeia forte) – colmeia com 12000 abelhas que cobre 6 quadros de abelhas: 12000 x 7 mg = 84 gr/dia, isto é, uma colmeia com cerca de 12000 abelhas consome 588 gr/semana e 2520 gr/mês;

Colmeia média) colmeia com 9000 abelhas que cobre ente 4 e 5 quadros de abelhas: 9000 x 10 mg = 90 gr/dia, isto é, uma colmeia com cerca de 9000 abelhas consome 630 gr/semana e 2700 gr/mês;

Colmeia fraca) colmeia com 7000 abelhas que cobre 3 a 4 quadros de abelhas: 7000 x 13 mg = 91 gr/dia, isto é, uma colmeia com cerca de 7000 abelhas consome 637 gr/semana e 2730 gr/mês.

Espero que estes cálculos vos possam ser úteis e alertem para que, às vezes, menos é mais.

Tendo em conta que cada caso é um caso, pois que na apicultura raramente 2+2=4, e que a apicultura é sempre local, cada um de nós deve ter presente que se as abelhas perdoam muitos dos nossos erros, sem alimento é que elas não passam!

equalização de colónias de abelhas

A equalização de colmeias permite atingir vários objectivos em simultâneo, e era uma das ferramentas muito utilizada pelo irmão Adam, na abadia de Buckfast, para atingir elevadas produções nas suas colmeias.

imgres

Fig.1 — “Brother” Adam a inspeccionar uma colmeia, com a velha abadia de Buckfast ao fundo

De uma forma sumária, a equalização de colónias de abelhas consiste em fortalecer as colmeias mais despovoadas à saída do inverno, fornecendo-lhes quadros com criação operculada prestes a nascer ou abelhas, sobretudo abelhas jovens ou ambos os recursos simultaneamente.

Que colmeias fortalecer? Como já foi referido são as colmeias mais despovoadas. Contudo, nem todas as colmeias justificam este esforço e este custo. Só faço esta equalização em colmeias saudáveis, com rainhas com um bom padrão de postura e com uma razoável massa crítica, isto é, com 4 a 5 quadros bem cobertos por abelhas.

Nos meus apiários da beira alta, no final do inverno, ou seja, na primeira quinzena de março, uma colónia com 7 a 8 ou mais quadros cobertos com abelhas e pelo menos 4 quadros com boas áreas de criação é considerada uma colónia forte. Pelo contrário, uma colónia com 4 a 5 quadros de abelhas é classificada como uma colmeia susceptível de ser “apoiada”.

A partir de meados de abril, nas terras baixas da beira alta onde tenho parte dos apiários, uma colónia forte terá 10 a 15 quadros cobertos com abelhas e, pelo menos, seis quadros repletos de criação, com muitas forrageiras a fazer os seus vôos e a fazer crescer as reservas de pólen e de néctar. Pelo contrário, uma colónia com 6 a 8 quadros coberto com abelhas e 3 a 4 quadros de criação é classificada como uma colmeia susceptível de ser “apoiada”.

imgres-1

Fig.2 — Colmeia forte que pode ser utilizada como doadora

Vantagens da equalização para o apicultor

  • Obtém colónias mais ou menos iguais em força para o fluxo de néctar;
  • Estimula as colónias menos povoadas e não afeta as colónias doadoras, pois estas rapidamente recuperam;
  • É um método eficaz de prevenção da enxameação, porque reduz o congestionamento nos enxames mais populosos;
  • Contribui para uma maior produção de mel;
  • Contribui para que todas as colónias se tornem produtivas;
  • Minimiza a possibilidade de pilhagem no apiário.

Desvantagens da equalização

  • Pode transmitir doenças e ácaros entre colónias no apiário;
  • Pode causar esfriamento da criação se não for feita com cuidado.

O apicultor deve ter um grande cuidado para não distribuir quadros com criação e abelhas a partir de colónias doentes. Deve verificar sempre se as colónias não apresentam sinais de doença antes da equalização.  A concluir, deve ter cuidado para não colocar muita criação em colónias fracas, pois estas não conseguirão dispor de abelhas em número suficiente para manter a criação quente durante as noites mais frias, ainda frequentes na primeira metade da primavera no interior do nosso país.

a expressão do impulso sexual nas abelhas

Walter Wright, conhecido apicultor norte-americano, pai da técnica checkerboarding, faleceu há poucos dias atrás. Como forma de o relembrar, aproveito este momento para divulgar as suas ideias, muito próprias, acerca do fenómeno enxameação. Um dos textos mais provocadores (no sentido de provocar a nossa reflexão) que lhe conheço intitula-se Is it Congestion (fonte http://www.beesource.com/point-of-view/walt-wright/is-it-congestion/) e do qual vou traduzir alguns excertos.

walt-wright

Walter Wright

“A mentalidade desculpadora é a minha frase para classificar a teoria de que a enxameação é “causada” pelo congestionamento, e de que a grande aglomeração de abelhas limita a distribuição da feromona da rainha. A limitação da distribuição da feromona da rainha é considerada como o ponto de partida na criação de realeiras.  A intenção deste artigo é mostrar que esta teoria da “congestão do ninho” não resiste a uma análise atenta.

Temos visto colónias de enxames que não estão muito congestionadas de abelhas e que enxameiam e, inversamente, colónias muito congestionadas que não enxameiam.  O congestionamento do ninho surge de duas formas. Uma através de uma grande aglomeração de abelha, que é o que associamos frequentemente ao termo. Um segundo tipo de congestionamento é provocado pelo armazenamento de reservas, pólen e mel, no espaço que tinha sido anteriormente usado para a criação. O néctar é usado para reduzir a área disponível para a criação antes de se iniciar a construção de realeiras. Se o néctar não abunda no campo, a colónia, por vezes, usa o pólen para iniciar a redução da câmara de criação.

Existem dois tipos principais de enxames gerados na estação da primavera. O enxame reprodutivo, que é anterior e menor do que o enxame derivado da superlotação de abelhas. Para se construir uma população de abelhas a um nível intolerável demora-se um pouco mais e o enxame é geralmente maior. A literatura não faz distinção entre estes dois tipos de enxames, o que leva a uma confusão quanto à “causa” de ambos. No entanto, as causas são diferentes para cada um deles.

As abelhas não precisam de uma desculpa para se reproduzirem através do único método que têm disponível. A sua motivação para se reproduzirem será tão intenso quanto o impulso sexual entre mamíferos. Duvido que alguém, lendo este artigo, considerou alguma vez ser necessário fabricar uma desculpa, uma razão, ou uma “causa” para seu desejo sexual. Por que temos de inventar uma justificação para o processo reprodutivo da abelha do mel?

Os passos para a enxameação reprodutiva fazem parte de um processo deliberadamente controlado pelas abelhas. A partir do fim do inverno, o acúmulo da população tem uma finalidade específica: a divisão por enxameação reprodutiva. Controles naturais das próprias abelhas e integrados no processo evitam a superpopulação, como a redução da área de criação pelo armazenamento de néctar, que serve vários propósitos, e um deles é evitar a sobrepopulação. Se há uma “causa” para a enxameação de reprodução, a causa é o impulso da colónia para se reproduzir.

Os enxames causados pela superlotação de abelhas também ocorrem. Eles são criados pela intromissão do apicultor. O apicultor que deliberadamente interfere no processo controlado da reprodução pode causar superlotação. Por exemplo, invertendo os corpos da colmeia de forma periódica, o apicultor mantém quase duas caixas cheias de criação. Ele adiciona mais espaço para as abelhas geradas por esta enorme quantidade de criação. Contudo as abelhas foram privados de seu controle natural de redução da área de criação. Vemos a enxameação por superlotação como um mecanismo de defesa para proteger a sobrevivência da colónia existente.

Em resumo, com estes dois tipos de congestionamento e estes dois tipos de enxameação, a teoria da “enxameação por congestão”, avançada na literatura, não se aplica a todas as circunstâncias. Podemos dizer com segurança que a enxameação por superlotação é “causada” pelo congestionamento, mas a origem está no mau maneio do apicultor. Ela termina aí.

Nenhum tipo de congestionamento está na “causa” da enxameação reprodutiva. Precisamos  de reconhecer que enxameiam simplesmente pelo que é: um esforço deliberado para perpetuar a espécie. Sem outras desculpas.

Os traços de sobrevivência discutidos desviam-se consideravelmente da sabedoria convencional. Eles são o resultado das minhas observações pessoais. É da natureza humana rejeitar qualquer conceito que difere do que nós pensamos e que julgamos ser verdadeiro. A aceitação do que vejo acontecer numa colmeia será difícil, se não impossível, para alguns, com uma forte convicção do contrário.”

renovação de ceras post 1)

Gostava de saber se me pode esclarecer umas dúvidas em relação à renovação que faz dos quadros de ninho.
Quando começa a fazer essa renovação logo em Fevereiro e prolonga-se por quanto tempo? Ou a renovação é feita o mais rápido possível? Tira 3Q por ninho, que serão aqueles mais antigos com ceras mais escuras certo? E que ainda não tenham criação da rainha, logo terão que estar mais nas laterais da colmeia certo? Nos quadros que pretende renovar mas que ainda tenham mel e pólen também os tira? E que faz com eles?” João Oliveira

Procurando responder às questões do João Oliveira, começo pela primeira.

A renovação dos quadros de cera nos ninhos é uma das tarefas mais importantes do apicultor. Para que o seu trabalho seja efetivo necessita de ter em atenção dois pré-requisitos fundamentais: o timing em que deve fazê-lo e a qualidade da cera laminada.

Relativamente ao timing, a colocação dos primeiros quadros de cera laminada no ninho varia de zona para zona e de ano para ano. Devemos olhar para as colmeias e observar o que as abelhas nos dizem. A cera nova branca é o sinal. Quando as abelhas começam a fazer cera nova nos rebordos dos quadros e /ou nas pranchetas está na altura de iniciarmos a renovação de quadros de cera no ninho.

 

imagesimages-1

Fig. 1 — Cera branca nas colmeias

Em geral este período de produção de ceras novas está associado aos seguintes factores:

  • fluxo razoável a bom de néctar;
  • temperaturas máximas acima dos 16-18º C e abaixo dos 26-28ºC;
  • bons níveis de humidade no ar atmosférico;
  • expansão assinalável da criação no ninho/rainha vigorosa.

Nos meus apiários na beira alta começo a renovar as ceras nos ninhos entre meados de março e meados de maio. Na beira litoral começo a renovar a cera, em regra, a partir de meados de janeiro, sendo que aqui os timings são mais oscilantes.

Relativamente à segunda parte da primeira questão “por quanto tempo” são também as abelhas a responder. Por norma nos apiários da beira alta as abelhas puxam muito bem a cera nos meses primaveris, até à entrada de junho, e isto nos apiários localizados nas terras mais baixas. Nos apiários localizados nas terras mais altas puxam muito bem a cera a partir de meados de maio e até finais de julho. Nos apiários da beira litoral a partir do início de abril praticamente deixam de puxar a cera.

Na minha opinião as abelhas deixam de puxar a cera quando os factores atrás referidos deixam de coexistir. Dito de outra forma, cada factor per si não é suficiente para estimular a produção de cera nova.

João as restantes questões não ficaram esquecidas.

efeitos colaterais adversos de alguns acaricidas

Para dar substância a uma afirmação em que escrevi “os tratamentos orgânicos não serão os bons assim como os tratamentos sintéticos não serão os maus. Todos os tratamentos, sintéticos ou orgânicos, são bons desde que cumpram o objectivo da sua utilização…” importa conhecer os vários ângulos desta problemática em torno dos acaricidas utilizados na apicultura.

O apicultor deve ser capaz de fazer informada e conscientemente as suas opções, deve evitar opções maniqueístas, e maximizar a oportunidade de utilizar um leque alargado de possibilidades para tratar as suas colmeias. Neste momento o que sabemos seguramente é que todas as opções têm efeitos colaterais, uns são dum tipo, outros são de outro. Não há opções ideais, quando muito apenas há boas opções.

“Os tratamentos contra a varroa utilizam-se generalizadamente em toda a UE e nos EUA para controlar esta praga nas abelhas. Como parte da avaliação de tais tratamentos são determinados os seus efeitos em colónias de abelhas. O timol é o óleo essencial mais tóxico usado no controle varroa, com uma DL50 do óleo aplicado diretamente sobre larvas de 150 μg/abelha e em adultos 210 μg/ abelha, ao passo que a toxicidade de mentol para larvas foi 383 μg/abelha e em adultos 524 μg/abelha (Gashout et al. 2009). Relativamente ao apiguard (acaricida com uma base de timol) foram observados efeitos como uma elevada mortalidade em larvas jovens (0-3 dias de idade) em colónias tratadas, com sobrevivência de 74-87%, comparada com 90- 95% verificada nos controles (Mattila et al. 2000). No entanto, estes níveis de mortalidade da criação não resultaram em relatos generalizados de menor sobrevivência das colónias após o uso o que sugere que existem capacidade nas colónias para compensar essas perdas na criação. Duff e Frugala (1992) avaliaram os efeitos do mentol e fluvalinato em colónias sem de ácaros para determinar impactos sobre a criação, aceitação rainha, sobrevivência da rainha e produtividade da colónia. A toxicidade da tau-fluvalinato em larvas é de 192 μg/ abelha e toxicidade para as abelhas obreiras adultas é 194 μg/ abelha (Gashout et al 2009). A área ocupada pela criação nas colónias tratadas com mentol era significativamente mais baixa, e foi observada um efeito de repelência na zona de tratamento. Embora a aceitação e sobrevivência de rainhas não tenham sido significativamente diferentes a perda de rainhas só ocorreu nas colónias tratadas (22% em colónias tratadas com o fluvalinato e 33% em colónias tratadas com mentol). A perda de rainhas tinha sido documentada pelos autores num estudo anterior com mentol. Westcott e Winston (1999) investigaram os efeitos dos acaricidas fluvalinato e ácido fórmico no crescimento da população, a longevidade das obreiras e a atividade de forrageamento. Acerca do ácido fórmico, amplamente usado no controlo da varroa,  é bem conhecido os seus efeitos associados a elevados níveis de mortalidade da criação. Eles demonstraram que o ácido fórmico diminuiu a área da criação operculada em 25%, comparado com o controle, e causou alguma perda da criação, enquanto esses efeitos não foram observado com o fluvalinato.”

Fonte: http://fera.co.uk/news/resources/documents/chem-reportPS2367.pdf

Notas:

  1. o fluvalinato ou o tau-fluvalinato é o princípio activo presente no Apistan.
  2. DL50 é a dose necessária de uma dada substância ou tipo de radiação para matar 50% de uma população em teste.
  3. μg (micro-grama) é um milhão de vezes menor que 1 grama.