factores indutores da enxameação reprodutiva

É sabido que a enxameação reprodutiva é precedida por preparações que se iniciam 2 a 4 semanas antes de ocorrer. A construção de novos cálices reais é o primeiro sinal visível da preparação para a enxameação — nesta altura as abelhas constroem 10 a 20 na maioria dos casos, podendo chegar até 40-50.

images

Fig. 1 — Dois cálices reais

Com a deposição de ovos nestes cálices reais, a fase de criação das novas rainhas arranca, e o processo da enxameação está iniciado. Em média são construídas entre 15 a 25 realeiras. As colónias enxameiam habitualmente no mesmo dia, ou no dia seguinte à operculação da primeira realeira. Para conhecer os factores que induzem a enxameação há portanto que conhecer quais são os factores que induzem a criação de realeiras.

images-1

Fig. 2 — O fundo dos quadros é o local mais escolhido pelas abelhas para criarem as inúmeras realeiras de enxameação

Na base da enxameação reprodutiva encontramos factores intrínsecos (de natureza demográfica) e factores extrínsecos (abundância de recursos/alimento) que impulsionam as abelhas a iniciar a criação de novas rainhas.

Os estímulos básicos de natureza demográfica, e importa realçar que não operem isoladamente nem de forma independente, são:

  • dimensão da colónia;
  • congestionamento do ninho;
  • distribuição desequilibrada da idade das obreiras;
  • transferência reduzida das feromonas da rainha.

A abundância de recursos influencia directamente  os três primeiros factores, sendo considerado, por essa razão, o estímulo primeiro da criação de realeiras, logo da enxameação. O apicultor dificilmente conseguirá manipular este factor, e suspeito até que o deseje. Há portanto que  incidir a nossa acção sobre os factores de natureza demográfica. Sobre estes temos possibilidade de fazer alguma diferença. Realço que a intervenção do apicultor terá tanto maior eficácia quanto mais os efeitos da sua acção forem de largo espectro, ou seja, tenham um impacto no redimensionamento da colónia e em  simultâneos no descongestionamento do ninho e também no re-equilíbrio na distribuição da idade das obreiras. Fácil de dizer, mais difícil de fazer. Contudo, sempre possível.

Vamos abordar estes factores de forma mais detalhada e chegar ao desenho de estratégias de intervenção para melhor prevenir a enxameação. Só bem compreendidos estes factores estaremos capazes de aumentar a eficiência e a eficácia dos nossos procedimentos. Consciente, contudo, que a enxameação zero não é um objectivo razoável, ou sequer desejável numa perspectiva de longo prazo.

Como já disse alguém, a teoria sem a prática é inútil, mas a prática sem a teoria é cega.

a colmeia está zanganeira?

Sabemos que 3 a 4 semanas depois de uma colónia ter ficado órfã, caso não consiga criar uma nova rainha, começam a surgir abelhas poedeiras e a colónia fica zanganeira.

As causas do aparecimento de colmeias zanganeiras são várias, podendo decorrer de uma tentativa das próprias abelhas de substituição de uma rainha velha e/ou esgotada e, por alguma razão, a nova rainha não é gerada ou morre durante os seus vôos de fecundação. Este acontecimento pode decorrer também de uma intervenção do próprio apicultor. Sobretudo quando na vistoria de novos núcleos, provoca na rainha recém fecundada um elevado estado de nervosismo. Este nervosismo súbito pode provocar uma acção de pelotagem/asfixiamento da rainha pelas abelhas mais velhas. Apicultores veteranos recomendam que se evite, ou se reduza ao mínimo, a inspecção de núcleos onde se presume que possa haver uma rainha que tenha iniciado há poucos dias a sua postura. Como fazer  então uma análise de um núcleo ou colmeia que nos permita, com uma observação muito pouca intrusiva, recolher alguma informação confiável da presença ou não de uma rainha fecundada?

O apicultor experimentado tem alguma facilidade de identificar se uma colónia tem ou não uma rainha fecundada ou se está zanganeira (isto levantando apenas a prancheta e observando atentamente o comportamento das abelhas nos travessões superiores dos quadros). Se as abelhas estão claramente mais nervosas, com passeios erráticos, mal definidos quanto ao sentido ou orientação, como que sem objectivo e mais defensivas que o habitual, podemos desconfiar que ainda não têm uma rainha fecundada. Se a juntar a estes sinais, as abelhas estiverem dispersas em pequenos grupos por todos os quadros do núcleo ou da colmeia, podemos desconfiar que estão no estado zanganeiro, com obreiras poedeiras. Se as abelhas apresentarem tranquilidade, até alguma indiferença à nossa presença, se estiverem sobretudo aglomeradas sobre dois ou três quadros (caso dos núcleos) ou sobre os quadros centrais (caso das colmeias), se nos cheirar a muita criação aberta (o cheiro da geleia real e papa larvar) o melhor é deixar a colónia tranquila por mais 2 a 3 semanas, até que a nova rainha adquira a “liderança serena” daquela colónia.

Alguns apicultores há que afirmam e reafirmam que observando o movimento de abelhas no alvado (entrada) da colmeia é suficiente para diagnosticar se a colónia está zanganeira ou não. Ainda não cheguei a esse nível de perícia. Para alguns, a entrada de pólen é um sinal de uma colónia com rainha em postura. O que tenho observado é que a entrada de abelhas com pólen não chega para garantir que a colmeia não esteja zanganeira. Já observei inúmeras vezes as abelhas a entrarem com pólen em colmeias zanganeiras. Para mim, faz sentido que assim seja. No fim de contas elas têm larvas para alimentar!

Se a observação dos sinais atrás referidos nos leva a suspeitar que a colónia está zanganeira há que o confirmar. A confirmação passa pela observação dos quadros, observação esta que nos permite identificar um conjunto de sinais inequívocos do estado disfuncional da colónia. As colónias zanganeiras apresentam, quase universalmente, um conjunto de sinais bem conhecidos que passo a elencar pensando nos apicultores que estão a dar os primeiros passos neste mundo das abelhas.  Alguns dos sinais indicam um estado inicial ou recente de “zanganisse”, outros um estado mais avançado. São estes os sinais:

  • postura de vários ovos no mesmo alvéolo (seja de obreira, seja de zângão);

search-1

  • postura significativa de zângãos em alvéolos de obreira em áreas bem definidas (surge habitualmente no estádio inicial e/ou em colónias populosas);
  • postura mais reduzida de zângãos em alvéolos de obreiras em pequenas áreas mal definidas de alguns quadros (surge habitualmente num momento mais tardio e/ou em colónias menos populosas);

search

  • vários ovos surgem colados na parede dos alvéolos (as abelhas poedeiras por terem o abdómen mais curto que a rainha nem sempre conseguem depositar os ovos no fundo do alvéolo);
  • acumulam pólen em excesso;
  • mais tarde aparecem falsas realeiras, muito largas e compridas (4 a 5 cm), com uma forma cilíndrica, com uma larva de zângão e com muita geleia real.

O que o apicultor pode e deve fazer com uma colmeia zanganeira depende de vários aspectos, entre os quais destaco: força do enxame e altura do ano.

Se a altura do ano for propícia, com um fluxo de néctar próximo, se o enxame for valente, por norma, não sacudo as abelhas. Por norma, procuro reverter a situação o que exige alguma persistência. Aos enxames zanganeiros nas condições atrás descritas coloco um quadro com muita criação larvar e alguma criação fechada, com poucos ou nenhuns ovos, durante  duas ou três semanas a um ritmo de um por semana. Na terceira ou quarta semana, coloco um quadro sobretudo com criação fechada e ovos, de preferência numa cera nova mais flexível, ou caso tenha disponível, uma ou duas realeiras abertas ou fechadas. Com este maneio tenho revertido esta situação tão indesejável numa percentagem muito aceitável.

histórico de uma colmeia

Uma das ferramentas indispensáveis ao maneio das minhas colmeias é o registo das observações feitas no apiário. Fica aqui uma peça desse registo.

A colmeia é a nº 125, é do modelo Langstroth, a rainha é de 2013, ou uma sua filha que a substituiu sem que eu tivesse dado conta (não enxameia desde 2013 pelo menos), e as principais características desta linha estão também indicadas.

Este modelo de anotação é muito simples, criado no Word, que me permite toda a flexibilidade de anotações.

Como disse esta é apenas uma das peças no que diz respeito ao meu processo de recolha e registo de informações.

Noutro dia referirei as restantes peças para que o meu sistema se torne inteligível e possa merecer os vossos comentários e sugestões de melhoria.

 

125. Lang Rainha de Julho de 2013 (filha da 133)

Linha muito prolífera e produtiva.

2014

10-04: Tirei sobreninho. Coloquei ½ alça. Coloquei cera laminada no ninho. Transumei para ….

14-04: 5 a 6 Q de abelhas na 1ª ½ alça. Colocar 2ª ½ alça.

17-04: Coloquei cera laminada no ninho.

22-04: Coloquei 2ª ½ alça com ceras laminadas.

28-04: Poucas abelhas na 2ª ½ alça.

06-05: Não viu sinais de enxameação (T). 5 Q de abelhas na 2ª ½ alça.

13-05: 5 Q de abelhas na 2ª ½ alça.

23-05: Colocou 3ª ½ alça no topo (T).

27-06: Fica com 1 ½ alça com mel de castanheiro. Pronta a transumar.

02-07: Transumei de … para a ….

03-07: Coloquei 2ª ½ alça.

15-07: 2ª ½ alça muito cheia. Colocar ½ alça.

22-08: Cheia de abelhas no ninho. Coloquei tiras de Apivar

30-09: Transumei de … para ….

22-10: Forte. 7 ou mais Q de abelhas.

2015

27-01: Colmeia forte. Coloquei 1 Q com mel.

07-03: 6 Q de abelhas e 4 Q de criação. Coloquei tiras de Apivar.

30-03: 9 a 10 Q de abelhas. 8 Q de criação. Coloquei cera laminada.

09-04: Coloquei 1ª ½ alça.

23-04: Coloquei 2ª ½ alça com ceras laminadas.

29-05: Transumei de … para ….

26-06: Coloquei 2ª ½ alça de ceras puxadas.

03-07: Coloquei 3ª ½ alça de ceras laminadas na posição 1.

11-07: 1ª ½ alça semi-puxada e com algum mel.

14-09: 2 Q com criação. 10 Q de abelhas. Coloquei tiras de Apivar.

29-12: Transumei de …para …. 9 Q de abelhas.

2016

07-01: 10 Q de abelhas. Coloquei sobreninho.

ciclo reprodutivo da varroa

Que a varroa é a maior ameaça ao bem-estar e sobrevivência das nossas colónias de abelhas, julgo que ninguém, com alguma experiência apícola, terá dúvidas. Para melhor combatermos este parasita importa que cada um de nós se vá munindo de informação e conhecimentos a seu respeito. O apicultor actual para além de ser um conhecedor de abelhas deve também conhecer com uma boa profundidade este perigoso inimigo. O conhecimento do ciclo reprodutivo da varroa dá-nos uma boa ideia do respeito que lhe devemos ter.

Sabe-se hoje que a varroa mãe entra no alvéolo onde se encontra a larva da abelha ao 5º dia do estado larvar, isto é, ao oitavo dia de vida da larva (3 dias enquanto ovo e mais cinco enquanto larva). Instala-se no fundo do alvéolo e submerge na papa larvar, o que dificulta a sua detecção e remoção pelas abelhas que fazem a higiene da larva.

Huang-Fig-1

Fig. 1 — Representação esquemática do ciclo de reprodução do ácaro da varroa

Cerca de 5 horas após a selagem do alvéolo a larva da abelha consome o resto da papa larvar que existia no fundo do mesmo. O ácaro da varroa começa por esta altura a sugar-lhe a hemolinfa (o sangue das larvas das abelhas). Aproximadamente 70 horas depois da selagem do alvéolo a varroa põe o seu primeiro ovo. Este primeiro ovo dá origem a um ácaro macho. Os ovos seguintes dão origem a ácaros fêmeas e são postos com um intervalo de 30 horas. Em média um “programa reprodutivo” normal produz até cinco varroa filhas na criação de obreira e até 6 varroas filhas na criação de zângão. Desde a postura dos ovos até à sua adultez decorrem cerca de 6 a 7 dias. Os machos da varroa são claramente mais pequenos que as fêmas (dimorfismo sexual).

A varroa mãe perfura a frágil cutícula da larva da abelha para que a sua prole se alimente. A reprodução das varroa é endogâmica, isto é, o macho fecunda as suas irmãs.

O ciclo completo de reprodução da varroa demora doze dias a completar-se. Finalizado este período uma ou duas varroas maduras, juntamente com a mãe, saem do alvéolo no momento de nascimento da jovem abelha. Em média as varroas multiplicam-se por um factor de 1,7 por cada 20 a 30 dias. Estes são os números que nenhum apicultor deve esquecer.

Num cenário de uma colmeia com um elevado número de varroas, cerca de 6000 ácaros, taxa que poderá passar despercebida ao apicultor menos atento, e fazendo as contas direitinhas, significa que em menos de um mês este número poderá aumentar para cerca de 10 000 varroas.

Com estes números presentes todos compreendemos melhor porque aplicarmos os tratamentos, 15 ou 20 dias antes ou 15 ou 20 dias depois, pode fazer toda a diferença. A diferença entre termos uma colmeia tratada a tempo, que irá rapidamente recuperar, e uma colmeia moribunda, que dificilmente conseguirá recuperar da varroa e dos vírus que elas veiculam. Amanhã já poderá ser tarde!

a colmeia Dadant nas palavras do seu inventor

A colmeia Dadant, actualmente comercializada em Portugal pelo nome de Jumbo, tem evoluído desde que foi inicialmente concebida nos finais do sec. XIX por Charles Dadant. Em Portugal, e para aqueles que não conhecem o “caixotão”, tem a largura e comprimento de uma Langstroth e a altura de uma Lusitana.

No nosso país é um modelo de colmeia com pouca expressão. No entanto parece estar a renascer um interesse cada vez maior em torno desta colmeia. O Sr. Abílio, da Colmeicentro, referiu-me há uns meses atrás que nos últimos 8 anos tem vindo a reconverter os seus apiários Langstroth para Dadant, e nas suas palavras com vantagens assinaláveis ao nível da produção, enxameação e invernagem. Não há muitos dias, o João Tomé no seu blogue Vale do Rosmaninho, deixa no ar a ideia que também está a amadurecer a ideia de uma possível reconversão do modelo de colmeia que utiliza nos seus apiários. Entre outros, eu próprio já há uns meses, e depois da referida conversa que tive com o Sr. Abílio, apicultor com uma enorme experiência, que já viu mais abelhas que eu verei em 10 vidas juntas, que ando a maturar seriamente a ideia de ensaiar as colmeias Dadant/Jumbo.

Dado este meu interesse consegui obter o livro de C. Dadant, de 1920, intitulado “Dadant System of Beekeeping” e li na fonte o que o inventor refere a propósito das vantagens da Dadant quando comparada com o modelo mais usado na altura, o modelo Langstroth.

Charles_Dadant

Fig. 1 — Charles Dadant (1817-1902), considerado um dos pais fundadores da apicultura moderna

Pelo que se pode ler no livro, a Dadant de 10 quadros tem mais cerca de 1370 cm quadrados (se a conversão das unidades de inches para centímetros foi feita correctamente) que a Langstroth de 10 quadros. Na opinião deste conceituado apicultor, o ninho da Dadant é suficiente para uma rainha prolífera e o ninho da Langstroth é insuficiente. C. Dadant refere a sua experiência de 1876, ano em que trabalhou lado a lado várias centenas de colmeias Dadant e 110 colmeias Langstroth. No mês de Maio escreve que as rainhas nas colmeias Langstroth subiram ao sobreninho, e nas Dadant, pelo contrário, nenhuma rainha tinha subido ao andar superior para aí fazer postura. No seu entender esta foi uma demonstração clara que é necessário mais que um ninho da Langstroth para dar espaço a uma rainha prolífera, numa altura em que o apicultor tem de fornecer as condições para o grande aumento da população de abelhas que lhe permitam a melhor colheita possível. Mais adiante C. Dadant confirma que observaram melhores produções nas colmeias Dadant quando comparadas com as produções obtidas nas Langstroth.

Dadant comenta ainda as desvantagens do duplo ninho nas Langstroth, as quais tenho também observado. Relata que quando uma rainha sobe ao segundo ninho hesita em voltar para o ninho debaixo. Em colmeias deste modelo com o ninho, sobreninho e um terceiro corpo igual ao ninho (colmeia com 3 andares ou 3 corpos) refere inclusive a possibilidade de a rainha dispersar a postura pelo três andares. Estas opções dão espaço excessivo à rainha, mas obriga o apicultor a várias manipulações de transferência de quadros de cima para baixo e vice-versa e/ou inversão da posição do ninho e sobreninho.

Dadant conclui dizendo que quer um ninho que não seja demasiado largo nem demasiado pequeno, capaz de acomodar uma rainha prolífera nesta divisão principal da colmeia, reservando o espaço superior das meias-alças para o armazenamento do mel.

Concluo este post dizendo que a minha experiência com as Dadant é nula, mas quero experimentar, porque os sinais que vou obtendo ao longo de seis anos com abelhas, parecem-me indicar que os ninhos Dadant me poderão trazer mais alegrias que as alegrias que tenho tido com os ninhos Langstroth e os ninhos Lusitanos. Esta experiência me dirá que caminho seguir depois.

colmeias de poliestireno denso

As colmeias de poliestireno denso já se utilizam há várias décadas na Europa central, e nos últimos vintes anos tem-se assistido à sua massificação.

blog_Pre-Flipped-Hive-150x150

Fig. 1 — Colmeia de poliestireno

Contudo a Península Ibérica tem resistido, como uma célebre aldeia gaulesa resistiu ao avanço do Império Romano, à invasão deste tipo de colmeias. Desconheço quais as razões, mas não me custa a crer que entre outras esteja o seu preço três vezes mais elevado que o de uma colmeia em madeira, assim como o desconhecimento por parte dos apicultores de algumas das vantagens apontadas pelos que as utilizam há anos.

Estes apicultores referem que as colmeias de poliestireno trazem um conjunto de vantagens à apicultura quando comparadas com a tradicionais colmeias fabricadas em madeira:

  • as colónias, em regra, começam a desenvolver-se 2 a 3 semanas antes;
  • as abelhas são mais madrugadores e começam a sair da colmeia mais cedo no dia;
  • as colónias tornam-se mais produtivas porque aproveitam melhor os fluxos de néctar (alguns referem aumentos de produtividade na ordem dos 25%).

 

As colmeias construídas em poliestireno são colmeias que pelo seu maior coeficiente de isolamento (várias vezes superior ao da madeira) também apresentam vantagens na criação de novos enxames e rainhas:

  • ­o desenvolvimento mais temporão dos enxames significa uma temporada mais longa para fazer divisões de enxames e criar rainhas;
  • o maior isolamento do poliestireno quando comparado com a madeira significa que não existem quadros frios nas zonas mais  laterais das colmeias, permitindo à rainha fazer postura nestes quadros, e consequentemente permite ao apicultor fazer mais divisões do enxame mãe.

O coeficiente de isolamento mais elevado do poliestireno permite aumentos importantes na força de trabalho e consequentemente na produção de mel. Nos dias mais quentes as abelhas dispendem menos tempo e energia a manter a colmeia fresca, passando a estar disponíveis durante mais horas para a colecta do néctar. No inverno estas colmeias permitem à colónia permanecer mais aquecida com um consumo mais baixo de calorias, necessitando de menor quantidade de reservas para passarem o inverno.

Os apicultores do centro da europa referem que as colmeias de poliestireno permitem à colónia passar o inverno num ambiente interno menos húmido, mais seco e saudável. Por fim referem que as colmeias feitas neste material duram anos e anos, com pouca ou nenhuma manutenção.

Não tenho experiência com estas colmeias de poliestireno de alta densidade mas espero testar em breve algumas colmeias fabricadas pela Paradise Honey e pela Lyson.

search

Fig. 2 — Colmeia de poliestireno da Paradise Honey

Se alguém já experimentou este tipo de colmeia, porque não aproveitar para fazer um comentário com a sua avaliação acerca da performance destas colmeias em território luso.

controlar a enxameação eminente

O apicultor que deseja viver da produção de mel das suas abelhas é melhor ignorar as teorias daqueles que dizem que as abelhas não costumam enxamear; que não enxameiam se lhes dermos muito espaço, etc. Todo o apicultor experiente sabe que enxameiam com alguma frequência. O apicultor que é eficaz no seu trabalho com as abelhas tem bem interiorizado que na época da enxameação não deve confiar, sem mais, que uma colónia forte, saudável, que ainda não tenha enxameado, não o poderá vir a fazer.

images-2

Fig. 1 — Enxame de abelhas pendurado no ramo de uma árvore

Podemos esperar que em colónias com abelhas bem-nutridas a enxameação não deverá ultrapassar os 15%. Mas em certos anos, independentemente dos métodos de prevenção da enxameação utilizados, da raça de abelhas em causa, a enxameação poderá ultrapassar esta percentagem. Noutros anos a enxameação será mais baixa, ainda que as abelhas sejam de uma linha mais propensa a enxamearem, ou mesmo que o maneio das colónias tenha sido incompetente.

Realizar vistorias regulares às colmeias com intervalos não superiores a 8 dias é um plano que tenho seguido nestes anos e na época da enxameação reprodutiva. O intervalo de 8 dias é determinado pela biologia da abelha. De um ovo de primeiro dia ao nascimento da rainha virgem vão 15 a 16 dias e desde que o alvéolo real é selado ou fechado, vão apenas 8 dias.

Em regra inspecções com esta regularidade permite-me identificar colmeias que estando na emergência de enxamearem, fenómeno facilmente verificável através das inúmeras realeiras abertas e fechadas presentes nos quadros, ainda não o fizeram.

images-1

Fig.2 — Realeiras de enxameação na zona lateral e no fundo dos quadros

Nesta circunstância o que habitualmente faço é dividir a colmeia em dois ou mais núcleos, de acordo com a população de abelhas. A rainha é colocada num núcleo ou mesmo numa nova colmeia, com um a dois quadros com criação e um a dois quadros com reservas de mel e pólen e levada para outro apiário. Ao proceder assim satisfizemos a pulsão reprodutiva daquela colónia: foi dividida, demos-lhe uma nova casa e demos-lhe um novo local. Na colónia filha, que fica no lugar da colmeia mãe, deixamos ficar apenas 2 a 3 realeiras bem formadas. Geralmente estas colónias dão-nos grandes alegrias no ano seguinte, com rainhas muito prolíferas capazes de fazer crescer muito e rapidamente a população da colónia. Em algumas situações em que deseje sangue de outra genética, destruo todas as realeiras e introduzo um quadro contendo ovos e larvas, retirado de uma colmeia selecionada pelas suas boas características. Passados os oito dias volto a inspeccionar para destruir as realeiras em excesso e/ou com menos bom aspecto.

São técnicas muito simples (não me atrevo a dizer que são as melhores), e que me permitem agir de uma forma muito orgânica, num momento crítico da vida da colmeia, momento em que prefiro deixar às abelhas o trabalho de fazerem, e fazerem bem melhor do que eu, o que fazem há muitos milhões de anos.

Num outro post falarei sobre as técnicas que utilizo para prevenir a enxameação, que utilizo com antecipação, com o objectivo de ter que recorrer o menos possível ao controlo da enxameação, esta uma medida de emergência e de último recurso.

foi a varroa que matou a colmeia?

Mais vezes do que se deseja, o apicultor encontra uma colmeia, ainda há poucas semanas pujante, cheia de abelhas e com muito movimento no alvado, sem abelhas. Pode suspeitar que as abelhas desertaram, este é um acontecimento possível, mas raro. Se lhe é colocada a hipótese de tal ter sucedido por causa da varroa, frequentemente, rejeita essa possibilidade, porque não viu varroas nas abelhas… porque a colmeia estava muito forte… porque a varroa não deita abaixo uma colmeia tão forte num espaço de duas ou três semanas.

Mas sim, pode mesmo ter sido  a varroa.

No diagnóstico post mortem de uma colmeia sem abelhas, que todos devemos fazer para compreender melhor as causas do sucedido, se encontrarmos uma cenário como o que passarei a descrever, o melhor que temos a fazer é mesmo colocar a varroa como a hipótese primeira na lista das causas possíveis.

  • Era uma colónia forte. As colónias fortes têm uma probabilidade maior que as colónias mais fracas de sucumbirem com a varroa, e de sucumbirem de uma forma muito rápida (muitas vezes num período de apenas duas semanas).
  • Colapsou à entrada do outono ou inverno. Dependendo das zonas, em regra, as rainhas diminuem a postura nesta altura do ano. Os ácaros que se desenvolveram a um ritmo crescente até aí, com menos criação na colmeia, parasitam por esta altura a quase totalidade das larvas e ninfas. Muitas das novas abelhas não nascem ou nascem fortemente debilitadas pela acção combinada dos ácaros e dos virús por eles transmitidos.
  • Deixa muito mel nos quadros. Dada a altura do ano em que estes acontecimentos súbitos surgem, o tempo mais frio dificulta ou até impede a predação por outras abelhas e/ou insectos destas reservas de mel.
  • Apresenta alguma criação nos quadros. Estas áreas de criação na grande maioria operculada, sinaliza que a rainha manteve a sua postura regular até cerca de duas a três semanas antes de a colónia colapsar. Este último ciclo de criação já estava condenado. Dada a rapidez com que o colapso ocorre ficam pequenas manchas de criação prestes a nascer, podendo até observar-se algumas abelhas prestes a nascer, com metade do corpo já fora do opérculo e com a língua extirada.
  • A rainha não se encontra. As razões podem ser diversas: morreu devido a infecções virais; morreu à fome; morreu pela exposição ao frio, dado que a força de trabalho se foi extinguindo.

search

Fig. 1 — Criação afectada pela varroa numa colónia com sinais de Sindrome de Parasitação pelo Ácaro da Varroa

Estas situações indesejáveis sucedem a todos os que têm abelhas, mas mais frequentemente àqueles apicultores que tratam à vista, que iniciam os tratamentos quando vêm as abelhas com asas deformadas e/ou varroas em grande número em cima das abelhas; aos apicultores que andam a inventar a roda, com tratamentos mal cozinhados por eles ou por conhecidos; aos apicultores que pura e simplesmente são preguiçosos e negligentes e não monitorizam e não tratam em devido tempo as suas colmeias; aos apicultores que por uma ou outra razão têm abelhas mas ignoram tudo ou quase tudo acerca delas.

a ameaça da varroa: algumas razões

O ácaro varroa (varroa destructor) é, nos dias de hoje, a maior ameaça à apicultura. As razões para este estatuto do ácaro varroa são várias, sendo as mais relevantes:

1 — É um parasita recente da abelha do mel. Consequentemente, o equilíbrio entre o hospedeiro (a abelha) e o parasita (a varroa) ainda não foi atingido e, por outro lado, os apicultores ainda não têm uma experiência suficientemente longa que lhes permita atuar eficazmente;

2 — O ácaro varroa espalhou-se por quase todo o mundo num período de tempo relativamente curto, de poucas dezenas de anos;

3 — Sem tratamentos periódicos a maior parte das colónias de abelhas colapsam num período de tempo não superior a 2 a 3 anos.

410px-Vorroa_Mite_on_pupa

Fig. 1 — Pupa de uma abelha com quatro varroas visíveis.

Qualquer apicultor que hoje deseja manter as suas colmeias saudáveis tem não só de ter bons conhecimentos acerca da biologia da abelha mas também da biologia e do ciclo de vida do ácaro varroa.

É minha intenção escrever frequentemente sobre este assunto. Espero poder dar o meu modesto contributo para que todos os apicultores que forem visitando este blog possam aprender mais um pouco sobre esta praga ou até somente confirmarem o que já sabem.

apresentação do blog abelhas à beira

Inicio hoje este blog de Apicultura por dois grandes motivos. O primeiro motivo, de natureza um pouco egoísta, é o prazer que me dá escrever; o segundo, de natureza diria mais altruísta, é o prazer que me dá partilhar estes textos com todos vós que o estais a ler neste momento.

 

A razão do nome de blog “abelhas à beira” nasce de um jogo de palavras: a maior parte dos meus apiários estão na região da Beira Alta e, por outro lado, as abelhas como qualquer outro ser vivo, estão permanentemente à beira de qualquer coisa, num estado dinâmico que as aproxima ou afasta de um determinado ponto — estão à beira de enxamear, por exemplo, à beira de colapsarem devido à varroa, … à beira tão somente de um novo dia em que as coisas vão manter-se muito parecidas com as do dia anterior.

 

As grandes linhas de orientação que neste momento tenho para este blog é fazer dele um espaço para escrever sobre o que me interessa no domínio da apicultura, e que espero possa interessar a outros, sejam apicultores ou não. Algumas vezes relatarei as minhas experiências, fazendo uma espécie de diário apícola, outras vezes farei considerações de natureza mais teórica, fundadas em leituras, reflexões e observações sobre este mundo complexo que é o das abelhas e da nossa relação com elas.

 

Sejam todos bem-vindos!

Eduardo Gomes, apicultor profissional desde 2009