luta contra a varroa: aluen CAP alternativa ao Apilife Var?

No relatório das actividades desenvolvidas no biénio 2015/2016 pelo ITSAP (Institut technique et scientifique de l’apiculture et de la pollinisation) podemos aceder aos dados de um estudo comparativo da eficácia de três tratamentos orgânicos contra a varroa: Hive Clean*, Apilife Var e Aluen CAP** (pgs. 19-22).

 

Os resultados globais ali apresentados são os seguintes:

  • Hive Clean: eficácia média de 40%;
  • Apilife Var: eficácia média de 70%;
  • Aluen CAP: eficácia média de 75,2%.

(fonte: http://blog-itsap.fr/wp-content/uploads/2017/05/compte-rendu-activite-itsap-2015-2016-3.pdf)

Apesar do Aluen CAP neste estudo apresentar uma eficácia inferior à relatada por outros (ver mais aqui), segundo os especialistas franceses pode constituir uma alternativa muito interessante ao Apilife Var e outros acaricidas no mercado.

Como consequência é referido neste relatório que estão a ser feitos esforços para a homologação do Aluen CAP em território europeu.

Dos três acaricidas aqui referidos actualemente apenas o Apilife Var está homologado quer em Portugal quer em França (país onde se realizou este estudo) como acaricida para utilização em colónias de abelhas.

* O Hive Clean é um produto da empresa austríaca Bee Vital, disponibilizado como solução líquida composta por ácido oxálico, ácido fórmico, ácido cítrico (vulgo sumo de limão), óleos essenciais e própolis. Aplica-se por gotejamento.

** Tanto quanto conheço este é o único estudo controlado realizado em território europeu em que a eficácia do Aluen CAP é avaliada. Alguma discepância entre os valores europeus e sul-americanos poderá ser explicada pela virulência mais baixa da estirpe de varroa existente no continente sul-americano (ver mais aqui).

tratamento contra a varroa: ácido oxálico e vaselina

Neste artigo Joshua Ivars apresenta a receita para “cozinhar” dois tipos de tratamentos com ácido oxálico e vaselina:

  • toalhas com ácido oxálico e vaselina (desenvolvido por Randy Oliver);
  • tiras de cartão com ácido oxálico e vaselina (desenvolvido por apicultores sul-americanos).

Acerca destes tratamentos devo fazer algumas notas:

  1. estes dois tipos de tratamentos não estão homologados no nosso país;
  2. o ácido oxálico é um produto muito perigoso e deve ser manipulado com todo o cuidado;
  3. não incentivo a preparação e utilização destes tratamentos, deixando a cada um a responsabilidade de agir como bem entender;
  4. as autoridades portuguesas e espanholas deveriam estimular o  fabricante do Aluen CAP (ver aqui ) a submeter um processo de homologação, para preencher o vazio que existe actualmente na lista de tratamentos homologados nos nossos países.

vespa velutina: o caso de um apicultor viguês

Marcos Otero, apicultor da zona de Vigo, relata aqui a sua experiência recente no combate à velutina.

Este apicultor viguês elegeu duas técnicas para diminuir a predação das velutinas nos seus apiários este verão: armadilhas com xarope com mel e as harpas eléctricas.

 

Fig.1: Vespa velutina (espécie exótica) e Vespa Crabro (espécie autóctone). 

 

loque americana: a resistência dos esporos

A loque americana é uma doença bacteriana produzida pela bactéria Paenibacillus larvae, que ocorre em duas fases, uma bacilar em que se reproduz e outra esporular que lhe permite manter-se latente e defender-se das agressões externas. O perigo da loque americana está precisamente nestes esporos que são muito resistentes e difíceis de eliminar. A melhor imagem que me ocorre é a de um tanque com uma carapaça muito dura.

Estes esporos têm tolerância a temperaturas muito altas, resistem 30 minutos a 100 graus e 15 minutos a 120 graus. Resistem à ação de desinfetantes químicos, como cloro, produtos à base de iodo e radiação ultravioleta durante 20 minutos de exposição. Além disso, de acordo com as condições de conservação, eles podem sobreviver no meio ambiente durante muito tempo, e somente após 30 anos começam a mostrar uma diminuição na viabilidade. Infelizmente são máquinas quase perfeitas de perpetuação do seu ADN.

loque americana: um programa de acção para todos nós

Vou assumir neste post que todos nós somos capazes de identificar a loque americana e, mais arrojado ainda, todos estamos dispostos a fazer o melhor possível para resolver este problema quando ele surge nas nossas colmeias.  Tendo assumido a competência e a motivação (num mundo ideal claro) para erradicar a loque americana dos nossos apiários, resta-me deixar muito claro o que se deve fazer quando somos confrontados com este problema sanitário.

Fig. 1: Utilização do teste do palito para fazer de forma expedita o diagnóstico de loque americana

Como ponto de partida importa-nos reconhecer o seguinte: para a loque americana ainda não existe nenhum antibiótico verdadeiramente eficaz; a loque americana é uma doença extremamente infecciosa e que urge o mais rapidamente possível erradicar completamente. Os antibióticos utilizados não eliminam o problema, apenas o mascaram. O foco irá persistir através dos esporos e mais tarde ou mais cedo expandir-se a outras colmeias do apiário e colmeias de apiários vizinhos.

Para quem quer impedir o alastramento do contágio e assim preservar as suas colmeias e as colmeias dos vizinhos só tem um caminho: eliminar pelo fogo as fontes de loque americana. Isso implica matar as abelhas e queimar tudo: abelhas, quadros e caixas num buraco aberto no solo que depois deve ser bem coberto com terra para evitar que as abelhas nas redondezas se infectem em alguns restos mal queimados. Só o fogo elimina os esporos da loque americana, os antibióticos não o conseguem fazer.

Quem trata a loque americana com medicamentos está a iludir-se porque não elimina devidamente os esporos e ainda acaba por contaminar o seu mel e, eventualmente, o mel dos seus vizinhos. Na tentativa vã de salvar um ou mais enxames com a utilização de antibióticos pode estar a colocar em causa a sanidade/conformidade de centenas ou milhares de quilogramas de mel. A este propósito leia-se o que o especialista Miguel Maia escreve:

“A introdução de antibióticos no mel inicia-se com o intuito do apicultor prevenir /controlar as loques. As boas práticas indicam que no caso de loque americana, as colmeias devem ser destruídas em detrimento do controlo por antibióticos. […] Durante o armazenamento do mel, os antibióticos são estáveis e, mesmo que exista a sua degradação, os produtos de degradação são detectados. Devido à má utilização dos antibióticos, muitos lotes de mel podem ser rejeitados no comércio provocando enormes prejuízos na apicultura.” fonte: Os antibióticos no mel, Miguel Maia, Engº Zootécnico.

loque americana: uma vacina a caminho?

Este artigo científico dá-nos conta de uma descoberta que me parece das mais relevantes dos últimos anos no domínio do estudo das abelhas. Os seus autores defendem que conseguiram descobrir o mecanismo subjacente à criação do sistema imunitário das abelhas. Esta descoberta pode permitir encontrar caminhos para a vacinação das abelhas contra uma série de doenças, como a Loque Americana e a Loque Europeia.

Descrevo em baixo, e de uma forma mais acessível, o processo que desencadeia a criação do sistema imunitário das abelhas de acordo com os autores do artigo.

O pólen e néctar que as abelhas colectam contém frequentemente um conjunto de bactérias e outros microorganismos e acabam introduzidos na colónia por via destas cargas alimentares. No interior da colmeia estes microorganismos entram na cadeia alimentar, nomeadamente na geleia real produto resultante do processamento pela abelhas nutrizes desse pólen e néctar.

Este estudo veio confirmar que estes microorganismos ou seus fragmentos foram encontradas na geleia real consumida pela rainha. Os fragmentos destes microorganismo acabam na corrente sanguínea da abelha rainha e ligam-se a um composto proteico chamado vitelogenina. A vitelogenina é um elemento chave no desenvolvimento dos ovos. Os pesquisadores descobriram que a vitelogenina tem capacidade para transportar estes pequenos pedaços de microorganismos para os ovos que irão dar origem a novas abelhas. Estes ovos acabam assim por ser expostos a fragmentos de microorganismos alguns deles com uma natureza patogénica para as abelhas. Esta exposição às pequenas doses de agentes patogénicos poderá estar na génese  do sistema imunológico das abelhas. É este sistema assim construído que  permite às abelhas enfrentar mais adiante infecções potencialmente nocivas veiculadas por esses agentes patogénicos.

De forma resumida a transferência de imunidade da mãe às suas filhas  ocorre por meio da vitelogenina, presente desde logo nos ovos, e que funciona desta forma como uma vacina. Parece-me que este processo ilustra bem o conhecido adágio “aquilo que não me mata torna-me mais forte”.

Tanto quanto li, estes investigadores procuram agora dar um passo muito importante para todos os apicultores e suas abelhas: encontrar através deste mecanismo forma de vacinar as abelhas contra vários agentes infecciosos, como por exemplo o responsável pela Loque Americana e Loque Europeia.

Fig. 1: Opérculos furados muitas das vezes indicadores de criação afectada pela bactéria causadora da Loque Americana. 

abelhas de inverno

As abelhas de inverno são diferentes das abelhas de verão. Enquanto uma abelha de verão vive cerca de 35-40 dias, as abelhas de inverno, também designadas abelhas gordas, vivem cerca de 100-150 dias (ver aquiaqui como se faz a rotação entre estes dois grupos de  abelhas). Com a aproximação do inverno a colónia/super-organismo cria as abelhas gordas. Estas abelhas estão bem adaptadas às exigências do inverno.

Um composto muito importante na diferenciação destes dois grupos de  abelhas é chamado vitelogenina. Este composto ajuda as abelhas a armazenar reservas alimentares (açúcar e gordura) no seu corpo. Esta função é muito menos necessária no verão, quando podem sair da colmeias e consumir comida livremente nas suas zonas de pasto.

De uma forma resumida uma abelha de inverno quando comparada com uma abelha de verão apresenta:

  • mais vitelogenina;
  • níveis hormonais mais baixos;
  • glândulas alimentares mais ampliadas;
  • nível de açúcar e gordura no sangue/hemolinfa mais elevado.

fonte: https://www.perfectbee.com/learn-about-bees/the-life-of-bees/fat-bees-and-the-winter-cluster/

um outono de 2017 como o de 2015?

O outono deste ano começa a assemelhar-se muito ao outono de 2015. Aqui está descrito o que fui observando e fazendo nos meus apiários da Beira Alta e Beira Litoral nesse ano.

A necessidade de efectuar alimentação de manutenção de uma boa parte das colónias poderá surgir como surgiu nesse outono. Vou estar atento como o fiz nesse ano!