alterações climáticas: que relação com a má-nutrição em colónias de abelhas

No seguimento deste conjunto de posts (aqui e aqui) acerca dos impactos que a alteração do clima está a ter a vários níveis da vida das abelhas, apresento este mais onde se presume/estabelece uma relação entre estas alterações e a menor qualidade nutricional do pólen fornecido por algumas plantas.

“Eric Mussen, apicultor extensionista emérito, que se aposentou em 2014 após uma carreira de 38 anos, há muito vem a apontar a questão da desnutrição como um fator importante no declínio da população de abelhas.

“Você, sem dúvida, perdeu a noção de quantas vezes afirmei que a desnutrição é um fator preponderante nos inaceitáveis ​​números de perdas anuais de nossas colónias de abelhas”, escreveu Mussen num boletim bimestral de 2013, da UC Apiaries, localizado no Departamento de Website de Entomologia e Nematologia. “Também afirmei inúmeras vezes ​​que as dietas sintetizadas por nós para as abelhas simplesmente não conseguem igualar o valor dos nutrientes obtidos pelas abelhas a partir de uma mistura de pólens de qualidade. Minha preocupação é que, embora tenhamos uma ideia muito boa das necessidades de proteína das abelhas, dos ratios de aminoácidos essenciais que as abelhas necessitam, e suas vitaminas e minerais, etc., ainda não conseguimos alimentar as abelhas com as nossas melhores dietas e mantê-las vivas por mais de dois/três meses confinadas no interior das colmeias.”

A desnutrição está ligada a vários fatores, incluindo a perda e fragmentação do habitat, mas também a mudanças climáticas.

Os cientistas acreditam que o aumento dos níveis de dióxido de carbono pode contribuir para a morte das abelhas. Em maio de 2016, uma publicação de Yale alertou para que “o aumento dos níveis de CO2 pode contribuir para o colapso de colónias de abelhas”.

“Enquanto investigam os fatores por trás da elevada mortalidade das colónias de abelhas, os cientistas agora estão de olho num novo culpado – níveis crescentes de dióxido de carbono, que alteram a fisiologia vegetal e reduzem significativamente as proteínas de importantes fontes de pólen”, escreveu Lisa Palmer.

Este é o fundamento: os cientistas dirigiram-se ao Museu Nacional Smithsoniano de História Natural para examinar o conteúdo de pólen dos espécimes Solidago virgaura (conhecida popularmente por Vara de ouro, muito semelhante à tágueda), que remonta a 1842. Por quê a Vara de ouro? Porque é uma fonte de alimento fundamental para as abelhas na passagem do final do verão para a entrada do outono quando não há muito mais floração.

Compararam amostras de 1842 e 2014, período em que as concentrações atmosféricas de dióxido de carbono subiram de cerca de 280 partes por milhão para 398 pmm, e encontraram resultados bastante preocupantes – muito menos proteína no pólen dos espécimes mais recentes. De fato, as amostras de pólen mais recentes continham 30% menos proteína. “A maior queda na proteína ocorreu entre 1960 e 2014, quando a quantidade de dióxido de carbono na atmosfera aumentou dramaticamente”, escreveu Palmer.

Os cientistas especulam que o aumento das concentrações de dióxido de carbono – pense nas mudanças climáticas – pode estar tendo um papel no desaparecimento global das populações de abelhas” ao minar a nutrição das abelhas e o seu sucesso reprodutivo”, escreveu Palmer.

May Berenbaum, professor de entomologia e chefe do Departamento de Entomologia da Universidade de Illinois em Urbana-Champaign foi citada no artigo: “Um declínio da qualidade da proteína em toda a zona quase certamente está afetando as abelhas. Como para nós humanos, uma boa nutrição é essencial para a saúde das abelhas, permitindo que elas resistiam melhor aos variados tipos de ameaças à sua saúde. Tudo o que indica que a qualidade de seus alimentos está diminuindo é preocupante ”.

Então as abelhas – que polinizam cerca de um terço da comida que comemos – ainda estão em apuros?

Assim nos parece!”

fonte: https://ucanr.edu/blogs/blogcore/postdetail.cfm?postnum=24276

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.