acaricidas / varroacidas: uma classificação

Podemos classificar os varroacidas das mais diversas maneiras. Já os classificámos de lentos e rápidos. Neste post vamos classificá-los de acordo com as vias utilizadas para atingirem os ácaros da varroa. Este esforço de classificação ajuda-nos a arrumar a informação disponível acerca dos mesmos e, sobretudo, a compreender as semelhanças e diferenças básicas entre eles, a planear a sua utilização, a selecioná-los  de acordo com as suas características.

Os varroacidas podem ser classificados em 3 grandes famílias de acordo com as vias principais que utilizam para atingir os ácaros:

  • por contato — estes acaricidas actuam por contato direto com o ácaro ou indiretamente através de seu hospedeiro (a abelha) que transfere para o ácaro o princípio activo que se impregnou no seu corpo ao tocar nas tiras acaricidas;
  • por evaporação — os acaricidas desta família libertam-se do seu veículo por evaporação e o ácaro é atingido pela exposição a uma dose letal presente na atmosfera interna da colmeia;
  • sistémicos — são acaricidas inicialmente ingeridos pelas abelhas que vão afectar os ácaros da varroa quando estes posteriormente ingerem a hemolinfa e/ou tecidos gordos das abelhas.

Das 3 vias, a de contato é a que apresenta, na maioria dos casos, mais fiabilidade. As abelhas, em geral, contactam frequentemente com as tiras varroacidas impregando-se com o princípio activo, o que permite disseminá-lo pela colónia. A eficácia desta classe de varroacidas está muito pouco dependente das temperaturas externas. Por outro lado, os acaricidas de contacto têm um período de actuação prolongado o que aumenta significativamente a sua eficácia mesmo em colónias com cria presente. Finalmente os limiares entre as doses letais para os ácaros e as doses letais para as abelhas estão muito distantes (na ordem das 1000 vezes, isto é, a dose letal para os ácaros é cerca de um milésimo da dose que mata as abelhas), diminuindo bastante o risco de sobredosagem.

No nosso país os acaricidas de contacto homologados são o Apivar, o Apitraz, o Apistan e o Bayvarol.

Fig. 1: Apivar: embalagem e tiras

Os varroacidas à base de timol (Apiguard, Apivarlife e Thymovar) são mistos no que respeita à via pela qual atingem os ácaros: atingem-nos por evaporação mas também por contacto. Por ex. quando se utiliza o Apiguard é um bom sinal se a maior parte ou todo o gel que contém o timol tiver sido removido da bandeja no final de cada período de tratamento de 2 semanas. Neste caso as abelhas carregam os pequenos pedaços de gel através da colmeia e a fricção/contacto com outras abelhas contribui para espalhar o composto o que aumenta a sua eficácia. Contrariamente à percepção de alguns, a margem de segurança de dosagem para o timol é baixa (abaixo de 10: 1), por isso é necessário seguir estritamente as instruções do fabricante de forma a evitar uma possível sobredosagem.

Fig. 2: Bandeja com um varroacida à base de timol colocado numa colmeia

O ácido oxálico é simultaneamente um varroacida sistémico e de contato. Não se sabe exactamente o seu tempo de vida, segundo uns permanece ativo por apenas algumas horas, outros referem um máximo de um a dois dias. Por esta razão só mata as varroas foréticas e muitos recomendam a utilização do ácido oxálico só nas épocas do ano em que as colónia não têm cria ou apresentam muito pouca cria. O perigo de sobredosagem é elevado, daí as concentrações terem de ser cuidadosamente medidas, especialmente se não é aplicado por sublimação.

Fig. 3: Aplicação de ácido oxálico através do gotejamento

O ácido fórmico é um tratamento que funciona completamente por evaporação. Esta característica confere-lhe uma vantagem sobre todos os outros tratamentos atrás referidos: sendo uma molécula pequena penetra os poros dos opérculos da cria fechada e mata os ácaros dentro dos opérculos. A sua maior desvantagem é que pequenos desvios na concentração torna-o mortal para as abelhas. Se a concentração é muito baixa não mata os ácaros nos alvéolos, neste caso só as varroas foréticas serão eliminadas baixando muito a sua eficácia. No outro extremo, se a concentração de vapores for muito alta pode matar uma parte importante da cria, abelhas adultas e a própria rainha. Se a perda de cria não é demasiado grave, a perda da rainha em certas alturas do ano é desastroso para a sobrevivência da colónia. Por outro lado o ácido fórmico é muito dependente da temperatura externa e da ventilação para atingir a concentração óptima na atmosfera na colmeia, o que aumenta ainda mais a variabilidade nos resultados do tratamento.

Fig. 4: Aplicação de de duas tiras de MAQS, tratamento formulado com ácido fórmico

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *