acaricidas naturais: três reflexões

R. C, apicultor norte-americano, escreveu recentemente no Bee-L o seguinte acerca do Hopguard, um acaricida orgânico/biológico, que tem sido criticado pela sua falta de eficácia:

Princípios activos do Hopguard: Potassium Salt of Hop Beta Acids. Segundo o fabricante pode ser utilizado durante o fluxo de néctar.

“Você precisa se lembrar de que os registros de pesticidas em todo o mundo não dizem nada sobre a eficácia do produto. Toda agência reguladora de pesticidas vê a eficácia como algo entre o vendedor e o utilizador e, se o utilizador não estiver satisfeito, estará livre para ir a tribunal e processar o fabricante por danos.
As agências de registro de pesticidas estão preocupadas com três coisas:1. O produto é seguro para o aplicador quando aplicado de acordo com as instruções da etiqueta? 2. O produto é seguro para o consumidor de alimentos tratados com esse pesticida de acordo com o rótulo? 3. O produto é seguro para o meio ambiente?
Se falhar num desses aspectos significa que nenhum registro é concedido.
Para produtos naturais como o Hopguard, o regulador diminui consideravelmente o nível de exigência dos três itens listados. A suposição é que é um produto natural, e que você é exposto a ele na comida normal que come. No caso do Hopguard, suponho que todos os componentes estejam na cerveja, por exemplo. Portanto, para produtos naturais, você tem muito menos certeza de que, se usado de acordo com o rótulo, o produto será realmente seguro.”


As reflexões do companheiro norte-americano são de três tipos, como fica bem claro:

  • a satisfação/insatisfação acerca da eficácia de um acaricida natural, e sobre isso os companheiros apicultores que estão em biológico poderão dizer mais e melhor que eu;
  • o foco da entidade reguladora no processo de registro/aprovação de um acaricida/pesticida, natural ou sintético ;
  • a segurança alimentar, sabendo que o escrutínio por parte das entidades reguladoras parece ser menor que o desejável, quando comparado por exemplo com o escrutínio feito aos acaricidas sintéticos. Sobre esta última questão já aqui escrevi, ainda que noutro contexto, e que coincidem na opinião do questionável “baixo” escrutínio a que estão sujeitos os químicos naturais presentes nos produtos alimentares.

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.