abelhas estrangeiras: um tiro no pé?

A COLOSS (http://www.coloss.org/), uma associação em rede de investigadores europeus, foi criada para estudar as causas de perdas de colónias de abelhas. Dentro desta rede, um grupo de trabalho dedicado à Criação Sustentável de Abelhas, (http://www.beebreeding.net/) concentra-se na área “Diversidade Genética e Vitalidade”. Desde há muito que parece existir uma interação entre o genótipo (herança genética) e o meio ambiente, com impacto na vitalidade das colónias. Na Europa têm-se verificado algumas variações importantes nas perdas de colónias em diferentes regiões/países. A principal hipótese avançada foi que a saúde das colónias de abelhas não pode ser entendida sem considerar a variabilidade genética das populações de abelhas e sua adaptação a fatores locais como o clima, a vegetação e doenças prevalecentes.

Nos últimos anos foi elaborado um abrangente plano de pesquisa em torno das interações genótipo-ambiente nas abelhas a uma escala europeia. Os resultados deste grupo de experimentos deu origem a seis artigos já publicados. Eles revelam a existência de interações significativas entre a origem genética das abelhas o meio ambiente. Um total de 621 colónias de 16 origens genéticas diferentes foram colocadas em 21 apiários, em 11 países europeus diferentes e geridos por 15 parceiros de pesquisa. Cada local abrigava um conjunto de colónias de origem local (nativas), juntamente com pelo menos dois conjuntos de colónias de origem não-local, menos adaptadas às condições ambientais. As colónias foram criadas no final do verão de 2009 e foram avaliadas de acordo com um protocolo padrão utilizado por todos os parceiros. Nenhum tratamento químico contra ácaros ou doenças foi realizado para permitir a expressão de fatores de tolerância. Além de parâmetros como a hibernação e a formação de colónias, foi dada atenção a parâmetros de vitalidade, como o nível de infestação de ácaros, comportamento e a ocorrência de outras doenças.

As conclusões deste extenso experimento de campo confirmou a maior vitalidade das abelhas locais em comparação com as estirpes não-locais. Estes resultados indicam que é possível uma apicultura mais sustentável utilizando abelhas e rainhas das populações locais. Estas interações genótipo-ambiente nunca antes tinham sido provadas numa escala tão grande. Estas conclusões podem surpreender alguns apicultores que acreditam que rainhas compradas de fontes fora de sua própria região são de alguma forma “melhores” do que as abelhas que já têm nos seus próprios apiários.

Existem agora evidências crescentes dos efeitos adversos do comércio internacional de abelhas, que levaram num passado mais ou menos recentes à propagação de novas pragas e doenças como o ácaro varroa e o nosema ceranae. A equipa de investigadores está esperançados que as provas fornecidas nestes artigos inspirem apicultores e cientistas a explorar e apreciar o valor das abelhas criadas localmente e a desenvolver e apoiar programas de melhoramento dos ecotipos/raças locais. As importações que podem resultar na introdução de novas pragas e agentes patogénicos, apresentam outros perigos como a inevitável perturbação da integridade genética das populações locais. A disseminação de genes importados na população local é provável, e o aumento da diversidade genética não é necessária e universalmente benéfica. Uma vez que genes mal adaptados serão selecionados/eliminados através da elevada mortalidade/menor longevidades das abelhas, esse processo a curto prazo pode contribuir para a perda de colónias, e a longo prazo, revela-se insustentável.

Fonte: http://www.tandfonline.com/doi/pdf/10.3896/IBRA.1.53.2.01

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *