a criação de rainhas e as propostas formativas: algumas questões

Nos livros de referência acerca de criação de rainhas, descobrimos rapidamente que há mais de uma maneira de criarmos as nossas próprias rainhas. Entre as mais conhecidas estão o Método Miller e o Método Doolittle ou translarve de larvas (grafting). Foco-me neste último, o método de criação de rainhas por translarve, porque me parece que é o mais ensinado pelos formadores nos cursos de curta duração sobre criação de rainhas.

Para que o método do translarve seja levado a cabo deparamo-nos com a necessidade de recorrer a uma parafernália de objectos e múltiplas etapas: desde cúpulas, agulhas de enxertia/translarve, barras de enxertia, enxertia simples, dupla enxertia… Temos ainda colónias iniciadoras com rainha, colónias iniciadoras sem rainha, colónias acabadoras, incubadoras de rainhas, gaiolas de rainhas,  recolha de amas, engaiolamento de rainhas e amas, preparar o candy para as gaiolas, núcleos de fecundação das mais diversas dimensões, e mais coisas ainda pelo meio.

Para o apicultor com apenas algumas colmeias, a informação a assimilar em pouco tempo pode ser avassaladora, assim como o investimento a fazer em material dedicado. Para o apicultor com centenas de colónias, torna-se incomportável do ponto de vista do equipamento e do trabalho envolvido. Isso não quer dizer que este método não funciona ou é ineficiente, porque funciona bem o suficiente para nele se basear uma indústria de criação de rainhas.

A primeira questão que me surge: será o método de criação de rainhas por translarve o mais indicado para se ensinar, e sobretudo praticar, em cursos de curta duração, onde a população-alvo maioritariamente se constitui de pequenos apicultores e/ou jovens que se estão a iniciar na apicultura? Responderia que sim se todos eles estivessem a dar os primeiros passos para no futuro serem criadores de rainhas. Mas será realisticamente esse o caso?

O método Doolittle é o método mais utilizado pelos criadores profissionais de rainhas. Para ter certeza de que as rainhas produzidas a partir deste método são as melhores possível estes criadores experimentados fazem enxertos com larvas o mais jovens possível (12 a 24 h de idade). Estas larvas são do tamanho desta virgula “,” e podem ser facilmente danificadas no processo de enxertia.  É uma operação delicada que exige excelente visão e mãos treinadas.

Segunda questão: em cursos de curta duração há tempo e oportunidade para que todos os formandos façam enxertos, treinem a mão, errem e voltem a repetir o processo até que o gesto técnico esteja minimamente apreendido e dominado? Se sim voltarão ao seu apiário e realizarão os primeiros translarves com algum sucesso e continuarão motivados. Caso contrário muitos deixarão de utilizar a técnica por desmotivação. Neste caso todo o tempo e dinheiro despendido por eles e/ou estado pouco ou nenhum retorno terá.

Para se alcançar a excelência na produção de rainhas pelo método de translarve as cúpulas devem estar preparadas com geléia real ou mesmo ser efectuado o duplo enxerto de larvas. Procura-se que a larva esteja constantemente em contato com a alimento vital que torna a larva numa rainha de qualidade. A alimentação adequada das jovens abelhas amas com grandes quantidades de néctar e pólen assegurará que as larvas da rainha em desenvolvimento serão alimentadas copiosamente e que as rainhas virgens estarão em excelentes condições na altura da eclosão. Se a cúpula da rainha não estiver devidamente preparada com geléia real, todo o esforço colocado na criação de rainhas de qualidade será desperdiçado. O Dr. C. L. Farrar declarou no seu artigo Production Management of Honey Bee Colonies que “qualquer interrupção na nutrição larvar é prejudicial quando se sabe que a larva de uma rainha deve aumentar cerca de 1.500 vezes o seu peso entre incubação e conclusão da alimentação 5 dias depois. Não basta que uma rainha ponha ovos férteis; ela deve estar completamente desenvolvida se for uma boa rainha, uma rainha capaz de construir e manter uma colónia na sua força total“.

Terceira questão: quantos formandos depois de um curso de curta duração poderão enxertar sem interromper por mais tempo que o desejável a nutrição larvar? Se poucos ou nenhum, sugiro que sejam informados pelos formadores no final do curso para as lacunas críticas que a sua aprendizagem ainda apresenta.

O método de criação de rainhas por translarve é na opinião de Gilles Fert, conceituado criador de rainhas, um método adequado aos apicultores que se focam na criação de rainhas na ordem das várias centenas ou milhares. Ele avança inclusivamente com um número bastante preciso: para os apicultores que desejem criar mais de 200 rainhas/ano justifica-se a utilização deste método. Para os que não pretendem atingir esse número aconselha a utilização de outros métodos.

A última questão: estes cursos de curta duração, maioritariamente frequentados por apicultores que não irão necessitar de criar rainhas em grande número têm em devida conta o perfil de saída dos formandos, as suas reais necessidades actuais e futuras?

Fig. 1: Capa do livro de Gilles Fert L’élevage des reines, com tradução portuguesa. 

Apêndice: No contexto actual de desenvolvimento da apicultura nacional já temos vários criadores profissionais de rainhas que procuram responder às necessidades do mercado. Se, ainda assim, as necessidades de rainhas ultrapassam a sua capacidade de resposta então justifica-se a montagem de cursos de média-longa duração para futuros criadores de rainhas. Destes cursos sairão criadores de rainhas devidamente qualificados e motivados para satisfazer as lacunas no lado da oferta. Nestes casos, e só nestes casos, justifica-se a aprendizagem e o treino de criação de rainhas pelo método aqui abordado.

4 thoughts on “a criação de rainhas e as propostas formativas: algumas questões”

  1. Olá Eduardo
    Antes desejo que tenha tido BOM NATAL e que o ANO NOVO traga bons resultados e saúde. Que o Blog continue a ser um guia.
    Quanto ao método de criação de rainhas por translarve preparei-me, equipei-me e nos momentos de arranque sempre hesitei. São tantas as contingências que só por acaso um amador obterá rainhas de qualidade. É um bom método para vendedores de rainhas ou grandes apicultores com pessoal especializado.
    Eu sigo um método simples, em que intervenho menos do que as abelhas.
    Foi-me sugerido por Jean Pierre Prost, de quem já falei. Peço que abra, a todos os seguidores, um portal ” EU FAÇO ASSIM” :
    – Selecçiono uma colmeia do apiário. Retiro a rainha, um quadro com criação tapada e outro de provisões, completo com quadros vazios e levo este núcleo para outro ponto do apiário. Fica a parte restante da colmeia ( quatro ou cinco quadros de criação, um ou dois quadros de provisões e quadros vazios. As duas colónias são alimentadas com xarope de água e açucar.
    – Passados 10 dias faço, nas restantes colmeias do apiário, tantos núcleos de dois quadros (+ um quadro com células), quantos os quadros com células da colmeia selecçionada que tiver, em geral três a cinco.
    Nota: Podem cortar-se as células e formar mais núcleos com três quadros das colmeias do apiário
    Os núcleos formados ficam nos locais das colmeias e estas são deslocadas para outros pontos do apiário.
    Todas as colónias são alimentadas.
    O processo é satisfatório e espero que gostem.
    BOM ANO NOVO para todos.

    1. Bom dia José Marques
      Agradeço e retribuo os Votos enviados. Tudo de bom para si, sua família e suas abelhas em 2018!
      A sua experiência com o translarve reflecte, na minha opinião, a experiência de muitos outros.
      Vou aproveitar a sua sugestão e abrir uma nova categoria designada “Eu faço assim”. O seu modus operandi para produzir rainhas vai ser copiado para lá e será o fundador desta nova categoria. Um abraço.

  2. Olá Eduardo.
    Para começar gostava de desejar um bom ano para ti, como também para todos que acompanham o teu blog, que seja um ano cheio de saúde e com muita actividade apícola.
    O amigo José Marques refere que as rainhas criadas pelos amadores, não são de boa qualidade.
    Eu acrescentaria mais, não são só as dos amadores, mas também as dos criadores profissionais.
    E nós já tivemos essa experiência, não vale a pena tornar a discutir as razoes, porque já o discutimos aqui.
    Um abraço, e mais uma vez um BOMMMM ANOOOOOO

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *