a colocação de quadros de cera laminada no ninho

Os apicultores sabem que os quadros de cera laminados colocados no ninho da colmeia são rapidamente puxados quando a colmeia está em expansão e a rainha necessita de mais espaço para fazer postura. Quando as abelhas cerieiras encontram estes quadros nos ninhos iniciam prontamente a puxada da lâmina de cera. Aqueles que colocam quadros de cera laminada nas extremidades do ninho (posição 1 ou 10), na esperança de eles serem rapidamente puxados, vêm as suas expectativas frequentemente frustradas. As abelhas só os puxarão em último recurso, e muitas vezes apenas o puxam na face interior do quadro.

Sabendo isto coloca-se a questão da posição precisa onde deveremos colocar os quadros de cera laminada? Na extremidade da zona de postura? No seio da zona de postura, intercalando um ou mais quadros de cera laminada entre quadros de criação? A resposta é que depende.

O início da estação da puxada de ceras no ninho diverge de local para local, e até de ano para ano. Tomo como indício que as abelhas estão em condições de puxar cera dos quadros laminados quando noto no travessão superior dos quadros pequenos rebordos de cera clara. Nestas condições e quando a câmara de criação ainda não está densamente povoada com as abelhas a fazerem camadas sobrepostas e, ao mesmo tempo, as temperaturas ainda são relativamente baixas, o local mais aconselhado para colocar o quadro de cera laminada é no espaço imediatamente a seguir ao último quadro de cria. Mesmo existindo quadros puxados mais no exterior, o quadro de cera laminada nesta posição obrigará as abelhas a puxá-lo para manter a continuidade da criação.

Screen Shot 2016-01-30 at 17.29.56

Screen Shot 2016-01-30 at 17.31.08

Mais tarde na estação — quando a câmara de criação está a bem cheia com abelhas e as temperaturas estão mais altas —, os quadros de cera laminada podem ser intercalados no interior da câmara de criação. Nesta posição o quadro de cera será puxado e a rainha iniciará a ovodeposição daí a 4 a 5 dias.

Screen Shot 2016-01-30 at 17.31.32

Argumenta-se frequentemente que descontinuar a câmara de criação, intercalando quadros de cera laminada, provoca a criação de realeiras no lado onde a rainha fica ausente temporariamente. Estudos controlados, assim como a minha experiência, sugerem que isto não ocorre habitualmente a não ser que a colónia já estivesse a preparar a substituição da rainha.

Como em muitas outras coisas as operações e os maneios num sistema complexo como o ninho de uma colónia de abelhas, varia de apicultor para apicultor. Esta diversidade assenta em vários factores, um dos quais será o nível de risco com o qual o apicultor se sente confortável. No caso em questão o apicultor que deseje fazer um maneio muito prudente, poderá sempre colocar os quadros de cera laminada no exterior da zona de cria para evitar o desconforto que lhe provoca intercalar quadros de cera laminada no interior dos quadros com cria.

2 thoughts on “a colocação de quadros de cera laminada no ninho”

  1. Boa noite Eduardo,

    No meu maneio procedo precisamente desta forma.
    E com base na minha modesta experiência, numa colmeia forte com uma rainha à altura, que disperse por a colmeia ferormonas como manda a lei, não há cá células reais para ninguém :), há sim um quadro puxado em 2 ou 3 dias e ovinhos com fartura ao fim de uma semana, que mal se vêm na cera branquinha.

    Bom post, e de muita utilidade para muitos…

    1. Bom dia, Bruno!
      Cera laminada de qualidade para as abelhas, na altura certa, deve ser como um bom cozido à portuguesa para nós. Não se fazem esperar nem desperdiçam um milímetro de área. É verdade que a cera está muito cara, em especial para quem não tem broa para trocar. Mas sem boa cera nova não podemos almejar bons resultados.

      Acerca dos posts, com toda a humildade, e sem pretender que todos eles sejam igualmente úteis para todos, muitos são escritos a pensar na informação que me fez falta quando me iniciei nas abelhas. Na altura, e ainda hoje, os blogues Montedomel e o Apicultor muito me ajudaram. Um abraço de grande gratidão ao Joaquim Pifano e ao Jardim, já antes apresentado a ambos noutros veículos/media, mas que deixo aqui novamente.
      Saúde Bruno!

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *